Votar nulo, em branco ou se abster so decises que s favorecem os polticos corruptos

Carlos Newton

No desespero com a progressiva decadncia dos trs poderes da Repblica, muitos brasileiros defendem uma renovao radical da classe poltica. Uns pretendem invalidar as eleies atravs do voto nulo ou em branco, outros defendem a absteno e h tambm quem sugira que no se reeleja nenhum poltico, votando-se apenas em quem jamais disputou eleio.

Alguns acham que, se a maioria anular o voto, votar em branco ou se abster, a eleio ser automaticamente invalidade, mas isso no verdade. Nenhuma eleio jamais ser invalidada por votos nulos, em branco ou absteno massiva. Se houver apenas um voto, ele ser vlido e o resultado da eleio estar confirmado.

Na forma da lei, infelizmente a nulidade da votao somente ocorre em casos muito especiais, com ocorrncia de fraude ou erro essencial de organizao.

UMA DECEPO ENORME

Entende-se perfeitamente a decepo desses brasileiros. Realmente, muito duro suportar tanta falta de esprito pblico, tanta corrupo e tanta impunidade, em meio progressiva segregao de grande parte da populao brasileira, que necessita dos servios pblicos de sade, educao, saneamento e transportes, mas continua eternamente desassistida.

Veja-se o caso da sade pblica, por exemplo. Os governantes conseguiram dividir os brasileiros em duas classes os que tm planos de sade e os que no tm. Mas h, ainda, mais uma subclasse, formada pelos segurados de planos de sade que no funcionam e fazem com que o suposto beneficirio acabe tendo de recorrer aos hospitais pblicos.

Na educao, formaram-se as mesmas classes, dividindo os brasileiros entre os que tm escola particular e os que necessitam da escola pblica, havendo tambm a subclasse dos que se sacrificam para colocar os filhos em colgios particulares que tambm quase nada ensinam.

REALIDADE MASSACRANTE

diante desta realidade incontestvel e massacrante que muitos brasileiros perdem a confiana nas eleies, por entenderem que votar no significa nada. verdade, muitas eleies no mudam nada, mas no se pode aceitar esse posicionamento autodestrutivo de brasileiros conscientes, porque a eleio nossa nica arma.

Se os brasileiros conscientes desistem de votar, os nicos beneficiados so os polticos profissionais, que j tm seus feudos. Quando votamos nulo ou em branco, e quando deixamos de votar, os corruptos ficam cada vez mais fortalecidos.

Por tudo isso, fica claro que os brasileiros conscientes no podem se omitir nas eleies. Pelo contrrio, precisam participar e influir para que os melhores candidatos (ou os “menos piores”, como diz o comentarista Tho Fernandes) sejam eleitos. Pensem nisso.

33 thoughts on “Votar nulo, em branco ou se abster so decises que s favorecem os polticos corruptos

  1. CN, seu raciocnio claro e correto, ainda que com uma forte
    campanha em favor do voto nulo, no se conseguiria atingir a
    maioria do eleitorado. Votando nulo, s beneficiar principalmente
    o governo, que tem seu eleitorado cativo: O pessoal da Bolsa Famlia
    os cotistas, os feudos do PMDB, e os que tm cargos comissionados,
    soma-se ainda os petistas inflexveis.
    Tirar o PT do governo, uma necessidade. Votar em qualquer um, mesmo que no seja bom ou o ideal, mas que tenha condies de ganhar do candidato do PT.
    Neste caso, a mudana salutar e sempre nos dar uma nova esperana.

    • Nelio, falaste o certo! O objetivo tirar esse maldito pt do governo!
      Votando nulo, por lgica , votinho indireto para essa quadrilha que a est. A minha principal preocupao com as urnas sabidamente manipulveis… Esse o maior perigo!

  2. Caro Sr. Newton, desde Dutra, sempre votei, buscando aquele que me representasse, pelo meus “valores morais e espirituais”, e a decepo, comeou com meu primeiro voto-Dutra, e nunca reelegi para legislativos ou executivos, por ter tido meu “VOTO DE CONFIANA” TRADO, QUANDO ELEITO.
    A bem da verdade, para o mais alto cargo da Repblica, no temos candidato confivel, ou melhor dizendo “Partido chamados grandes” -PT,PMDB,PSDB, todos com “DONOS”, cuja aes “vou meter a mo grande no cofre pblico”, essa a realidade, e ficamos como “cegos em tiroteio”.
    Como Cidado consciente, indignado, vou continuar minha campanha para presidente e governador de no reeleger, e para os Legislativos, reeleger, aps anlise de seus “feitos na legislatura”, ou votar em um “primeira vez”, por trabalho Comunidade. O BRASIL precisa mudar com urgncia o sistema poltico-eleitoral, para no ser obrigado a votar no “menos pior”, e acabar com a formao de quadrilha, que as reeleies permitem, que conta com o beneplcito do STF, conforme 6 afirmaram: no tem CNPJ e registro na J.Comercial, no quadrilha.
    Seu artigo, contundente, ao mostrar a VERDADE, das duas pernas da CIDADANIA: EDUCAO E SADE, e a Mdia no deixa mentir, diariamente mostra o descalabro, principalmente na rea da Sade, cidados(s) morrendo e mes parindo novos brasileiros em suas portas, tendo como parteiros, jovens soldados policiais, ou transeuntes caridosos.
    Estou com 85 anos, vou retornar com a conscincia tranquila, que fiz minha parte CIDAD, pois creio no alerta de 2 mil anos: “A cada um segundo suas obras” e “Pagars at o ltimo ceitil”, da qual ningum escapa!!!
    Que Deus ilumine o Brasileiro(a) no dia 05/10/14, para que ele cumpra seu destino no concerto das Naes. Meditar preciso!!!
    Agradeo, e fico honrado, por me citar em seu artigo.

  3. Concordo plenamente com CN e o Tho Fernandes. Sou favorvel ao “voto facultativo” mas claro que vou votar sempre. Permitam-me informar: o juiz de direito Haroldo Dutra Dias lanou recentemente “O Novo Testamento”, uma nova traduo do original grego. So 608 pginas e muitas notas explicativas. Este primeiro volume tem os 4 Evangelhos e o Livro de Atos. O prximo trar os outros livros. Edio primorosa da Federao Esprita Brasileira.

  4. Enquanto no mudar esse sistema vicioso eleitoral no voto em mais ningum,
    Continuarei a VOTAR NULO, e este ano estou pensando nem sair de casa, pagando a multa depois nesses cartrios eleitorais da vida, alis, esto dizendo que nem mais a multa precisa pagar , s ir la e jutisficar seu titulo…
    Parei de votar em 1996, por causa da Dona Sxologa de Araque que queria mais quatro anos para deixar a Prefeitua como suas experiencias sexuais.
    Mas, como no tinha mais ningum , votei no “menas” ruim que era a duplinha -pitta-malufrango. e me dei mal, perdi meu precioso voto.
    Todos viram no que deu a Prefeitura na mos desses “corruptos”, foi um dos maiores assaltos aos cofres da Prefeitura de So Paulo nas mas da dupla, um deles j se foi, o outro caado pela Interpol, a proposito, ele e o filho.
    .

  5. QUESTIONAMENTO DAS RELAES ENTRE FUTEBOL E POLTICA

    Os dicionrios definem poltica como arte ou cincia de governar; aplicao desta arte nos negcios internos (poltica interna) ou nos negcios externos (poltica externa) da Nao; meio para reunir e executar princpios e opinies; mtodo de agir e tratar com habilidade determinadas questes. Mas lamentavelmente desinformados confundem poltica com o termo que aparece logo em seguida nos dicionrios: politicagem; “poltica ordinria, mesquinha e interesseira”. Nos dois conceitos vinculam-se as designaes de poltico (ligado a partido, “homem que se ocupa de poltica”) e politiqueiro (“indivduo que se ocupa muito da poltica partidria, ou faz politicagem”).

    Apesar da irrefutvel relevncia do tema, muito ouvimos falar de que “futebol e poltica no se discutem”. Contudo, vejamos como uma discusso dessas tambm pode ter importncia: os cartolas de certos clubes de futebol adoram depreciar a poltica, mas praticam a politicagem para subtrair recursos pblicos, induzindo pessoas a erros em eleies (no de clubes, porque no fazem). Tambm torcem para que os partidos democrticos no se fortaleam porque, fragilizados, podem vencer mais facilmente com suas politicagens ou “jogadas polticas”. E o que pior, atuam como escravocratas manipulando fortunas na comercializao de craques, sem darem a mnima bola para os torcedores. a poltica desportiva que precisa mudar. E mudanas podem ser foradas atravs dos partidos populares, porque nos partidos conservadores e elitistas atuam representantes desses clubes camuflados de polticos.

    As eleies deste ano envolvero diretamente milhares de pessoas com posturas e prticas diferentes das que dominam no cenrio atual. Para que os bons valores prosperem e viabilizem as transformaes nos diversos nveis (desportivo inclusive), ser preciso que as discusses ultrapassem as fronteiras dos interesses individuais ou mesmo da opo individual de cada eleitor, porque de alguma forma tudo est relacionado com questes maiores, mais amplas. Os deputados federais e senadores que forem eleitos agora, por exemplo, tero peso poltico nas decises do prximo Congresso e por conseguinte sobre o prprio governo.

    Mas o que, afinal, o futebol tem a ver com isto? Olhos no lance: se os politiqueiros consideram o processo poltico e eleitoral um “jogo”, os eleitores em geral podem mostrar que o consideram algo muito mais srio. As eleies definem assuntos que influenciam diretamente nas condies de vida da populao, podendo melhorar ou piorar em consequncia do comportamento adotado por aqueles que sero eleitos, j na condio de candidatos. Para a coisa andar bem, necessrio eleger polticos de partido e no aqueles que apenas se ocupam dos respectivos partidos porque sem eles nem teriam condies de subir ao poder.

    Na poltica so os partidos que definem as alianas, propostas e os candidatos que sero submetidos arbitragem dos eleitores atravs das eleies. Pensando bem, o futebol poderia funcionar como na poltica e os filiados (torcedores) no seriam meros espectadores do jogo sem povo que apite (como fazem os eleitores a cada Copa do mundo atravs de eleies). Afinal, por qu as pessoas gostam tanto de futebol e muitas vezes chegam a consider brega tocar em poltica? gol contra!

    FONTE: De meu livro “Agenda 12” – Orientaes ao Processo Eleitoral e Poltico – adotado pelo PDT nacional nas eleies de 2000 (texto atualizado).

    COMPLEMENTO DA REFLEXO: Mensagem do Papa Francisco por ocasio da abertura da Copa no Brasil http://www.youtube.com/watch?v=Jn5pCiPPEC8

  6. Votar branco, nulo ou se abster to coerente quanto a votar nesse ou naquele partido/candidato. Votar branco ou nulo maneira “eleitoral” dos eleitores “falarem” atravs das urnas de suas insatisfaes quanto ao “quadro institucional” e/ou quanto conjuntura poltica. Ademais o marketing poltico uma “praga” a ludibriar os eleitores.

  7. Eu concordo em parte com as reflexes do Sr. Carlos Newton. Discordo totalmente quando ele d a entender que o governo o responsvel pela degradao da sade pblica. No podemos nos esquecer que o fim da CPMF que impactou to grave e negativamente o que j era deficitrio, ou seja, a sade pblica, no foi desejo e iniciativa do governo e sim da oposio que hoje cinicamente vem dizer que est preocupada em melhorar a sade pblica no Brasil. No municpio onde resido, em 2002 nem aterro sanitrio existia, esgotamento sanitrio s havia na regio central e bairros da gente abastada, servio do SAMU 192 nem pensar. Foram muitos avanos alcanados nos ltimos anos, embora ainda tenhamos muito que melhorar.

    • E o senhor pode me dizer o que fizeram com o dinheiro da CPMF? Melhorou a sade, por acaso?
      E no se esquea que qdo criou-se o imposto da sade no governo de FHC, lula foi o primeiro a ser contra. Uma vez no governo, apoiou e criou de novo o imposto. E tem mais, a CPMF foi banida pela maioria dos polticos do PT e no da oposio!

  8. Corretssima sua anlise, Carlos Newton. Nada justifica o voto em branco e nulo. Trata-se apenas o que os romanos consideravam como o “jus esperniandi”, o direito de espernear, que vale muito pouca coisa no processo eleitoral.

    Ao invs de, anular o voto, seria mais prtico procurar com lupa de pelica, aqueles candidatos que desejam realmente representar o eleitor e no a si mesmo. E isso, independente de siglas partidrias, aonde se abrigam pessoas honestas e muito picareta e aproveitador. So aqueles que procuram financiamento no empresariado nacional e internacional para a campanha e depois trabalha para seu mecenas, o povo como diria nosso melhor humorista, apenas um detalhe no processo eleitoral.

    Por esta simples razo, a questo do financiamento de campanha, que uma OBRA orada em 100 mil acaba saindo por um milho. Uma vergonha essa orgia com o dinheiro pblico. Falta transparncia no trato da coisa pblica. Os rgos de controle do ESTADO atuam numa lentido abissal e quase no pegam ningum. Somente as denncias, principalmente de aliados que ficaram de fora do negcio e que so chamados de trara, produz mais efeitos incomensuravelmente e os exemplos saltam aos olhos.

    E ainda mais, melhor um processo eleitoral defeituoso e que vai sendo aperfeioado ao longo do tempo, pela prtica do voto, do que uma DITADURA, na qual poucos escolhem pela sociedade, e pior, escolhem muito mal.

    Vamos adiante, porque pode no parecer, mas, a sociedade lentamente avana no entendimento do processo democrtico, cujas eleies so o ponto mximo dentre todos a disposio do povo.

  9. Antonio Claudio relembra o crime que a oposiao cometeu com a saude, ao acabar com a CPMF, pelo simples desejo de vingana, achando que so prejudicaria o governo e hoje sao os que gritam mais alto contra o sistema nosso da/saude, que so nao esta no fundo do poo gracas ao programa mais medico, porque se dependessemos daqueles medicos que so vao bater o ponto no sistema publico e os senadores do Dem e Psdb, estariam todos mortos quem tivesse problema de saude

    • Seu Chico, quem est certo, Dirceu ou Lula?

      Em 1996, Jos Dirceu, hoje em cana, disse:

      O PT votou contra a CPMF porque tem propostas, como a emenda constitucional 169-A, do deputado Eduardo Jorge. Ela destina para a Sade 30% de todas as fontes da seguridade social e 10% das receitas fiscais de Estados e municpios.
      Para a atual situao de emergncia, o governo, conforme a lei oramentria de 1996, artigo 6, pargrafo nico, tem autorizao para abrir crditos suplementares, mediante a utilizao de recursos do Fundo de Estabilizao Fiscal. Est obrigado tambm, pela lei 8.446 do Plano Plurianual, a destinar 30% do oramento da seguridade social, excluindo o seguro-desemprego, para a Sade.
      Como vemos, um governo, com maioria de trs quintos no Congresso, pode e deve ter recursos para a Sade. No faz porque no quer ou por razes inconfessveis. Que no culpem o PT. No vamos vestir a carapua nem aceitar chantagem ou terrorismo barato. Vamos votar e prestar contas sociedade.

      J em 2013, o apedeuta falou:

      O ex-presidente Luiz Incio Lula da Silva saiu nesta tera-feira em defesa do programa Mais Mdicos, do governo federal, e culpou a elite brasileira por acabar, em seu governo, com aproximadamente mais de R$ 350 bilhes da CPMF.

      Cad os tais planos de Dirceu? Cad a honestidade?

      Bando de vacas brabas dando chifradas umas nas outras.

  10. Bom artigo ao qual concordo plenamente.

    A propsito, mais frente, quando os candidatos de oposio ficarem mais conhecidos, e levando em conta o ndice de rejeio mais acentuado em relao candidata Dilma, a tendncia que os indecisos e insatisfeitos com a poltica atual optem pela oposio. Principalmente pelo candidato Acio Neves, que vem demonstrando uma reao espetacular. Conforme as ltimas pesquisas.

    Tecnicamente j temos um empate no segundo turno. E isto maravilhoso!

  11. Concordando com o C.N., cito mais uma vez a frase de Dante Alighieri, complementada por Martin Luther King: “os lugares mais quentes do inferno esto reservados queles que num perodo de crise moral se mantiveram neutros. Num determinado momento, o silncio se converte em traio.

  12. Senhores, ao ler e tomar conhecimento, resolvi abusar da pacincia dos amigos>
    A questo da SADE no Brasil uma vergonha, j escrevi varias vezes nesse BLOG, e tenho mais de 50 denuncias contra a Prefeitura a 10 autoridades, por estar Conselheiro da sade.
    A questo de votar ou no votar, para os executivos, existe a sada: no menos pior, mas nosso voto nos tornar solidrio s aes do eleito, para o legislativo h uma chance de nosso voto ser respeitado no seu destino, no reelegendo os chamados “fichas sujas”, que no congresso so mais de 60%, e a Mdia publica, cujo lugar cadeia.
    A questo do CPMF na sade, Dr. Jatene, a criou, em CARTER PROVISRIO, PARA ATENDER O “CAOS”, MAIS LOGO DEPOIS, A SADE, NO RECEBEU MAIS OS BILHES, E O Dr. JATENE, ps os pingos nos iiiiiss, e PEDIU O BON, SE MANDOU, PARA NO COMPACTUAR COM A SAFADEZA; participei no Forum da Sade no Forte de Copacabana, por 2 dias, como Conselheiro, representando minha Cidade, entre os ilustres nos 2 dias compareceram: Dr. Jatene ex-Ministro da Sade, Deputada Federal Jandira Fegali, D Dilma, Chefe da Casa Civil, todos com “belos discursos” a plateia s podia se manifestar “via escrita”, o que fiz nos 2 dias, questionando o pssimo atendimento, e a cobrana do CPMF, desviado de seu destino, cujas, respostas, ficaram de ser enviadas a minha residncia, aguardo at hoje. Nesta rea minha indignao “geral e irrestrita” da qual no abro mo, em me dirigir as autoridades, para no ser solidrio, com OMISSO, na morte e dor de meus irmos humildes, em DEUS; enquanto as “ilustres excelncia se socorrem com seus familiares no Srio e D’ors, tudo pagos por ns.
    Sr. Antonio Rocha, grato pela citao, vou adquirir, Conforme o Mestre Jesus e Scrates pregaram e exemplificaram, o que levamos alm tmulo o “que somos, e no que temos” que ficar para os vermes, creiamos ou no, a VIDA CONTINUA.

  13. Newton,
    Tanto o voto nulo como o voto facultativo, nesta circunstncia em que vivemos, contribui para a manuteno do que ai esta.
    Num clima de democracia, a proposta renovar.
    Est na hora de sair a campanha. NO REELEJA!
    No mnimo vamos eleger um ladro menos competente!
    SDS
    Vitor.

  14. Promessa do candidato Acio Neves em entrevista da Globo News, jornalista Renata Lo Prete: se, eleito, acabo com a reeleio e vamos buscar o mandato para 5 anos… s por essa garantia, em princpio, vai ter, seguramente, uma montanha de votos!
    No mais, estou com o Moderador, tambm em cima de antiga ideia do senhor Francisco Bendl, de que hora de mudarmos os nossos atuais e incompetentes representantes na vida pblica do pas, no reelegendo nenhum deles.
    Alternncia j !

  15. No sei se sabem, mas o Cdigo Eleitoral vigente de 1965 e foi aprovado “nos termos do art. 4o, caput, do Ato Institucional de 9 de abril de 1964”

    “LEI No 4.737, DE 15 DE JULHO DE 1965
    Institui o Cdigo Eleitoral.
    O Presidente da Repblica.
    Fao saber que sanciono a seguinte Lei, aprovada pelo Congresso Nacional, nos termos do art. 4o, caput, do Ato Institucional de 9 de abril de 1964.”

    Assinam embaixo:
    H. CASTELLO BRANCO
    Milton Soares Campos.

    mole?

  16. No precisa ser gnio pra ver que o problema do brasil no o PT e sim os polticos(No sou de nenhum partido),antes
    desses que esto a j existia corrupo em todas as esferas do governo,obras superfaturadas,inflao alta,etc…
    Concordo em mudar sim,mas estaremos apenas mudando o endereo dos corruptos na poltica brasileira.

  17. O Se o voto nulo atingir mais de 50% do eleitorado podera ocorrer uma corrosao no tecido social e a partir dai implodir os eleitos por uma onda de revoltas sociais , que impora uma nova ordem politica e jurica no pais.Portanto nessas eleicoes facamos algo por nos mesmo , vamos viajar, vamos a praia, vamos ao pagode, vamos ao futebol,vamos visitar os parentes ou outros entes queridos, vamos subir a serra, vamos a piscinas, vamos ao shopping, cinema, vamos ate a pracinha. NAO VAMOS VOTAR .

  18. Ou seja, o brasileiro consciente que no se sente representado por qualquer dos candidatos deve abrir mo de sua opinio consciente em prol do voto no que considera “menos pior” ainda que isso signifique necessariamente favorecer algum dos feudos do enunciado na questo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.