Bolsonaro se aproxima dos caciques do Centrão e esvazia Ramos que passa a cuidar dos pedidos do ‘baixo clero’

Maia afirma que  articulação política do governo melhorou com Ramos

Natália Portinari e Gustavo Maia
O Globo

A recente aproximação entre Jair Bolsonaro e caciques de partidos do Centrão provocou um esvaziamento do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, segundo a avaliação de parlamentares. Como o presidente cortou intermediários na articulação política, tarefa de Ramos, o general que acaba de entrar para a reserva do Exército não detém mais a responsabilidade de administrar todas as demandas de políticos por cargos e verbas.

Bolsonaro hoje mantém relação próxima com Gilberto Kassab, presidente do PSD, e Ciro Nogueira, dirigente do PP, e já aceita conversar diretamente sobre as condições para que suas iniciativas andem no Congresso Nacional, atribuição que antes era delegada a Ramos.

RECLAMAÇÕES – Com a diminuição de relevância, também cessaram as reclamações de lideranças da Câmara e do Senado em relação a acordos que não seriam cumpridos pelo ministro. Queixas desse tipo eram constantes desde que ele assumiu o cargo, na metade do ano passado.

Segundo lideranças do Congresso ouvidas pelo O Globo, o ministro é visto agora como alguém para atender o “baixo clero” em demandas por cargos de pouca importância, ou para administrar a distribuição de recursos para prefeituras da base eleitoral de deputados ou senadores em troca de apoio em votações. Procurado pela reportagem, o ministro não se manifestou.

DESENTENDIMENTOS –  O esvaziamento das funções de Ramos também arrefeceu a pressão do Congresso por sua substituição. A relação mais pacífica coincide com o momento em que Bolsonaro “profissionalizou” sua articulação política, substituindo o inexperiente Major Vitor Hugo (PSL-GO) como líder de governo na Câmara por Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro de Michel Temer (MDB).

Ramos e Vitor Hugo, inclusive, se desentenderam algumas vezes em votações, sendo comuns situações em que o líder costurava um acordo de uma determinada maneira, e o chefe da Secretaria de Governo, de outra. Na despedida do deputado da liderança, o ministro fez questão de agradecê-lo publicamente nas redes sociais pela “parceria no trabalho”, mas o deputado não o citou.

Interlocutores de Ramos destacam que o ministro tem relação próxima com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na quinta-feira, quando a maioria da Casa manteve o veto presidencial que congelou salários de servidores, Maia se envolveu diretamente na articulação que levou ao resultado, após a derrota do governo no Senado.

ARTICULAÇÃO – Na sexta, o presidente da Câmara disse que confia em Ramos e que a articulação política do governo melhorou com ele. Antes do general, a tarefa era de Onyx Lorenzoni, hoje titular da Cidadania, com quem Maia não teve relação.

Na véspera daquele que foi o primeiro grande teste de Ricardo Barros como líder, Ramos foi ao Twitter dizer que confiava na responsabilidade dos deputados para manter o veto. Com a vitória assegurada, o ministro fez questão de parabenizar os 316 deputados que votaram a favor do governo.

8 thoughts on “Bolsonaro se aproxima dos caciques do Centrão e esvazia Ramos que passa a cuidar dos pedidos do ‘baixo clero’

  1. É a nova política. Mas há uma diferença fundamental. Tanto Brizola qdo governador do Rio de Janeiro,quanto Lula e Dilma na presidência, necessitaram o apoio de outros partidos e para isso nomeavam políticos para ministérios, secretárias e estatais. A diferençá era a forma da escolha do futuro colaborador e do seu comprometimento com determinadas metas. Agora nem o chefe confia no subordinado e muito menos o subordinado confia no chefe.

  2. Deitado em uma maca no quarto do hospital por quatro dias e três noites, assisti somente os noticiosos nos canais que a TV do meu quarto permitia, e foram em boa quantidade.

    Horas antes da minha baixa desliguei o aparelho, cansado de ouvir os problemas do nosso país que seguem sem soluções – sequer paliativos -, ou seja, nada de novo no front, conforme sempre posta o nosso Mediador.

    A conclusão que obtenho é uma só, e repito o que venho escrevendo há tempos:
    O Brasil não tem solução.

    O sistema que “gerencia” o país, que comanda o povo e as instituições, é uma fraude!

    Se antes tínhamos uma tênue esperança que as FFAA não tinham sido contaminadas pela corrupção, que não tinham tido suas mãos amarradas, iniciativas bloqueadas, a vitória de Bolsonaro, da direita, comprovou que não temos tendência política alguma que consiga mudar a trajetória dos brasileiros, encaminhando-se céleres para uma situação catastrófica.

    O ato mais correto, elogiável, desse atual governo, foi ter jogado na cara do povo a realidade absoluta sobre como é o alicerce que sustenta essa nação:
    Equilibramo-nos em amontoados de madeira sem segurança, fragilidade exposta, sem qualquer plano para fortalecer essa estrutura carcomida pela corrupção.

    Verdade seja dita:
    Faz décadas que o Brasil somente funciona e. mal, através da corrupção, acordos espúrios, propinas, interesses e conveniências empresariais, pessoais e institucionais.

    Bolsonaro não tentou consertar um pouco, pelo menos, essa chaga nacional, diante da sua impossibilidade – família comprometida -, incompetência e impotência, a ponto que teve de dar o braço a torcer para o Centrão ou, nas palavras de alguns generais, não governava.

    O mais grave:
    Combater a corrupção é muito mais dispendioso que conviver com ela!
    Não fosse a ganância do PT, e de ter descumprido acordos com partidos políticos, notadamente o PTB, de Roberto Jeferson, a nossa situação não estaria nesse caos.
    Todos estariam roubando, mas, em compensação, o povo estaria em melhores condições, pois haveria a necessidade de jogar esmolas para o cidadão, e não teríamos o crescimento da miséria e da pobreza, conforme acontece nos últimos anos.
    Agora, nem mel e nem porongo.

    As castas, elites, o poder econômico, locupletaram-se.
    Obtiveram mais domínios sobre o país e povo, logo, desnecessária qualquer medida em benefício de uma população que aceitou a sua situação resignadamente, justificando a sua irresponsabilidade e alienação dizendo para si mesma que “Deus quis assim”.

    A desonestidade dos governos, o estelionato contra o eleitor, os roubos praticados contra o cidadão, uma justiça tendenciosa porque política, um legislativo venal e alheio aos problemas do povo, somente interessado em vender seus votos para o Planalto e divorciado da grave situação nacional, os executivos agindo permanentemente como meros agentes do poder econômico, definitivamente não existe como resolver o caos instalado no país, pelo contrário, a cada ano nos deterioramos e agravamos o quadro nacional.

    Exemplos?
    1 – Há quanto tempo que não temos a correção da Tabela do Imposto de Renda quanto às restituições?
    2 – Por que o legislativo jamais questionou o governo quanto a devolver a inflação referente aos meses de arrecadação sobre o salário do contribuinte? Para aqueles trabalhadores que contribuem mensalmente com o Leão, o ano anterior à Declaração é dado de presente para o governo, que não paga um centavo pela inflação do ano em curso! Somente corrige o que tomou do trabalhador quando a declaração do IR é entregue;
    3 – O que é feito da dinheirama que os sorteios da Caixa arrecadam do povo?
    4 – O que é feito das multas de trânsito, dos pagamentos de tributos atrasados, das taxas, emolumentos …
    5 – O que fazem os Estados com relação ao ICMs, IPVAs, IPTUs, alguém sabe?
    6 – E a fortuna gasta com os cartões corporativos?
    7 – Qual é a arrecadação efetiva da Previdência Social?
    8 – Quais são as despesas da União sobre os veículos e prédios de sua propriedade?
    9 – Quais são os gastos da União com energia elétrica, folhas de papel, café e açúcar nas repartições públicas?
    10- Quais são as terras pertencentes à União?
    11- Quais são os custos de manutenção dos computadores da União?
    12- Quantas dessas máquinas pertencem à União?
    13- Quantas estão defeituosas?
    14- Quem são os responsáveis pelos seus funcionamentos?
    15- Como tem sido as licitações de material de expediente?
    16- Quais são as despesas geradas pelos veículos à espera de conserto?
    17- Quais são as despesas de manutenção dos ministérios, palácios, prédios públicos?
    18- Quantos aviões têm a União?
    19- Quais são os seus custos?
    20- Quantas aeronaves estão danificadas?
    21- Quantas máquinas possui a União entre patrolas, pás mecânicas, tratores de esteira, motores estacionários, caminhões e camionetes?
    22- Quais são os custos de manutenção desse maquinário?
    23- Como que a União adquire pneus para a sua frota?
    24- Quais são os gastos da União na compra de pratos, talheres, copos, travessas, panelas … ?
    25- Quais são as despesas concernentes à aquisição de alimentos por parte do Executivo:
    Planalto, Itamaraty, Alvorada …?
    26- Quais são os custos dessas mesmas despesas por parte do Legislativo nacional?
    27- Quais são os custos dessas mesmas despesas por parte do Judiciário nacional?
    28- Quais são os custos dos inúteis Tribunais de Contas Federal e Estaduais?
    29- Quantos servidores públicos da União recebem proventos acima do teto salarial?
    30- Quantos recebem acima de 20 mil reais e até o teto?
    31- Quanto a União gasta com a aposentadoria de seus servidores?
    32- Quantos que incorporam às suas aposentadorias outras remunerações?
    33- Quanto ganha o presidente da República, no caso Bolsonaro, e se acrescenta aos seus vencimentos o salário de deputado federal e como ex-militar?
    34- Quanto paga o presidente de Imposto de Renda?
    35- Por que o parlamentar atingiu receber vencimentos 200 vezes maior que o salário mínimo?
    36- Por que a Justiça não coíbe de vez os vencimentos acima do teto estipulado?
    37- Por que os parlamentares não têm um limite de assessores e de salários pagos ao pessoal do gabinete?
    38- Quais são os custos dos ex-presidentes da República?
    39- Quanto custa Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer para a União?
    40- Existiria algum cálculo do desperdício de dinheiro por parte da União pela falta de uma administração competente de custos?
    41- Quanto gasta a União em combustível (gasolina, etanol diesel, óleo, graxa, estopa …)?
    42- Quanto a União tem dado de incentivos fiscais? Para quem? Quantas empresas? Quais são elas?
    43- Quanto custa verdadeiramente o Judiciário nacional?
    44- Quanto custa verdadeiramente o Legislativo nacional?
    45- Quanto custa verdadeiramente o Executivo nacional?
    46- Quantos navios possui a União (Marinha Mercante)?
    47- Quantos estão navegando?
    48- Quanto custa a tripulação dessas embarcações?
    49- Quantos seriam os marinheiros, imediatos, comandantes, cozinheiros …?
    50- Quais são os custos verdadeiros da Previdência com doentes, hospitalizados, e quantos aguardam pelos benefícios solicitados e há quanto tempo?

    Não há como endireitar esse país!
    A título de exemplo, o ministro Celso de Mello, decano do STF, fez uma cirurgia na semana passada, delicada, grave.
    O custo não seria menor de 400/500 mil reais, incluindo os dias baixados, médicos, anestesistas, diárias hospitalares, acompanhante, refeições, remédios … quarto de primeira classe, evidente.

    Sua Excelência não só não sabe quanto custou para a União a sua cirurgia, como tem plena consciência que somos nós, o povo, quem a custeou, e deve pensar que é nossa obrigação!
    Mello deve receber no mínimo 100 mil por mês, afora mordomias, regalias, penduricalhos, privilégios … mas não gasta um tostão de seus proventos consigo mesmo.

    Pergunto:
    Quantas cirurgias o INSS SE NEGA a absorver os custos de seus contribuintes por que ou passou da idade ou por que alega não cobrir a despesa por falta de recursos??!!
    Menos para aqueles que têm condições, as castas, os poderosos, os donos do país!

    O Brasil não tem solução e, nessas alturas, até mesmo se os militares tomarem o poder o resultado será o mesmo, pois as FFAA compõem esse sistema fraudulento, essa fraude, que somos como Nação, País, Pátria e Estado!

  3. Seja bem-vindo, Chicão! E com que fôlego! Tivesse eu, essa capacidade e disposição, e não seria outra a minha avaliação, somos ou acabamos sendo um país pária, disfuncional e injusto, corrompido pela política suja e exploradora exercida tanto pela elite como por aventureiros insensíveis e gananciosos.
    O sistema não se autoreformará, nunca! Temos que ser nos, cidadãos que pagamos a orgia, os que gerem ideias e ações em pró da libertação.
    Abraço

  4. JABUTICABA DO DIA
    “Se só tem no Brasil e não é jabuticaba, é besteira” Mário Henrique Simonsen. “ou, fraude” Eu.

    PRESIDENTE
    Um Capitão do Exército, dispensado por má conduta e suspeita de terrorismo e conspiração, hoje é Comandante Supremo das Forças Armadas.
    Como podemos levar este país a sério?

  5. Escrevi, acima, que o sistema que nos rege é uma fraude.
    Nada funciona para o povo, diferente para os poderes constituídos e apaniguados, que não só enriquecem como seus domínios sobre os cidadãos e o Estado aumentam.

    Espiem a baderna, porém em benefício “deles”:
    O civil não pode pertencer às FFAA se não for militar, se não seguir a carreira;
    O cidadão não pode ser juiz, se não estudar, passar no concurso e seguir carreira.
    Bolsonaro foi oficial subalterno no Exército.
    Foi para a reserva remunerada com soldo de capitão.
    Decidiu ir para o legislativo, EM TESE, o poder do CIVIL!

    O Governador do Rio não deixou a magistratura, e venceu as eleições.
    Foi para o Executivo, onde os eleitores deveriam eleger civis.

    Logo, as pessoas que não perdem suas vantagens ou aposentadorias nas profissões escolhidas não poderiam ser candidatas, justamente porque irão enaltecer o corporativismo, a defesa de suas categorias, se eleitas.

    Então temos gente onde não deveria estar, prometendo fazer o que jamais conseguirão!
    Resultado:
    A incompetência, a falta de criatividade, a intromissão em áreas alheias às suas profissões de origem, abrem lacunas imensas para a corrupção, pois sem o tal “apoio político”, dizem as próprias autoridades que não há como governar!

    Logo, as autoridades que deveriam se preservar desse meio civil carcomido por pessoas de má fé, má índole, desonestas, que são aquelas que geram a corrupção, de modo a participar desse poder imundo e fétido de propinas, preços superfaturados, licitações marcadas, acordos espúrios, alianças partidárias imorais, sujeitam-se a dele fazer parte, permitindo que o Estado seja dilapidado e o povo roubado, pelo fato de se aproveitarem do sistema porque criado especificamente para os poderosos terem mais poder e dinheiro!

    Os poderes nacionais existem para preservar o sistema e não as pessoas, muito menos o povo!

    Logo, civis, militares, eclesiásticos, magistrados, todos se misturam onde o civil deveria preponderar.
    Essa miscelânea de profissões, interesses e conveniências pessoais, partidárias e profissionais, impede, evita, que tenhamos meios de proibir e punir a corrupção porque as instituições fazem parte das quadrilhas, dos bandos organizados, surgindo o outro maior problema nacional:
    A impunidade, em decorrência da corrupção.

    Portanto, ratifico o meu comentário acima, onde afirmo textualmente que o Brasil não tem solução!
    E se quiserem mais um motivo pelo qual ratifico o meu texto acima, aponto a IMORALIDADE, que tem sido uma característica nossa há tempos!

Deixe uma resposta para F.Moreno Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *