Viagem pelo futebol

Viagem pelo futebolTostão (O Tempo)

Repito, estou sempre me repetindo, pois, para falar de algo novo, recorro, com frequência, às origens. No período entre 1974 e 1994, houve uma grande queda de qualidade no futebol, no Brasil e em todo o mundo.

Uma razão foi, paradoxalmente, o avanço técnico, tático e científico da seleção de 1970. A partir daí, todos os grandes clubes brasileiros formaram comissões técnicas, com vários especialistas e com ótimas estruturas profissionais. Isso foi importante para a evolução do futebol. Esporte é também ciência.

Mas, durante esse período, entre 1974 e 1994, houve, progressivamente, uma supervalorização dos técnicos e do jogo físico, tático, defensivo e uma desvalorização do jogo criativo e da improvisação. Os treinadores e os brucutus tomaram conta do futebol. O jogo ficou feio, chato e com poucos gols.

Aí, a partir da Copa de 1994, a vitória passou a valer três pontos. Por esse e por outros motivos, o futebol melhorou, especialmente nos últimos 10 a 15 anos.

O Brasil, apenas nos últimos anos, começou a acompanhar essa evolução. O Corinthians se tornou referência na maneira de jogar. A seleção da Copa das Confederações poderá ser outro exemplo. Essas equipes seguiram o modelo mundial, de pressionar quem está com a bola, de diminuir os espaços entre os setores, de trocar mais passes, de marcar e atacar com vários jogadores. Felipão mostrou que não é apenas um motivador. Está também atualizado.

O que era raro, anos atrás, agora, escuto, com frequência, treinadores e jornalistas esportivos falarem de marcação por pressão, de poucos espaços entre os setores, de volantes que têm bom passe, de posse de bola, de mais troca de passes, de meias que atacam e voltam para marcar o lateral, como fizeram Hulk e Oscar. Ouço falarem menos de três zagueiros, marcação individual, alas, jogadas aéreas, volantes de contenção.

Volto ao período entre 1974 e 1994. Trabalhava e estudava muito. Por falta de tempo e pelo desejo de ser um cidadão comum, afastei-me do futebol. Por isso, tive depois, como comentarista, dificuldade de compreender algumas coisas que aconteceram nesta época. Procurei me informar, ver filmes, ler livros e aprender com jornalistas que entendiam do assunto. Mesmo assim, conheço hoje melhor os times, seleções e jogadores de antes de 1974 e de depois de 1994 do que os entre esses anos.

Após essa viagem pelo futebol, volto ao presente e a Neymar. A cada dia, tenho mais convicção (não é certeza) de que ele estará, brevemente, entre os maiores jogadores da história do futebol mundial. Não estou surpreso. Quando o vi jogar, pela primeira vez, no Santos, escrevi que estava tão maravilhado quanto na época em que assisti aos primeiros jogos de alguns dos maiores jogadores da história.

Situação difícil

A superioridade do Newell’s Old Boys foi evidente. Mereceu o placar. Cuca deveria reconhecer isso em vez de colocar a culpa na arbitragem. Mais uma vez, o fator campo foi decisivo. No Independência, será a vez do Atlético-MG. É difícil, mas as chances são razoáveis, de a equipe se classificar para a final. O excelente quarteto ofensivo do Atlético-MG não funcionou, no ataque nem na marcação. Os dois volantes ficaram sozinhos, contra vários jogadores argentinos. Havia um enorme espaço entre a defesa e o meio-campo. No gol de falta, não havia como Victor defender a bola. O erro foi não colocar mais um jogador do lado de fora da barreira.

Fábio completou 500 jogos pelo Cruzeiro. Além de um grande goleiro, é um excepcional profissional.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Viagem pelo futebol

  1. No período citado (1974-1994, o futebol deixou de ser espetáculo para se tornar algo como ciência exata? Parece que sim. Aliás, documentário não muito exibido mostra João Saldanha a falar sobre estranheza de europeus sobre mudança de características do futebol brasileiro que passara a adotar práticas européias em detrimento do virtuosismo brasileiro. Sem dúvida alguma, vivemos período negro, mormente na Copa de 94, embora conquistada. Mas Tostão se esqueceu do período em que Telê comandou a seleção brasileira. Perdemos, sim, em 1982, mas como jogava aquela seleção. Mas, não há dúvida, e Felipão mostrou isso agora, podemos retornar o virtuosismo e aliá-lo às características do futebol moderno. E, mais do que nunca, com esses preços absurdos que o ingresso nos estádios ostentará, será preciso “reencarnar” o futebol-espetáculo de outrora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *