Uma nação corrompida

Carlos Chagas
 
Importa  menos se  João Dias  for um bandido que  inventa e  acusa sem provas ou se  Orlando Silva vem sendo vítima de um complô entre a Fifa e Ricardo Teixeira,  por conta da Copa do Mundo. A verdade é que não dá  mais para o ministro permanecer. Seu desgaste pessoal só não é maior do  que o desgaste do governo. Da lambança restrita ao choque com o ex-policial, salta aos olhos o abuso que vem marcando o conluio existente entre o poder público e montes de ONGs fajutas e criminosas. Porque a farra não se limita ao ministério dos Esportes, como antes não   se circunscrevia ao ministério do Turismo. A metástese generalizou-se, vinda do governo Fernando Henrique, passando pelo governo do Lula e mantendo-se no governo Dilma. 

Inocente ou culpado, Orlando Silva lidera o noticiário e sofre  a indignação nacional diante desse expediente primário da criação de organizações-não governamentais  feitas para mamar nas tetas do tesouro público e irrigar os caixas  de partidos políticos, grupos próximos do poder, amiguinhos  e até simples espertalhões  empenhados em enriquecer. 
Se há ONGs sérias, que prestam serviço à sociedade, seu número parece infinitamente menor  do que as  arapucas infiltradas na administração federal, estadual e municipal. Dizendo-se não-governamentais, transformaram-se em penduricalhos do governo, sempre prontas a molhar a mão e o bolso das autoridades encarregadas de facilitar-lhes o assalto.

Raros são os ministérios onde  ONGs não são financiadas pela corrupção, existindo também os dedicados a falcatruas ainda maiores,  através das empreiteiras.  Quatro  ministros já foram triturados nas engrenagens que agora espremem  o titular dos Esportes, tornando-se uma questão  de tempo saber quando será expelido. Melhor faria se evitasse o espetáculo encenado por Antônio Palocci, Pedro Novais, Wagner Rossi e Alfredo Nascimento, que resistiram inutilmente antes de mergulhar nas profundezas. 
 
***
MENSALEIROS EM AGONIA 
 
A cada novo escândalo denunciado no país, diminuem as chances de absolvição dos 39 mensaleiros em julgamento no Supremo Tribunal Federal. Não se cometerá a perigosa ilação  de presumir o voto dos ministros  da mais alta corte nacional de Justiça, valendo apenas registrar terem sido raros os casos em que ela decidiu desligada da opinião pública. Os ventos que sopram na sociedade irrompem pelas  frestas e até pelas  janelas do Supremo, ainda que alguns de seus integrantes sustentem, teoricamente, a necessidade de  decisões calcadas exclusivamente na lei e na jurisprudência.

Estão os Meretíssimos atentos ao que se passa do lado de fora. A indignação nacional cresce a olhos vistos diante do espetáculo de corrupção encenado no país. Ficou para o primeiro semestre do ano que  vem o  julgamento dos réus implicados na mãe de todas as lambanças do governo Lula. É mais tempo para a descoberta de novas falcatruas, aumentando a reação nacional e levando os  mensaleiros à agonia. 
 
***
ADEUS REFORMA  POLÍTICA

 
De forma lenta,  a reforma política sumiu do noticiário. Na Câmara e  no Senado arrastam-se bissextos debates e análises nas comissões técnicas, mas ninguém acredita  mais na mudança das diretrizes eleitorais  básicas. Até porque, passou o prazo para sua aplicação nas eleições do ano que vem, por impositivo constitucional. Como 2014 está distante e imperscrutável, senadores e deputados dedicam-se a deixar tudo como está, em termos institucionais. Até a mudança na data da posse dos novos presidentes da República ficou para um dia, no futuro…
 
***
SUMIU
 
Mesmo sem integrar a comitiva da presidente Dilma à África, quem sumiu foi a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti. Nenhuma intervenção teve a ex-senadora  na crise porque passa o PCdoB, a partir das denúncias contra o ministro Orlando Silva. Não é com ela se os comunistas históricos viram-se substituídos por capitalistas ditos não-governamentais, encarregados de impulsionar suas ONGs.

Duas explicações surgem a respeito:  Ideli refluiu em sua atuação pela ausência de problemas político-partidários de vulto, nas relações da base parlamentar oficial com o governo, ou…   Ou a ministra resolveu adotar a máxima que Mussolini aplicava para a Itália na primeira  metade do século passado: “Administrar os italianos não é apenas impossível, é inútil”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *