Votação do impeachment deve ficar para quarta-feira e atrapalha planos de Temer

Resultado de imagem para lewandowski presidindo senado

Há discursos demais e Lewandowski tem de adiar a votação

Débora Álvares, Lais Alegretti, Valdo Cruz e Gustavo Uribe
Folha

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, afirmou na manhã desta terça-feira (30) que a votação do impeachment de Dilma Rousseff deve ocorrer somente na quarta-feira (31). Isso porque ele pretende separar a fase de hoje, quando ocorrem os discursos dos senadores, da última etapa do julgamento, que é a votação em si.

O adiamento afeta os planos do presidente interino, Michel Temer, que pretende ir nesta semana à China para participar do encontro do G-20. Caso seja efetivado no cargo, esta será a primeira viagem internacional dele como presidente da República.

Encerrado o depoimento de Dilma, que esteve ao longo de toda a segunda-feira respondendo perguntas dos senadores, a sessão do impeachment foi retomada nesta manhã. Está previsto o debate entre acusação e defesa, que terão uma hora e meia cada para se manifestar, além de mais uma hora para réplica e tréplica.

Em seguida, começa a fase dos discursos dos senadores, que só deve ocorrer a partir do meio da tarde. Até 10h, 61 deles estavam inscritos — cada um deles tem dez minutos para falar na tribuna. Com isso, a expectativa é de que as falas sigam até a madrugada.

SÓ NA QUARTA-FEIRA – A intenção de Lewandowski é encerrar a fase de discursos, interromper a sessão e, então, retomar os trabalhos para votar. Segundo o ministro, a votação demanda um rito específico e ele quer dar um espaço entre as etapas. Ele disse, ao abrir a sessão desta terça, que pretende retomá-la para o julgamento final entre 10h e 11h de quarta.

A decisão é mais uma ameaça para tentar fazer com que os parlamentares diminuam o tempo de discurso. No PMDB, por exemplo, a ideia é concentrar todas as falas no líder, Eunício Oliveira (CE), que deve discursar em nome do partido. Ao longo do dia, outras siglas podem fazer acordo semelhante, ou decidir reduzir, na informalidade, o tempo das respectivas falas.

VIAGEM DE TEMER – Com a possibilidade da votação final do impeachment se estender para a tarde de quarta-feira (31), o governo interino avalia a possibilidade de adiar para o sábado (3) o encontro marcado para a tarde de sexta (2) entre Michel Temer e o presidente chinês, Xi Jinping.

Para a reunião, o peemedebista precisaria embarcar no início da noite de quarta-feira, o que pode ser inviabilizado devido à necessidade de realização de uma cerimônia de posse no Congresso Nacional.

Com o risco de atraso no cronograma da etapa final, o presidente interino já descarta fazer uma parada em Xangai, onde participaria de encontro com empresários chineses e brasileiros. Na China, Temer participará de reunião com o grupo G-20, marcada para os dias 4 e 5 de setembro. Ele pretende retornar ao Brasil para estar na abertura da Paraolimpíada em 7 de setembro.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Isso tudo é bobagem. Presidente ainda interino ou não, na prática não há diferença. (C.N.)

63 thoughts on “Votação do impeachment deve ficar para quarta-feira e atrapalha planos de Temer

  1. Ele vai mandar na frente o ‘moralizador’….

    Terça-feira, 30/08/2016, às 14:31, por Gerson Camarotti
    Planalto escala Blairo para primeira parte de viagem à China
    O Palácio do Planalto já colocou em prática um “plano b” e escalou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para representar o governo na primeira etapa da viagem internacional à China, caso Michel Temer não consiga chegar a tempo.

    Blairo viaja ainda na noite desta terça-feira, como uma ação preventiva caso a votação final do impeachment atrase. A primeira agenda no país será um encontro com empresários em Xangai. Temer avisou que só viajará para a China, onde haverá encontro de cúpula do G20, quando o processo de impeachment for concluído e ele puder assinar o termo de posse no Congresso.

    Questionado pelo Blog, o ministro Blairo Maggi brincou: “Se o impeachment não passar, quando eu chegar a Dubai, volto para o Brasil.”

    • A viagem é importante, deveria se encontrar com investidores estrangeiros, etc.

      Do ponto de vista do investidor internacional, a liderança do Brasil ainda é incerta. Essa dúvida poderia ser dirimida.

      E sim, o Brasil precisa MUITO de investimento. O povo do Brasil está escangalhado, mal tem dinheiro pra sobreviver. A solução é buscar dinheiro no exterior (daí aparecem os “dinossauros” com aquela conversa de proteger “interesses” nacionais, e blabla).

  2. A vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko – número dois na hierarquia da Procuradoria Geral da República (PGR) –, foi exonerada do cargo nesta terça-feira (30), a pedido, após a divulgação de um vídeo que mostra a subprocuradora participando de uma manifestação organizada em Portugal contra o presidente em exercício Michel Temer.

    No entanto, como é procuradora de carreira, Ela Wiecko permanecerá na PGR mesmo com a exoneração do cargo de vice do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

    Segundo a PGR, o pedido de exoneração foi aceito por Janot. Em nota, a assessoria da Procuradoria informou que o afastamento da vice-procuradora da função será publicada no “Diário Oficial da União” (leia a íntegra do comunicado ao final desta reportagem). Ainda não divulgado quem irá substituí-la na segunda função mais importante do Ministério Público Federal.

    O protesto contra o governo Temer no país europeu, no qual Ela Wiecko participou, ocorreu em junho. Na ocasião, a subprocuradora foi filmada no protesto segurando uma faixa que denunciava a realização de um “golpe” no Brasil e tinha a mensagem “fora, Temer”.

    A participação de Ela no ato foi publicada nesta terça no site da revista “Veja”. A reportagem mostrou um vídeo exibido pela TVT, emissora ligada à Central Única de Trabalhadores (CUT), no qual a vice do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aparece ao lado de estudantes e do intelectual português Boaventura de Sousa Santos, professor catedrático da Universidade de Coimbra.

    Ela Wiecko formou-se em direito na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É procuradora da República desde 1975. Atuou na área de direitos humanos da Procuradoria de Santa Catarina e é subprocuradora-geral da República desde 1992. Já trabalhou com projetos de enfrentamento à violência contra mulher, trabalho escravo e direito dos quilombolas.

    É doutora em crimes contra sistema financeiro e participou da elaboração do anteprojeto do Código Penal entre 1997 e 1998. Já presidiu a Associação Nacional dos Procuradores da República. Foi indicada em 2012 à vaga de ministro do STF. Já integrou a lista tríplice para o cargo de procurador-geral sete vezes, em 2001, 2003, 2005, 2007, 2009, 2011 e 2013.

    http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/08/vice-de-janot-e-exonerada-apos-vir-tona-que-participou-de-ato-fora-temer.html

    • Vice de Janot renuncia

      terça-feira, 30 de agosto de 2016 – 17:40 hs. Deixe um comentário.

      O Antagonista

      Ela Wiecko acaba de deixar o cargo de vice-procuradora-geral da República. Sua situação ficou insustentável depois de revelar que Michel Temer está sendo delatado na Lava Jato.

      Wiecko fez tal afirmação à Veja, após ser questionada sobre a participação num protesto contra o impeachment de Dilma Rousseff.

      Em nota à imprensa, a PGR confirmou que “Ela Wiecko pediu dispensa das funções do cargo de vice-procurador-geral da República”. Rodrigo Janot já assinou a portaria de exoneração da procuradora.

  3. Por isso a ineficiência o setor publico, muito oneroso, lento. Depois do Discurso de ontem deviam já ter decidido, se fica ou sai. Afinal quem não votou nessa chapa é obrigado conviver com esses antros. Se Dilma ficar é pessimismo, se Temer permanecer é péssimo. Logo os sujos se merecem, e seus eleitores que chorem na cantareira e fazer uma boa obra.

  4. Alguém pode me explicar essa matemática do impeachment? Li que Dilma bastaria ter 28 votos a seu favor para manter-se no cargo, mesmo contando abstenções, ausentes. Please, me expliquem. Obrigada.

    • Pra que ela não retorne, são necessários no mínimo 2/3 do total de senadores. Como são 81, 2/3 de 81 = 54. Ou seja, sobrariam para Dilma no máximo 81 – 54 = 27 votos. Se ela obtém 28 votos, significa que se conseguiu 53 votos contra ela. Ok ?

  5. Mês de julho
    Somente em julho deste ano, ainda segundo números oficiais, as contas do governo registraram um déficit primário de R$ 18,55 bilhões. Com isso, houve piora frente ao mesmo período do ano passado (-R$ 7,14 bilhões).

    O rombo fiscal das contas também foi o pior, para meses de julho, desde o início da série histórica do Tesouro Nacional, em 1997. Ou seja, foi o pior resultado para este mês em 20 anos.

    De acordo com Ana Paula Vescovi, do Tesouro Nacional, houve o pagamento, em julho deste ano, de R$ 9,8 bilhões em subsídios, subvenções e valores para o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), além de R$ 2,9 bilhões em ajuda emergencial ao município do Rio de Janeiro – em função da Olimpíada. Esses valores impactaram o resultado das contas.

    Por outro lado, o governo recebeu, no mês passado, R$ 1,2 bilhão relativo à última parcela da concessão de 29 usinas hidrelétricas. O valor total recebido pela União totalizou R$ 17,4 bilhões no acumulado deste ano, sendo outros R$ 11 bilhões em janeiro e R$ 5,2 bilhões em junho

  6. Alguns doadores da campanha do Pedro Paulo, amigão do ‘nervosinho’

    1) Marcelo Limirio (doou R$200 mil) – É ex-sócio do bicheiro Carlinhos Cachoeira e do ex-senador Demóstenes Torres. Limírio comprou o Hotel Nacional em 2009 em uma operação suspeita na qual Eduardo Paes anunciou mudanças de última hora que permitiriam que o novo dono do Hotel Nacional construísse uma segunda torre no local.

    2) Aziz Chidid Neto (doou R$113 mil) – É dono do Plano de Saúde Assim, que atende os servidores da Prefeitura do Rio. Simples assim. Outros dois sócios doaram R$50 mil cada.

    3) Rogério Jonas Zylbersztajn (doou R$100 mil) – É dono da construtora RJZ Cyrela, responsável pela construção do Campo de Golfe Olímpico em cima de uma Área de Proteção Ambiental. Ao lado do Campo, a empresa ganhou uma licença para construir 23 prédios de luxo. A justificativa do COI para a construção no local foi “uma decisão técnica baseada em um relatório que não pode ser divulgado”. Além disso o MP-RJ questionou um possível favorecimento à RJZ Cyrela quando outra empresa entrou na justiça alegando ser proprietária do terreno.

  7. IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEF

    Depois de nove meses de penosa gestação indesejada, eis que vimos o renascer da esperança por dias melhores , graças a Providência Divina: E na verdade, O Grande Arquiteto do Universo é o Autor desse livramento, embora o parto haja ocorrido num decantado hospício babilônico, onde a inconsequência conseguiu fechar um processo político-jurídico com chave de ouro, impondo a inadmissível substituição de dispositivo constitucional, por queda de burro sem coice, preservando os direitos políticos da Presidenta caçada:

  8. ABUSO DE AUTORDADE – SUPERIORES E INFERIORES

    (Desde magistrados ilibados que aceitam suborno, até policiais subalternos que praticam extorsão achacando e oprimindo gente inocente)

    9. A autoridade, tanto quanto a riqueza, é uma delegação de que terá de prestar contas aquele que se ache dela investido. Não julgueis que lhe seja ela conferida para lhe proporcionar o vão prazer de mandar; nem, conforme o supõe a maioria dos potentados da Terra, como um direito, uma propriedade. Deus, aliás, lhes prova constantemente que não é nem uma nem outra coisa, pois que deles a retira quando lhe apraz. Se fosse um privilégio inerente às suas personalidades, seria inalienável. A ninguém cabe dizer que uma coisa lhe pertence, quando lhe pode ser tirada sem seu consentimento. Deus confere a autoridade a título de missão, ou de prova, quando o entende, e a retira quando julga conveniente.
    Quem quer que seja depositário de autoridade, seja qual for a sua extensão, desde a do senhor sobre o seu servo, até a do soberano sobre o seu povo, não deve olvidar que tem almas a seu cargo; que responderá pela boa ou má diretriz que dê aos seus subordinados e que sobre ele recairão as faltas que estes cometam, os vícios a que sejam arrastados em conseqüência dessa diretriz ou dos maus exemplos, do mesmo modo que colherá os frutos da solicitude que empregar para os conduzir ao bem. Todo homem tem na Terra uma missão, grande ou pequena; qualquer que ela seja, sempre lhe é dada para o bem; falseá-la em seu princípio é, pois, falir ao seu desempenho.
    Assim como pergunta ao rico: “Que fizeste da riqueza que nas tuas mãos devera ser um manancial a espalhar a fecundidade ao teu derredor”, também Deus inquirirá daquele que disponha de alguma autoridade: “Que uso fizeste dessa autoridade? Que males evitaste? Que progresso facultaste? Se te dei subordinados, não foi para que os fizesses escravos da tua vontade, nem instrumentos dóceis aos teus caprichos ou à tua cupidez; fiz-te forte e confiei-te os que eram fracos, para que os amparasses e ajudasses a subir ao meu seio.”
    O superior, que se ache compenetrado das palavras do Cristo, a nenhum despreza dos que lhe estejam submetidos, porque sabe que as distinções sociais não prevalecem às vistas de Deus. Ensina-lhe o Espiritismo que, se eles hoje lhe obedecem, talvez já lhe tenham dado ordens, ou poderão dar-lhas mais tarde, e que ele então será tratado conforme os haja tratado, quando sobre elexercia autoridade.
    Mas, se o superior tem deveres a cumprir, o inferior, de seu lado, também os tem e não menos sagrados. Se for espírita, sua consciência ainda mais imperiosamente lhe dirá que não pode considerar-se dispensado de cumpri-los, nem mesmo quando o seu chefe deixe de dar cumprimento aos que lhe correm, porquanto sabe muito bem não ser lícito retribuir o mal com o mal e que as faltas de uns não justificam as de outrem.
    Se a sua posição lhe acarreta sofrimentos, reconhecerá que sem dúvida os mereceu, porque, provavelmente, abusou outrora da autoridade que tinha, cabendo-lhe, portanto, experimentar a seu turno o que fizera sofressem os outros. Se se vê forçado a suportar essa posição, por não encontrar outra melhor, o Espiritismo lhe ensina a resignar-se, como constituindo isso uma prova para a sua humildade, necessária ao seu adiantamento. Sua crença lhe orienta a conduta e o induz a proceder como quereria que seus subordinados procedessem para com ele, caso fosse o chefe.
    Por isso mesmo, mais escrupuloso se mostra no cumprimento de suas obrigações, pois compreende que toda negligência no trabalho que lhe está determinado redunda em prejuízo para aquele que o remunera e a quem deve ele o seu tempo e os seus esforços. Numa palavra: solicita-o o sentimento do dever, oriundo da sua fé, e a certeza de que todo afastamento do caminho reto implica uma dívida que, cedo ou tarde, terá de pagar.
    – François-Nicolas-Madeleine, Cardeal Morlot. (Paris, 1863.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *