A nação espera que Luiz Fux cumpra logo seu dever, agendando o julgamento de Bolsonaro

A abertura do pedido de Bolsonaro está nas mãos de Fux

Carlos Newton

Ninguém aguenta mais, a nação não merece ser governada por um político como Jair Bolsonaro, que mistura ignorância, despreparo, agressividade e desequilíbrio emocional. É preciso sustar a sangria e entregar o governo a seu substituto constitucional, para que o país possa voltar à normalidade de suas instituições e à democracia plena, sem pactos, sem conchavos e sem conluios visando à impunidade dos criminosos da elite, que enriquecem ilicitamente com o desvio de verbas públicas.

O fim desse pesadelo está nas mãos do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, a quem cabe ser endereçado um desesperado apelo – Ministro, a nação espera que o senhor cumpra seu dever e coloque em pauta, o mais rápido possível, o pedido de abertura de processo contra o Presidente da República por ter negado fornecimento água potável e medicamentos aos indígenas e quilombolas durante a pandemia.   

FORA DA PAUTA – Em março, a relatora Cármen Lúcia pediu ao presidente Fux que a queixa-crime contra Bolsonaro seja incluída na pauta de julgamentos, mas ainda não há data marcada.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, tentou arquivar a queixa-crime, sob alegação de que o presidente vetou a concessão de água potável e remédios “pelo fato de não ter sido feita a estimativa do impacto orçamentário e financeiro da despesa decorrente da disponibilização de água potável para comunidades tradicionais”.

A argumentação é mentirosa, ardilosa e inescrupulosa, porque o Congresso aprovou todos os pedidos de verbas extras para o governo e no final de março de 2020 já havia R$ 750 bilhões destinados à pandemia e seus efeitos.

RECURSO PROVIDO – A relatora Cármen Lúcia chegou a ser iludida pelos argumentos de Aras e mandou arquivar o caso, mas o autor da queixa-crime, advogado André Magalhães Barros, recorreu, requerendo que a questão fosse submetida ao Plenário.

Desde 9 de março, o pedido de Cármen Lúcia está incluído na pauta de julgamentos, mas ainda não há data marcada para a discussão. E como dizia o grande jornalista e compositor Miguel Gustavo, o suspense já é de matar o Hitchcock.

###
P.S. –
Agora, aguarda-se que o ministro Fux se recorde das palavras do almirante Francisco Barroso e se compenetre de que o país realmente espera que cada um cumpra seu dever, porque, se o Supremo aprovar a denúncia, o impeachment de Bolsonaro se tornará uma realidade palpável. (C.N.)

5 thoughts on “A nação espera que Luiz Fux cumpra logo seu dever, agendando o julgamento de Bolsonaro

  1. CN sempre a favor de golpes!
    Bolsonaro realmente é tosco, ignorante, truculento, e um monte de outros defeitos, porém objetivamente ainda não cometeu nenhum crime!
    Não votei nele pq já sabia ser ele incompetente, mas a maioria dos votantes o escolheram.
    Estes defeitos todos são pré existentes ao mandato.
    Não tem porque cassá-lo.
    O eleitor é que precisa melhorar seus critérios.

    • O Tribunal Penal Internacional será o primeiro que irá julgar Bolsonaro. Uma Comissão Presidida pelo ex Ministro Ayres Brito e contou com a participação do Jurista Real e Júnior e de vários outros, para avaliar as ações de Bolsonaro à frente da Pandemia, concluiu que o Presidente cometeu Crime de Responsabilidade e contra a humanidade ao fundar uma República da morte agindo deliberadamente contra as medidas de proteção, tais ações contribuíram para o aumento de casos e de mortes. O Relatório será apresentado ao referido Tribunal. Nesta quinta feira a Organização Médicos Sem Fronteiras classificou a pandemia no Brasil como catástrofe humanitária e atribuiu ao Governo de Bolsonaro o colapso do Sistema de Saúde. Lá fora acredito que Bolsonaro sofrerá severas punições, aqui, duvido.

  2. Gente você perderam o sentido, quem é que vai julgar o Presidente. Não existe homem no momento para mover qualquer ação que vise tirar o Presidente. Gostaria de ver esse homem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *