Uso do gás de xisto pode revolucionar a economia mundial

Gelio Fregapani

Aparentemente tudo está calmo e o futuro se mostra risonho. A histeria do aquecimento global já foi desmoralizada, e os países mais adiantados voltaram a utilizar a energia barata do carvão, além da descoberta de novas fontes. A utilização do gás de xisto gerou um excedente de carvão nos EUA, que foi vendido a preço baixo aliviando a economia europeia.

Caso sejam confirmadas as melhores expectativas sobre o gás do xisto haverá uma revolução na economia mundial. Os EUA ressurgirão como potência industrial, o preço do petróleo cairá, talvez inviabilizando projetos como o do pré sal e o do etanol. Entretanto, persiste a desconfiança que o propalado gás não seja tão barato como foi anunciado e que a guerra pelo petróleo possa recrudescer.

Cada vez mais ninguém consegue competir com as indústrias da China. Os EUA baseiam suas esperanças no gás do xisto. Se não der certo não saberão o que fazer. Detroit, que já foi o símbolo da indústria está as moscas. Notícias não confirmadas de que o gás do xisto esteja sendo subsidiado põe em dúvida a sustentabilidade da recuperação norte-americana enquanto o Euro permanece na UTI.

Para as potências ocidentais a única saída parece ser o protecionismo, mas isto não impedirá a perda de seus mercados no Terceiro Mundo para a China, e não terão como pagar pelos recursos naturais que necessitarem para suprir sua protegida industria, mesmo restrita ao mercado interno.

Mais do que possível, este é o cenário mais provável. Acontecendo, poucos países sobreviveriam em boas condições, entre eles o nosso, se conseguir dissuadir aventuras desesperadas do estrangeiro.

Tudo pode acontecer, inclusive uma guerra. Enfim, o mundo nunca foi mesmo um lugar tranquilo como gostaríamos que fosse.

DÓLARES SEM LASTRO

Além da imensa quantidade de dólares sem lastro no mundo está havendo novas emissões, com o valor sustentado por informações que podem ser falaciosas e o mercado acionário poderá passar por um derretimento. Cresce a consciência que os grandes problemas mundiais são, em grande parte, manipulados por um pequeno grupo de grandes financistas internacionais.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

9 thoughts on “Uso do gás de xisto pode revolucionar a economia mundial

  1. Combustível do xisto

    A produção de combustível a partir de xisto, dentre outras necessidades, requer gigantesca quantidade de água, com sub produtos capazes de comprometer e degradar grandes reservatórios de águas subterrâneas. Por enquanto, a tecnologia do gás de xisto é muito recente, nada dominada e sob severas restrições de peritos ambientais. Aventura bem própria, de nações em total desespero econômico e estratégico, como os EUA. Para essa gente, vale tudo, sem medir consequências alguma.

  2. Prezado Fregapani

    Meu irmão Lynce Naveira, enviou-me um artigo seu. Mas por mais que tentou, só chegou uma pequena parte. Seria por conta e obra do Tio Sam, bisbilhotando e podando o que bem interessa?

  3. Caro Jornalista,

    O Fregapani foi generoso quando disse que o GÁS DE FOLHELHO poderá inviabilizar o programa de álcool brasileiro. Ora, não conheço nenhuma pessoa que tenha carro flex que não esteja utilizando gasolina!
    Além disso, USAR TERRA AGRICULTÁVEL para produzir combustível ao invés de alimento é um dos MAIORES DESPERDÍCIO de recursos naturais feito pela humanidade!
    E, em um futuro próximo, O MUNDO NÃO PODERÁ DAR-SE AO LUXO DESSE TIPO DE DESPERDÍCIO!

    Abraços.

    PS: O outro grande desperdício é USAR ÁGUA POTÁVEL PARA PRODUZIR ENERGIA ELÉTRICA!

    • Companheiro :
      1- a água nas hidrelétricas simplesmente passa pelas turbinas, não é consumida!
      2- pelo contrário : guarda-se água nos reservatórios para os tempos de estiagem!
      3- é energia renovável, perene!
      4- é, de longe, o Kw mais barato!

  4. Em se tratando de energia e meio ambiente, porque não se aproveita o lixo urbano, em
    que tudo e aproveitável: papel, plástico etc, o lixo orgânico pode ser aproveitado num
    biodigestor que produzirá gás, que poderá atender pelo menos em parte a demanda local.
    Benefícios: eliminaria os aterros sanitários, que futuramente poderá dar problemas
    ambientais, diminuiria as longas viagens feitas para o transporte do lixo para os aterros,
    teria uma grande quantidade de material para reciclagem, estimulando o surgimento
    de pequenas indústrias de reciclagem, em consequência geraria empregos.
    O lixo não deveria ser problema e sim solução.

  5. Até agora ninguém conhece os custos da extração do xisto. Só se sabe que são caríssimos. Mas de uma coisa todos já sabemos: tudo será resolvido politicamente, e não economicamente. A Polônia, por exemplo, é riquíssima em xisto; seus técnicos estão vindo ao Brasil com uma frequência inédita. O que estarão combinando? E qual o conteúdo das conversas? E … a Arábia Saudita, riquíssima em petróleo, como ficará se o petróleo for descartado no médio ou longo prazo? Guerras surgirão em função disso?

  6. O Estados Unido está se beneficiando da produção de de gás xisto por que já tem uma infraestrutura montada, quilômetros de tubulações de poços não produtivos fazem a produção de xisto ser viável, então não só depende da exploração mas a infraestrutura montada por trás que infelizmente o Brasil não tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *