Votos de Gilmar e Lewandowski atacando Moro já eram mais do que esperados

Placar ficou em 2 a 2, e empate beneficiou doleiro Paulo Krug

Márcio Falcão e Fernanda Vivas
G1 / TV Globo

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal anulou, nesta terça-feira, dia 25, a condenação do doleiro Paulo Roberto Krug por suposto esquema de fraude no antigo Banco do Estado do Paraná (Banestado). A sentença tinha sido definida pelo então juiz Sergio Moro. Os ministros do STF julgaram um recurso da defesa do doleiro.

Para os advogados, Moro agiu de forma irregular ao colher depoimentos durante a verificação da delação premiada de Alberto Youssef, e ao juntar documentos aos autos depois das alegações finais da defesa – a última etapa de manifestação das partes no processo antes da sentença. O julgamento dividiu a Segunda Turma. Os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski votaram pela anulação da sentença, diante da quebra da imparcialidade de Moro ao analisar a delação premiada fechada na esteira das investigações.

EMPATE – Os ministros Edson Fachin e Cármen Lúcia votaram pela rejeição do pedido da defesa do doleiro. Com a licença médica de Celso de Mello, os ministros aplicaram o entendimento no direito penal de que o empate favorece o réu – no caso, o doleiro Paulo Roberto Krug. Em nota, Moro afirmou que sempre agiu com imparcialidade e que a atuação no caso foi regular, tendo sido reconhecida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) – duas instâncias em que a condenação de Krug foi mantiga.

“Em toda minha trajetória como Juiz Federal, sempre agi com imparcialidade, equilíbrio, discrição e ética, como pressupõe a atuação de qualquer magistrado. No caso específico, apenas utilizei o poder de instrução probatória complementar previsto nos artigos 156, II, e 404 do Código de Processo Penal, mandando juntar aos autos documentos necessários ao julgamento da causa”, diz Moro. “Foi uma atuação regular, reconhecida e confirmada pelo TRF-4 e pelo Superior Tribunal de Justiça e agora recebeu um julgamento dividido no STF que favoreceu o condenado”, conclui a nota.

OS VOTOS – No voto, o relator Edson Fachin manteve o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, negando o habeas corpus e a anulação da sentença. O ministro afirmou que as causas de impedimento do juiz são exaustivas e a jurisprudência do Supremo não recomenda criá-las por meio de interpretação judicial.

Fachin avaliou que Moro agiu dentro das prerrogativas de um magistrado. Isso porque, no entendimento do ministro, os acordos de delação premiada foram celebrados entre os acusados, seus defensores e a acusação, tendo o juiz participado em fase posterior. A ministra Cármen Lúcia acompanhou o voto do relator. No entendimento da ministra, não houve a comprovação de que a conduta do então juiz Sérgio Moro poderia ser caracterizada dentro das hipóteses de impedimento.

“No caso em apreço não se demonstrou – na minha compreensão e com as vênias de entendimento contrário – de forma objetiva, neste recurso ordinário, que o magistrado sentenciante teria incidido em qualquer das hipóteses de impedimento”, afirmou a ministra. “Não vislumbro qualquer eiva ou mácula na conduta, pelo menos nos termos aqui expressos, demonstrados, e especialmente para a configuração de caso de impedimento”, completou.

PARCIALIDADE – Nesta terça-feira, Gilmar Mendes defendeu que houve parcialidade do então juiz Sergio Moro ao julgar o processo, o que interfere em todo o caso. Para Mendes, Moro atuou com alinhamento da estratégia acusatória e quebrou a imparcialidade que se exige de um magistrado. O ministro disse que o processo penal pressupõe a separação, para pessoas distintas, das funções de investigar, acusar e julgar.

“A partir da análise dos atos probatórios praticados pelo magistrado, verifica-se que houve uma atuação direta do julgador em reforço à acusação. Não houve uma mera supervisão dos atos de produção de prova, mas o direcionamento e a contribuição do juiz para o estabelecimento e para o fortalecimento da tese acusatória”, disse Mendes.

IMPEDIMENTO – O ministro Ricardo Lewandowski acompanhou a divergência aberta pelo ministro Gilmar Mendes e considerou que a atuação do então juiz Sérgio Moro pode ser enquadrada nas regras de impedimento. “De nada adiantaria estabelecer regras prévias e objetivas de investidura e designação de magistrados para apreciação das distintas lides ou proibir a constituição de juízos ou tribunais ad hoc caso se permitisse ou tolerasse que julgadores fossem contaminados por paixões ou arrebatamentos exógenos aos fatos colocados sob sua jurisdição”, pontuou.

“Coisas muito estranhas aconteceram em Curitiba, naquela Vara Federal, e acabaram vindo a lume e foram amplamente divulgadas pela imprensa. E agora o Supremo Tribunal Federal tem condições de lançar um olhar mais verticalizado do que ocorreu efetivamente em determinados processos”, concluiu.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGPara um juiz como Sérgio Moro, ser atacado por ministros como  Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski na verdade é uma honra. O que funcionaria como afronta seria ser elogiado por eles. (C.N.)

32 thoughts on “Votos de Gilmar e Lewandowski atacando Moro já eram mais do que esperados

  1. Prezado amigo ..CN …Meus devidos respeitos a sua longevidade neste árduo campo do jornalismo politico de nosso amado Brasil ..MAS com relação ao seu PS… Peço sua atenção em abrir minha divergência contra tudo que o prezado legou nos seus escritos.

    O Sr. Moro ..é um criminoso feriu as regras da magistratura ao fazer conluios para se chegar ao seus objetivos , NÃO podemos chegar aos limites de se fazer crimes para culpar criminosos isso por si só meu amigo CN ..já desmoraliza o termo justiça. A própria atuação do magistrado no caso nada tem haver de combate a corrupção o que seria louvável , mas tudo que ALI foi feito só teve objetivos políticos de impedir o Sr. Luis Inácio de por seu nome na corrida presidencial, vc meu amigo sabe disso e no entretanto continua BUSCAR ventos contrários para sua forma de pensar, não estou aqui meu nobre DEFENDENDO os atos do Sr. Luis Inácio, MAS como um defensor da VERDADE .

    Sejamos honestos meu amigo ..e vc é testemunha de cousas malignas e destruidoras que a politica pode produzir ao longo do tempo …vc mesmo Carlão é do tempo do Chagas Freitas e dos demais que se seguiram aqui em nosso Estado e veja o “patamar” em que chegamos ..a Corrupção , a roubalheira e os mesmos de antes CONTINUAM com a mesma politica ..agora com seus “descendentes ” e NADA MUDOU … E jamais vai mudar meu caro amigo ..há alguns dias o prezado publicou as mazelas da família Marinho DONO DO MAIS MALIGNO CONGLOMERADO DE “INFORMAÇÕES” do nosso Brasil .. e qual foi a repercussão ? Por onde anda o tal ‘MP” para dar explicações a sociedade sobre o assunto ? NADA Carlão, nada muda ..tudo segue uma ” AGENDA ” , assim como é a tal da “lava jato” , assim como FOI os atos do FHC ..do Sr. Lula..do Sr. Temer ..da Sra. Dilma ..do Sr. Collor..do Sr. Sarney..e por ai vamos prezado amigo até chegarmos em nossa fundação como nação…TUDO na mesma Carlão, o nobre fica neste Blog Parlamento “endeusando” homens como este degenerado Sr. Moro e seus “amigos procuradores ” da lava jato, MAS no fundo de sua ALMA já com os “calos da vida” o prezado amigo sabe que ELES são também umas incógnitas para o futuro. E seu grande MEDO meu caro amigo é saber que este mesmo Moro que o amigo tanto diz que é uma “luz de salvação e moralidade ” que o Brasil precisa, NÃO PASSA de mais um DEGENERADO , que como os demais do passado só está esperando sua “oportunidade” para servir a tal “agenda” que eu mencionei ..isso é que lhe deixa com aquele sentimento de derrota MAS isso vc mesmo Carlão ao longo de seus anos como Jornalista Politico já sabe, MAS não quer acreditar e aceitar .

    Observe nosso amigo Sr. Jorge Bejá seu artigo sobre os rumos em que se tomou nossa justiça (como um todo ) é tão forte como forte são as VERDADES , de como “anda” nossa justiça (haveria espaço para falarmos dos demais poderes ..? Com certeza não .) Olha Carlão , creio que o amigo vê as cousas atuais do alto de sua idade ..com os mesmos olhos que o Sr. Jorge Bejá ..só falta mais um “ato” para que o amigo Também publique sua carta ou artigo decepção e tb . jogue sua toalha.

    desejo paz e saúde para sua alma…e para toda sua casa ..

    YAH ALLELUYA SEJA LOUVADO SEMPRE

  2. Sr. CN, tal como Hélio Fernandes no passado, o Sr. Não mais consegue dicernir entre o seu desejo e um fato. Com todas as ilegalidades cometidas, como não condenar Sérgio Moro?

  3. Justo seria, se, em vez de MORO, fosse MORtO. Para, enfim, algum amigo dele perguntar: “Onde o “desmeritíssimo” reside? E ele responder: “Hoje MORO no cemitério!”

  4. Senhor Carlos de Jesus; em 2016 ou 2017 fiz um comentário sobre a atuação de alguns juízes do stf, era tão escancarada a inveja em relação ao pessoal da lava jato e principalmente ao juiz Sergio Moro que de abstrato “quase” o substantivo ‘inveja’ se tornava concreto.
    A lava jato, destruiu algumas importantes empresas nacionais e eu me perguntava se era válido ou não.
    Se o Moro tivesse continuado em sua luta, diria que sim; mas com ele (mesmo pedindo demissão) ter ido para o hipócrita programa do “tosco”, estou na dúvida. De todo modo, a CULPA do que aconteceu com as empresas são de exclusividade delas.

  5. Impressionante como o povo brasileiro vem se deteriorando como cidadão e ser humano, em consequência.

    Afora nos desvalorizarmos a olhos vistos, permitir que façam conosco os desejos e vontades de nossos governantes, percebo, incrédulo, que estamos deixando de lado o senso de medidas!

    Não sabemos mais como avaliar o que é grave; o que seria prejudicial; o que nos causa danos; o mal que estão nos fazendo.
    A confusão, então, se alastra e se instala em nossas conclusões de maneira sórdida, inaceitável, perturbadora, até.

    Por favor, mas colocar Moro no mesmo balaio dos ladrões petistas é CRIME;

    Condenar Moro porque julgou e condenou os ladrões do país e do povo é CRIME;

    A tentativa de inocentar Lula, pelo fato de, SUPOSTAMENTE, ter acontecido erros de tecnicalidades é CRIME;

    Querer que o ladrão e genocida petista seja apenas inocentado pelo sítio e pelo tríplex, desconsiderando o que fez contra o nosso patrimônio, nosso dinheiro, e as milhares de pessoas que morreram pelos recursos desviados é CRIME;

    Deixar de considerar que, as sentenças prolatadas por Moro, foram CONFIRMADAS em instâncias superiores, e penas até aumentaram nas suas dosimetrias é CRIME;

    Não levar em conta os males praticados pelo PT contra o Brasil e sua população é CRIME;

    Ignorar o projeto petista de se manter indefinidamente na presidência da República aparelhando o Estado, roubando estatais, cobrando propinas, licitações fraudulentas, acordos espúrios, falências de Fundações é CRIME;

    Desprezar o estado que Lula e Dilma deixaram o país e o cidadão, querendo dar maiores dimensões aos atos Moro, que apenas cumpriu com o seu dever, é CRIME!

    Ora, esses crimes que citei são advindos da gritante falta do senso de medidas!
    Os que acusam Moro, que o criticam, que o odeiam, simplesmente viram suas costas aos pobres, aos miseráveis, desempregados, analfabetos, às centenas de milhares de pessoas nascidas nesse país, que foram vítimas de uma violência exacerbada pela falta de cuidados das autoridades nacionais!

    Aqueles que detestam Moro, e nutrem escancaradas simpatias por um meliante, Lula, ACEITAM o Brasil como local de corruptos, onde a corrupção abunda e a impunidade é instituída!

    Puna-se Moro porque,“dizem”, não ter sido isento e imparcial no processo.
    Tá, mas os desembargadores e ministros, que ratificaram seus julgamentos?!
    Moro se tornou de uma só vez todas as instâncias do Judiciário?
    Seus julgamentos e sentenças foram sumários??!!

    Além da escandalosa falta do senso de medidas, constato uma nítida e sórdida campanha para alijá-lo de uma possível candidatura sua ao Planalto.
    Aliás, se Lula tiver as suas sentenças anuladas pelo apêndice do Legislativo, o STF, e puder se candidatar à presidência, Moro perderia para o ladrão e genocida de forma humilhante!

    Se é esta a intenção dos que acusam Moro porque querem Lula inocente dos crimes praticados, além da falta do senso de medidas, lamento, mas desejam que o mal retorne ao Brasil, logo, eis outro CRIME!

    • Sempre me perguntei isso quando a dúvida vagueia por aí…
      “Tá, mas os desembargadores e ministros, que ratificaram seus julgamentos?!
      Moro se tornou de uma só vez todas as instâncias do Judiciário?
      Seus julgamentos e sentenças foram sumários??!!”
      Então…tá. Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski representam a (IN)justiça bem safada que sustentamos no STF.

      • Prezada Lélia,

        Mendes, Lewandowski, Toffoli e Alexandre, representam sem qualquer pudor a política no STF.

        Esses ministros fazem parte do sistema , que somente seguem seus interesses e conveniências, mais as solicitações do Legislativo e Executivo.

        O modo como esses 4 senhores julgam e concedem Liminares é tão escandaloso, que sabemos antecipadamente as suas decisões.
        Mendes está famoso como defensor de ladrões do erário e do povo e, seus colegas, Lewandowski e Toffoli, são advogados de defesa do PT e de Lula.

        Marco Aurélio atende a sua própria vaidade e, Mello, o decano, brinca de fazer justiça porque instável, segue a biruta, sendo exemplo de prolixidade para dizer sim ou não, dependendo da situação ou do “cliente”.

        Portanto, isenção, imparcialidade, que tanto a dupla mencionada critica Moro, ambos são exatamente a tendenciosidade explícita; suas atuações são claras no sentido de manter a impunidade, preservar o estipulado, e avisar o povo quem manda no país, efetivamente.

        Por essas e outras, que Bolsonaro está envolvido até a medula com esse sistema, pois se tem tanta aversão ao STF, o correto seria propor mudança no processo de escolha dos ministros dos tribunais superiores.
        Não mais conforme desejos do presidente, mas através de um Plano de Carreira do Judiciário, e exclusivamente para juízes de carreira, concursados.

        A política terminaria com a sua influência negativa e nefasta para o Supremo, o agradecimento ao “padrinho” em forma de sentença que o agrade, e comprometimento com o partido do presidente que o alçou à Alta Corte.

        Ou isso ou a mesma encrenca de sempre:
        um tribunal desacreditado, magistrados alheios à Constituição e apelos populares, demonstrações de autoritarismo exacerbado.

        Um abraço, Lélia.
        Saúde e paz.
        Te cuida, pois atingimos 117 mil óbitos através da gripezinha do Bolsonaro, e o mundo registra mais de 820 mil mortes!

  6. “Para um juiz como Sérgio Moro, ser atacado por ministros como Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski na verdade é uma honra. O que funcionaria como afronta seria ser elogiado por eles. (C.N.)”

    Perfeito. Nada a acrescentar.

  7. Dá nojo ler, por mais eruditas,retóricas, grandiloquentes , gongóricas, odientas e baixas que sejam, as loas à mais ultrajante injustiça contra um brasileiro com B maiúsculo.
    Azar do Fernandinho Beiramar não ter sido condenado pelo Juiz Moro, já estaria solto e com cargo garantido no governo.
    O maior assassinato moral de um cidadão, na história do país, comparável ao de Getúlio Varagas.

  8. Frog’s face e leviandovisqui têm muita inveja do Dr Moro porque não tiveram capacidade de adquirir o título de Juiz que tem este.
    Porém, quando lançam suspeitas sobre a legalidade da atuação de Moro, não é apenas a este que tentam se referir mas também aos desembargadores da 4ª região e aos do STJ que confirmaram a sentença de Moro e ainda elevaram a pena. A dupla, como muitos outros, apenas não têm coragem de citar as outra instâncias por falta de competência técnico/jurídica para contestar as sentenças destas.
    Como disse um certo ministro, do mesmo padrão deles, “…aqueles vag…”

    Vade de retro, inparatos erubescamus amicis!!

  9. “O ministro disse que o processo penal pressupõe a separação, para pessoas distintas, das funções de investigar, acusar e julgar.”
    A não ser claro que seja ministro de STF, aí pode abrir inquérito, investigar, acusar e julgar e tudo isso ainda sendo a pretensa vítima.
    Gilmar Mendes é um canalha.

  10. Prezados CN e Francisco Bendl,
    Conseguiram traduzir em palavras os sentimentos de muitos brasileiros de bem, que lutam para manter a sanidade e o bom senso, nesta sociedade deteriorada.

    • Prezada Maria,

      O país e o povo se encontram em um estágio de deterioração tamanha, que se torna fácil detectar nossos problemas mais graves.

      Um deles é com a Justiça;
      os demais, se referem aos dois outros poderes.

      Conforme venho escrevendo, esse pessoal se divorciou da população e litigiosamente.
      Somos seus escravos, e estamos sujeitos somente a obedecer e outorgar poderes.

      Abraço.
      Saúde e paz.
      Te cuida.

  11. Já escrevi e repeti. Moro não é a figura impoluta que alguns desejam que seja.
    Ele usou de artimanhas e conluios para condenações. Em algumas vezes ultrapassou a linha das leis e ele, como juiz, não deveria ter feito isso.

    Sim, os crimes devem ser combatidos sempre, mas não através do cometimento de desvios. Ora, se ele não foi imparcial e ético, como muitos fatos comprovam e, nesse caso, também, a sentença pode ser anulada, porque não seguiu os ritos corretos. O réu até pode ser considerado culpado, mas que seja julgado corretamente, conforme as leis.

    Justiceirismo é uma coisa que não precisamos.

    • Sr José Vidal, já lhe questionei algumas vezes sobre sua implacável crítica ao Dr Moro e mais uma vez lhe perguntaria; Qual o inocente que o Juiz condenou? Que acusação concreta o senhor conhece para constantemente condená-lo sem provas? Por fim, o que o Dr Moro lhe fez para um comportamento tão obsessivo, que diga-se de passagem nunca observei em relação a nenhum outro.

      • Caro F.Moreno,
        como eu já escrevi, mas parece que não fui entendido pelo senhor. Para mim e até posso estar errado, os fins não justificam quaisquer meios. Dito isto, não significa que estou dizendo que os condenados por ele eram inocentes. É bem diferente.

        Acho que devemos prezar sempre a lisura do comportamento, o apego às leis existentes. O comportamento do ex-juiz não me pareceu ter atingido esse modo de agir, portanto estou justificando as minhas críticas a ele.
        No caso, estou dando a minha opinião a respeito do artigo. Se não for compatível com a sua, acho até bom. As divergências sadias servem para crescermos. E não é obsessão de perseguição de minha parte. Apenas o acho uma pessoa que usou da magistratura para tentar alçar voos mais altos e, repito, para mim, ele foi um juiz com acertos e erros. Não o endeuso, nem o coloco com um ser infalível.

        • Sr José Vidal, registradas e aceitas suas razões, “que seria do amarelo se todos gostassem do verde”, devemos ter histórias de vida diferentes e pelo tanto posturas diferentes, eu pessoalmente prefiro a ilegalidade à injustiça, mas como o senhor bem diz, as divergências sadias servem para crescermos.
          Saudações.

  12. Numa nação como a brasileira, onde não temos NINGUÉM entre os poderes constituídos que pode ser exemplo de conduta ilibada, assim como fez o Moreno por não concordar com a argumentação contra Moro, eu me alio ao brasiliense, pois discordo do meu conterrâneo Vidal, respeitosamente.

    O gaúcho tem uma aversão ao ex-juiz.
    Tem contestado sempre a sua atuação na Operação Lava Jato, criticando quem entende ser o ex-juiz um exemplo de cidadão e de coragem, ao enfrentar o crime organizado, combate nunca antes feito no Brasil, diga-se de passagem!

    Sequer os militares, quando tomaram o poder de Jango, criaram um tribunal específico contra a corrupção, a desonestidade no serviço público, e quem eram os corruptos.
    O objetivo foi um só durante os 21 anos que estiveram no Planalto:
    Ideológico.

    Certamente os juízes que obedeceram a liturgia judiciária com relação ao crime organizado, se deram conta da impossibilidade de processar e condenar os envolvidos nesse tipo de crime mas, seus comportamentos nunca foram criticados, pois, se não utilizaram meios indevidos, as suas omissões foram muito mais graves que, esporadicamente, pulassem uma que outra tecnicalidade a respeito.

    Mais a mais, Vidal repete os dizeres dos inimigos de Moro, esquecendo que todas as sentenças prolatadas por ele foram ratificadas em instâncias superiores!
    Ora, acusar somente o ex-juiz, deixando de lado desembargadores e ministros, eu, pelo menos, detecto muita má vontade com o homem que mudou a nossa modorrenta justiça nesses casos, que se constituíam crimes do colarinho branco.

    Moro sacudiu o Judiciário; obrigou-o a sair da letargia; tirou-o da preguiça conhecida.
    Moro mostrou ao Brasil e ao mundo, que nossos poderes estavam corrompidos, que se não fizesse algo de útil, o PT, a quadrilha organizada, se perpetuaria no poder.

    E trouxe à baila gente conhecida:
    Ministros, parlamentares, ex-presidentes, empresários, doleiros, indústrias … uma lista imensa de ladrões, que ainda exigiam ser chamados de Excelências ou doutores ou empreendedores!

    Moro perturbou a essência da corrupção;
    mexeu no seu âmago e sem consentimento; desnudou o sistema nocivo e nefasto, culpado de maneira substancial com referência à miséria, pobreza, violência, saúde abandonada, educação vexatória.

    Não considerar esse bem extraordinário, pelo fato de que o ex-juiz “errou” – e não existem provas a respeito! -, sinceramente, mas entendo que o bem comum está sendo posto de lado, desconsiderado, exigindo de uma pessoa que se dispôs a enfrentar o maior esquema ilícito que o planeta já viu, um comportamento que JUIZ algum seguiu na sua vida profissional!
    E, se cumpriu com as regras, normas e determinações, jamais colocou na cadeia criminoso algum por corrupção!

    Eu tenho participado de debates sobre Moro por não concordar que seus feitos sejam considerados menores que as suas supostas falhas!
    Tenho defendido e aplaudido Moro por entender que a sua atuação não pode ser desprezada, onde os comentários mais o acusam de irregularidades, que os crimes que a sua atuação trouxe à tona!

    O PT – Lula e Dilma que não tenham roubado diretamente o país e povo, porém PERMITIRAM a dilapidação do que era nosso – roubou BILHÕES DE REAIS!
    Por favor, não enaltecer que, pelo menos, os ladrões fossem conhecidos, que o modo de operação fosse demonstrado, que os crimes sofreram um sério revés, desejando os acusadores de Moro substituir esse trabalho ímpar, magnífico, incomparável, pelo fato de “as regras” não foram obedecidas, é qualquer coisa de inaceitável, de falta do senso de medidas, de ausência total de distinção entre os crimes perpetrados contra o povo, com uma conduta jurídica do juiz E QUE FOI ACATADA PELAS INSTÂNCIAS SUPERIORES!!!!

    Queriam o quê?
    Que o modus operandi continuasse?
    Queriam continuar sendo iludidos pelos projetos sociais petistas?
    Queriam acreditar que existe democracia neste país?
    Queriam permitir que os roubos seguissem em frente sem qualquer empecilho?
    “ Os roubos estávamos acostumados. Moro foi quem errou”!

    Sinceramente, Vidal, meu amigo, que trocamos correspondência particularmente, que muito nos consideramos, mas não concordo contigo, lamento.

    Moro merece uma estátua, um monumento em sua homenagem, em consequência também à coragem, à valentia, à defesa da nacionalidade brasileira, que vinha sendo dilapidada por interesses e conveniências pessoais, parlamentares, partidárias e empresariais.

    E, depois, olha só que baita injustiça:
    Os caras praticaram crimes por anos a fio;
    suas condutas sempre foram prejudiciais ao povo e país;
    jamais obedeceram qualquer regra, lei, norma, código; nunca se importaram pelas consequências de seus roubos INCALCULÁVEIS à situação do povo;
    a corrupção era a tônica, e ser corrupto significava enriquecer, MAS, criticar os bons, os “mocinhos”, que até arriscaram as suas vidas para denunciar esses crimes encobertos por anos a fio, lavro o meu protesto, a minha indignação e revolta!

    Tá bem:
    Se os meios não justificaram os fins, dessa vez, o fim justificou os meios!

    Vidal, meu abraço forte e fraterno.
    Saúde e paz.
    Te cuida, meu!

  13. Caro Bendl,

    não critico as pessoas que acham o Moro um ente iluminado, dotado de uma suprema coragem e que sozinho, desapegado, derrotou a corrupção. Que por isso, a presidência do país seria um prêmio a uma pessoa tão ilibada. Só discordo das opiniões das mesmas, o que é diferente. Não acredito que a justiça se resume a uma pessoa e nem que não se precise mostrar competência para governar.

    Também não consigo aceitar que os malfeitos se combatam com meios que ultrapassam os limites estabelecidos pelas leis.

    Ora, dizer que a corrupção (do PT pelo que sempre dizes), essa que nos acompanha desde sempre, seja a culpada pelas nossas mazelas é algo que, sinceramente, acho até divertido, caso não fosse trágico e ingênuo. Muitos países tem e tiveram corrupção e isso não foi o motivo de suas desigualdades. Os problemas são muito mais profundos e complicados.

    Eu até poderia perguntar, no caso das empresas, caso não houvesse nenhuma corrupção, a saúde a educação teriam mais dinheiro? Esse argumento é verdadeiro ou é apenas um mantra repetido para manter as coisas e o sistema igual?

    O que possibilitou mesmo o combate à corrupção foi o fortalecimento das instituições, talvez até fruto da Constituição de 1988 e as condições criadas no país para isso. Em 2005, o STF começou a romper algumas barreiras sobre punições a pessoas de colarinho branco. A tecnologia atual também é uma grande aliada para descobrir falcatruas.

    Certamente, sou um cético e acredito que tu, um leitor ávido dos relatos das situações do mundo, deveria saber que uma pessoa sozinha não consegue nada, precisa que outras pessoas, um grupo poderoso, precisa apoiar ações que pretendam romper com uma situação estabelecida.

    No mais, não considere uma crítica pessoal, que não a faço. Só discordamos no campo das ideias e isso, para mim, que te considero uma pessoa esclarecida, é sempre um prazer.

    Abraço, saúde e vida longa.

    • Meu amigo Vidal,

      Sem o intuito de prorrogar uma discussão estéril, pois tens as tuas convicções e eu as minhas, que, por enquanto, continuarão sem alteração alguma, enalteço a atuação de Moro por ser o primeiro juiz que julgou e condenou meliantes que jamais teriam sido réus em circunstâncias outras.

      Eu sempre falei na Operação Lava Jato, que inclui policiais, procuradores e o magistrado em tela.
      Também abordei que instâncias superiores ratificaram as sentenças de Moro, logo, a minha discordância VEEMENTE QUE ELE NÃO TENHA USADO AS LEIS DE MANEIRA CORRETA!

      Portanto, se as críticas contundentes a Moro se referem a possíveis “atalhos” que ele tenha percorrido, elas deveriam se dirigir também aos desembargadores e ministros.

      Por outro lado, se tenho insistido ter sido o PT o símbolo da corrupção nos últimos tempos – observa que mencionei que sequer os militares fizeram uma operação no combate à corrupção capitaneada pelo ex-juiz federal -, evidente que participaram vários partidos políticos porque aliados aos petistas!

      Participaram efetivamente MDB, PP, PTB, sendo que anteriormente ao mensalão e petrolão, tivemos o PSDB e outras quadrilhas envolvidas na compra de votos à reeleição de FHC e privatização de estatais.

      Dessa forma, e conforme venho postando permanentemente, se tem alguém avesso à política nacional sou eu.
      Ora, se nesse meio tempo surgiu um movimento LEGAL para combater essa ferida aberta que temos e jamais cicatrizada, a corrupção, a mim caberia elogiar, aplaudir e reconhecer a iniciativa em prol da decência, honestidade, e de desbaratar as quadrilhas travestidas em partidos políticos que nos roubam, exploram e manipulam.

      Se Sérgio Moro é o símbolo dessa guerra, lamentavelmente incompleta e não por ele, mas pela influência poderosa de corruptos e da corrupção instituída no Brasil, esse cidadão não pode, A MEU VER, ter o seu esforço, o seu trabalho, a sua disposição diminuídos porque “não agiu” conforme os ditames legais, DIZEM!

      Ora, torcemos para os bandidos ou para os mocinhos?
      Queremos ver os ladrões na cadeia ou soltos?
      Almejamos uma justiça impoluta, imaculada, absoluta, porém com o crime organizado dilapidando a nação e o povo ou um poder judiciário atuante, que passe por cima de detalhes, mas consegue o objetivo de impedir ou diminuir sensivelmente os danos e prejuízos ocasionados pelos meliantes?

      Não seria divertido passar pelo Zé Dirceu, Lula, Palocci, Cunha, Odebrecht, e dizer:
      – Bah, vocês estão livres mas, em compensação, a nossa “justiça” é impecável!
      Meio ridículo, penso.

      Enfim, caro Vidal, longe de mim impor os meus pensamentos.
      Porém, se divergem de uns e outros, ainda mais no tocante a uma pessoa que merece o nosso reconhecimento – assim como todos que trabalharam na lava jato, diga-se de passagem -, os meus comentários têm o efeito de registrar que nada vejo de errado na conduta de Moro, pelo contrário.

      Não posso é aceitar passivamente, que um possível comportamento que riscou alguns detalhes no rito judicial, possa deslustrar uma tarefa tão importante e necessária como foi a Lava Jato.

      Finalizo, meu amigo, resgatando uma frase no teu comentário acima:
      “O que possibilitou mesmo o combate à corrupção foi o fortalecimento das instituições, talvez até fruto da Constituição de 1988 e as condições criadas no país para isso.”

      Respondo usando as tuas próprias palavras:
      “Ora, dizer que a corrupção (do PT pelo que sempre dizes), essa que nos acompanha desde sempre, seja a culpada pelas nossas mazelas é algo que, sinceramente, acho até divertido, caso não fosse trágico e ingênuo.”

      Por favor, Vidal:
      Se o petrolão não foi o maior golpe das instituições contra uma nação e seu povo, cujo descobrimento desse roubo incomparável na História Moderna do mundo se deu graças à Lava Jato, menos, mas muito menos, pelo fortalecimento das instituições que alegas, só posso – respeitosamente – achar divertido, se não fosse trágico e ingênuo.

      Entende, por fim, Vidal, que nossas trocas de ideias muito me ensinam, me orientam, me esclarecem.
      Eu não conseguiria aprender se não fosse com alguém muito superior a mim em conhecimentos e inteligência, então as minhas colocações, querendo, mesmo que sub-repticiamente, que o meu colega me conteste, mostrando onde está o meu erro ou confusão.

      Um forte abraço, parceiro.
      Saúde e paz.
      Te cuida, meu!

      • Certo amigo Bendl,
        tens as tuas convicções, tenho as minhas. Sempre lembro de algo que aprendi com os anos de vivência e de leituras da historia humana: o que desconhecemos é muito maior daquilo que conhecemos.
        Portanto, caro amigo, não sejamos tão radicais nas nossas ideias e certezas, pois muitas vezes estamos errados e não é porque desejamos isso. É que muitas vezes a verdade é desconhecida por nós, então, aquilo que acreditamos é uma ilusão, por isso sou cético. Leia a metáfora da caverna de Platão. É um bom aprendizado.

        Abraço, saúde e vida longa.

  14. Prezado amigo deste blog parlamento ..Sr. José Vidal …meus parabéns por suas palavras em favor da LEGALIDADE das leis …e pela LEGALIDADE de se aplicar a consciência de forma limpa e clara.

    Só lamento que alguns amigos insistem em nos ridicularizar levando as idéias para o campo da depreciação (escondida , mas lá está).

    Meu prezado amigo Maragato FB… seu grande problema é misturar as cousas que lestes, não aplicando a devida sincronização dos fatos históricos em si e seus desdobramentos, resultado: O nobre amigo faz uma confusão enorme de uma cousa com a outra , e de forma indireta “diminui” os comentários dos demais companheiros que pensam de uma outra lógica que vc “acha” que é errada ( dizer que seus amigos comentaristas são a favor de roubos e corrupção em nossa sociedade é uma tremenda falta de civilidade e respeito aos que pensam de forma contrária). Creio pois te acompanho desde dos anos 2009, que ao fazer tais “comparações” o nobre amigo incorre em uma tremenda injustiça pessoal e passa um ar de que suas palavras em seus “comentários” são o “nirvana” da sabedoria e ponto final. Se observarmos os seus comentários sob a luz de uma ética comportamental interpessoal veremos ali uma clara luz de falta de domínio próprio e um nítido AR de superioridade acadêmica.

    Meu nobre FB ..sejas mais humilde e pense que diante do PAI CELESTIAL a qual vamos prestar contas dos nossos atos (todos) somos TODOS absurdamente DEPRAVADOS .

    Saúde e paz para TODOS os amigos deste blog parlamento…e tb para todos os seus …

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE …. ALLELUYA….

  15. Caro Jesus,

    Inicio resgatando uma colocação tua no comentário acima:
    ” … ( dizer que seus amigos comentaristas são a favor de roubos e corrupção em nossa sociedade é uma tremenda falta de civilidade e respeito aos que pensam de forma contrária)”.

    Te respondo usando as tuas próprias palavras:
    ” … O nobre amigo faz uma confusão enorme de uma cousa com a outra , e de forma indireta “diminui” os comentários dos demais companheiros que pensam de uma outra lógica que vc “acha” que é errada “…

    Não afirmei em nenhuma hipótese que meus amigos ou colegas comentaristas são a favor da corrupção, e muito menos eu quis “diminuir” a essência dos textos diferentes dos meus.

    Pensa, Jesus, que estou ME DEFENDENDO, seja, se enalteço Moro, o seu trabalho, a sua disposição, a sua luta no combate à corrupção, e surgem comentários contrários aos meus elogios ao ex-juiz federal, das duas uma:
    ou contesto as opiniões em contrário ou não responder, o meu silêncio admitirá que não tenho razão.

    Na minha ótica, a meu ver, naquilo que vi, li e escutei, Moro não pode ter o seu serviço menosprezado por boatos que alegam não ter sido ético ou imparcial, por favor!

    Não valorizar – nesse caso sim, e necessário – os julgamentos e condenações de réus confesso, pelo fato de que a justiça deve ser imaculada – logo a nossa! -, então depreciemos a atuação do ex-magistrado, lamento, discordarei sempre dos que pensam dessa forma!

    E tu não podes me criticar, Jesus, pois não queres que haja democracia, liberdade de expressão, mas que eu siga a tua lógica, o teu raciocínio, que, nesse caso, refuto, discordo.
    Quem erra?
    Eu ou tu?

    Defendo meus pontos de vista. Se fazes o mesmo com os teus, de onde resgatas a tua crítica veemente às minhas palavras?
    Por capricho?
    Por orgulho?
    Ou por que queres diminuir meus textos?

    “Se observarmos os seus comentários sob a luz de uma ética comportamental interpessoal veremos ali uma clara luz de falta de domínio próprio e um nítido AR de superioridade acadêmica”.

    Ora, Jesus, tu sabes que não tenho curso superior algum, então que raio de “AR” acadêmico é esse que me atribuis?
    Tá de gozação?
    Tá me tirando, como diz a gurizada?

    Que bobagem é essa que escreveste, ” … Se observarmos os seus comentários sob a luz de uma ética comportamental interpessoal …”
    Jesus, levantaste com o pé esquerdo hoje?
    Meu, defendo o que escrevo, o que afirmo, até me provarem o contrário!
    Nesse caso, de Moro, ainda não li argumento e vi provas que possam desprezar o trabalho digno e de relevância feito por ele!!

    Para com esses termos rebuscados, essas colocações impróprias para um colega teu, que mania!
    Me contesta o pensamento, o que digo, o que escrevo, mas me deixa de lado.
    Quem sou ou deixo de ser é comigo mesmo.
    Os outros que me desculpem, mas cuidem de suas vidas!

    Observa o texto do Vidal ao me responder:
    nada em caráter pessoal, assim como o tratei.
    Nosso debate fica no campo das ideias, das teorias, das hipóteses e de algumas certezas. Jamais, em momento algum, apelamos para o terreno pessoal, pois é assim que deve ser!

    Agora, tu não somente discordas de mim – teu direito! -, mas despejas um caminhão de pedras em cima da minha pessoa!

    E, o mais divertido – falo sério -, é o final da tua contestação, depois de me tratares como lixo:
    ” … sejas mais humilde e pense que diante do PAI CELESTIAL a qual vamos prestar contas dos nossos atos (todos) somos TODOS absurdamente DEPRAVADOS ” …
    Tu ainda me classificas como “depravado”, algo que não sou e repudio veementemente o que postaste!
    E sou eu que devo ser mais “humilde” …

    Te orienta, Jesus.
    Segue a estrela de Belém, e não os astros que imaginas enxergar de dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *