Vice-almirante pega 43 anos de cadeia pela corrupção na Eletronuclear

Othon Pinheiro corrompeu a filha, que se tornou sua cúmplice

Deu no Correio Braziliense

O juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, condenou na quarta-feira, 3, o ex-presidente da Eletronuclear, vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, a 43 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, embaraço a investigações, evasão de divisas e organização criminosa. Outros 12 réus também foram condenados na ação penal, que investiga crimes cometidos na construção da usina nuclear de Angra 3.

Othon foi acusado pelo Ministério Público Federal de cobrar propina em contratos com as empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix. Ele foi um dos alvos da 16ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Radioatividade, que avançou sobre irregularidades em contratos no setor elétrico. Preso em julho do ano passado, foi para o regime aberto em dezembro, mas voltou a ser preso no mês passado pela PF durante a Operação Pripyat acusado de continuar a exercer influência na Eletronuclear.

“O condenado abriu mão de sua honrada história para praticar, já na fase derradeira de sua vida profissional, atos de lavagem de capitais, falseando contratos comerciais, possivelmente para garantir uma aposentadoria mais confortável”, escreveu Bretas na sentença. A filha de Othon, Ana Cristina da Silva Toniolo, também foi condenada e deve cumprir pena de 14 anos e 10 meses de reclusão em regime fechado, além de pagar multa.

PAI E FILHA – Segundo a Procuradoria, os pagamentos de propina a Othon foram realizados por meio de empresas intermediárias para a Aratec Engenharia, controlada pelo vice-almirante e por sua filha. A investigação rastreou ao menos R$ 4,5 milhões em uma conta da Aratec.

Também condenados, executivos da Andrade Gutierrez tiveram suas penas reduzidas após fecharem acordos de delação premiada. O presidente afastado da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, por exemplo, teve perdão de 15 anos. Ele foi condenado a sete anos e quatro meses de reclusão. Para Flávio Barra, diretor da empreiteira, a pena definida foi de seis anos e 10 meses. Sem a delação teria de cumprir 20 anos e 6 meses.

Um dos sócios da construtora Engevix, o engenheiro José Antunes Sobrinho, teve a segunda maior pena, de 21 anos e 10 meses. Cristiano Kok, também da Engevix, foi absolvido por falta de provas. (As informações são do jornal O Estado de S. Paulo).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Vejam a que ponto chegamos. Além de se corromper, o vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva fez questão de envolver a própria filha, que se tornou cúmplice dele na firma criada para receber propinas. É uma situação humilhante para toda a família, para os amigos da Marinha e para as próprias Forças Armadas, que também têm pessoas sem caráter em suas fileiras. (C.N.)

One thought on “Vice-almirante pega 43 anos de cadeia pela corrupção na Eletronuclear

  1. Um velho conhecido…. Na década de 80, quando era superintendente da COPESP / IPEN ele tinha , com recursos públicos, 3 contas secretas no banco Itaú da Av. Vital Brasil – Butantã – São Paulo. Eu denunciei o fato e ele foi para Aramar, onde colocou a conta secreta delta 4. O processo relativo a esse caso terminou por decurso de prazo….
    Outra lenda urbana é a de que ele foi o ‘pai do programa nuclear, quem iniciou esse programa foram os Profs. Romulo Ribeiro Pieroni e Marcelo Dammy de Souza Santos, que trouxeram as ultracentrífugas da Alemanha, que ficaram por anos escondidas no IPT, devido ao Acordo Átomos Para a Paz….

    Ele vai ser novamente julgado pela Justiça Militar ?

Deixe uma resposta para virgilio tamberlini Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *