Aumentam cada vez mais as evidências de que Bolsonaro sofre algum desequilíbrio mental

Um presidente sem o menor equilíbrio emocional

Deu no Estadão

Um grupo de sete juristas e acadêmicos protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Civil solicitando o “reconhecimento da incapacidade civil de (Jair Bolsonaro para) exercer o cargo e as funções atinentes à Presidência da República, com seu consequente afastamento”.

Os autores esclarecem que não se trata de julgamento por crime de responsabilidade ou crime comum, para os quais seria necessária autorização parlamentar. Apontam ainda que não se trata de uma interdição pela incapacidade de gerir atos da vida civil, mas especificamente da “interdição de um supremo mandatário que não tem os requisitos cognitivos mínimos” para exercer a Presidência.

“PANDEMÔNIO” – Na expectativa de que a Corte determine a produção de prova pericial, os autores levantaram exaustivamente ponderações de profissionais da área da psicologia, da psicanálise e da psiquiatria. As bases para o pedido já haviam sido lançadas pelo jurista Miguel Reale Jr., no artigo Pandemônio, publicado no Estado.

Reale cataloga diversos indícios de transtorno de personalidade. Ainda em 1999, Bolsonaro dizia, em entrevista, que se fosse presidente fecharia o Congresso “sem a menor dúvida – daria o golpe no mesmo dia”. Na mesma entrevista, defendeu a tortura, e disse que o Brasil “só vai mudar quando partirmos para uma guerra civil (…) matando uns 30 mil (…). Vão morrer alguns inocentes. Tudo bem”.

Já presidente, Bolsonaro, além de promover manifestações golpistas, deu inúmeras mostras de megalomania – “eu sou a Constituição”, “tenho a caneta”, “quem manda sou eu”, “o meu Exército”.

DIAGNÓSTICO CLARO – Segundo a Classificação Internacional de Doenças da OMS, o transtorno de personalidade antissocial é caracterizado pela “indiferença insensível face aos sentimentos alheios; uma atitude flagrante e persistente de irresponsabilidade e desrespeito a regras; a baixa tolerância à frustração; a incapacidade para experimentar culpa; e a propensão a culpar os outros”.

A falta de empatia de Bolsonaro ante centenas de milhares de mortos está gravada na História da Infâmia nacional: “e daí?” “não sou coveiro”, “chega de frescura”, “vai ficar chorando até quando?”.

Reale sugere ainda o transtorno de personalidade paranoide, caracterizado por “um combativo e obstinado senso de direitos pessoais; tendência a experimentar autovalorização excessiva e preocupação com explicações conspiratórias”.

MANIA DE PERSEGUIÇÃO – Além de enxergar por toda a parte conspirações da sua nêmesis (“os comunistas”), Bolsonaro já rompeu com seu partido e confronta dia sim e outro também os governadores, a imprensa, o Congresso e o STF. Ele já ameaçou responder com “pólvora” a uma suposta invasão da Amazônia pelos EUA e sugeriu que a China está movendo uma “guerra química” (sic) contra o mundo.

Segundo outro cânone do diagnóstico psiquiátrico, o DSM-5, da Associação Psiquiátrica Americana, o transtorno paranoide é “caracterizado por desconfiança e suspeita tamanhas que as motivações dos outros são interpretadas como malévolas”; o transtorno narcisista se manifesta pelo “sentimento de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia”; e o transtorno antissocial apresenta um padrão de “desrespeito e violação dos direitos dos outros”.

DIZEM 600 MÉDICOS – Em Carta Aberta, 600 médicos formados na Escola Paulista de Medicina elencaram os atos e omissões mortíferos de Bolsonaro na pandemia, entre eles o estímulo a tratamentos comprovadamente ineficazes; a negligência na crise de oxigênio em Manaus; a sabotagem das medidas de isolamento social; ou o descaso no planejamento da imunização.

A Carta conclui com um pedido de impeachment por crimes de responsabilidade e contra a saúde pública.

Qualquer que seja o desfecho da ação protocolada no STF, o fato de que juristas se unem para apontar um caso de incapacidade mental e médicos para pedir o impedimento político sugere que é cada vez menos verossímil uma terceira hipótese para explicar a conduta desastrosa de Bolsonaro que contribuiu para as centenas de milhares de mortes no Brasil. A leitura dos dois documentos indica que ou foi loucura ou foi crime.

(Editorial enviado por Celso Serra)

9 thoughts on “Aumentam cada vez mais as evidências de que Bolsonaro sofre algum desequilíbrio mental

  1. Bolsonaro sempre foi assim.
    Qdo que um ser normal, Tenente do Exército pode planejar colocar bomba no próprio quartel?
    Casamento altamente tumultuado (não entrando em detalhes), todos seus amigos (comparsas) são criminosos.
    Votou nele ou quem não sabia ou quem tb gosta de bandido.

  2. Qualquer pessoa medianamente inteligente entenderá de pronto que o infeliz que preside esse país é um DOENTE MENTAL.Seu surgimento também foi muito estranho para mim. Há quem diga até que aquela facada foi cuidadosamente ensaiada. Se for verdade, ele é muito mais anormal mentalmente do que pude imaginar ! Ele não consegue nem governar nem pensar mais em nada que não seja a reeleição. Daí para a ditadura é um passo. Espero que nossas FFAA salvem nosso país de uma desgraça dessas !!!

  3. 1) O Exército Brasileiro falou isso primeiro, dizem, li alhures…

    2) A ironia do Destino é que, hoje, o Exército Brasileiro o apoia…

    3) Parece que alguns do Exército Brasileiro discordam, mas devem ser muito poucos…

  4. Quanta besteirada, Bolsonaro é apenas um tiozão falastrão igual milhares que existem por todo Brasil, o típico afegão médio tupiniquim. O pessoal da mídia saberia que ele é um personagem típico da nossa cultura, se tivesse algum contato com o povo de verdade.
    Querem encontrar outros Bolsonaros? Vão a qualquer bar de periferia e simplesmente conversem com as pessoas. Talvez o jornalista descubra que está cercado de “loucos”, ou que só ele é louco.

  5. Se a ação prosseguir penso que poderá será dada (ou não, tudo pode acontecer no STF em Brasília) a oportunidade de defesa para Bolsonaro.

    Como o Brasil é uma republiqueta azarada e Bolsonaro possui advogados espertos, é válido navegar na imaginação de como poderia ser sua defesa, ou seja, será que vai apontar seus antecessores na Presidência da República como mais malucos que ele, Lula, por:

    – nomear a amante Representante da Presidência da República em São Paulo ?

    – Por ter transformado o avião presidencial em local de surubas aéreas ?

    – Por ter pousado para fotografia ao lado da mulher sapiens Dilma todo mijado ?

    E os atos da culta mulher sapiens Dilma também poderão ser usados pela defesa de Bolsonaro, dentre outros:

    – a história da mandioca ?

    – o engarrafamento do vento ?

    – o episódio da nomeação do maluco-mijão Lula para Chefe da Casa Civil ?

    – A compra da refinaria nos EUA ?

    – a “meta” não fixada e que seria “dobrada” após ser atingida ?

    – A “parada técnica” para passar um fim de semana com inúmeros convidados em Portugal, que ocuparam 30 quartos em hotel de primeira categoria, após encerrar sua participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça – antes de seguir para Cuba ?

    Cacilda !!! O tema é muito engraçado, tão longo que poucos brasileiros teriam condições para descrevê-lo.

    Infelizmente, Aparício Torelly, Dias Gomes e Chico Anysio já partiram …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *