Com o povo nas ruas, impeachment é só uma questão de tempo

[CHARGE+-+ARRUDA+E+O+IMPEACHMENT.jpg]Carlos Newton

Na internet, é crescente o interesse pela possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff, cujo desgaste chega a ser inacreditável. As especulações são múltiplas, cada um escreve o que bem entende, e estamos conversados.

Um dos erros mais cometidos é pretender que o impeachment seja um processo rigorosamente jurídico. Dizem até que só pode ser apresentado pedido de impeachment à Câmara dos Deputados se houver um “fato determinado” ligando a presidente da República à corrupção.

Na verdade, o processo de impeachment é muito mais político do que jurídico. O pedido pode ser apresentado por qualquer cidadão, basta ter título de eleitor e estar em dia com as obrigações eleitorais. Não é necessário apontar o “fato determinado”, isso não existe. Só é exigido “fato determinado” no pedido para convocar Comissão Parlamentar de Inquérito. Mesmo assim, a decisão é do presidente da Câmara ou do Senado, que pode até criar a CPI mediante um fato motivador apenas genérico.

No caso de impeachment, por óbvio, é necessário apresentar argumentos sólidos que possam justificar o afastamento do chefe do governo. O presidente da Câmara é quem vai julgar se aceita o pedido e abre o processo, que passa então a ter uma ritualística semelhante à jurídica, com prazos para acusação e defesa, até chegar à decisão do plenário.

BOLSONARO

Outro dia, um conhecido comentarista político publicou que o deputado Jair Bolsonaro agiu oportunisticamente na semana passada ao apresentar um pedido de impeachment, porque assim qualquer outro pedido que for encaminhado será automaticamente anexado ao dele e ele ficará sempre em evidência.

Isso é uma bobagem, não há anexação. E o que não falta são solicitações de impeachment da presidente Dilma. O pedido apresentado por Bolsonaro é o 19º, e muitos outros vão surgir, conforme os motivos forem se acumulando.

O juiz de Dilma chama-se Eduardo Cunha e está brigado com ela. É ele quem vai decidir se aceitará ou não um dos pedidos que restam (muitos já foram rejeitados) ou algum mais substancial que vier a ser apresentado.

Os jurados de Dilma são os cidadãos brasileiros que irão às ruas hoje. Se este movimento se organizar devidamente, via internet, e continuar demonstrando crescente insatisfação popular, não há quem segure Dilma no poder.

As pesquisas por telefone mostram que a aceitação do governo caiu para apenas 10 por cento. Isso significa que o impeachment passa a ser apenas uma questão de tempo.

5 thoughts on “Com o povo nas ruas, impeachment é só uma questão de tempo

  1. Por que Newton voces nao tentam ganhar as eleicoes em 2018, é assim que funciona o jogo democratico, voces acabaram de perder uma eleiçao e querem ser os black blocs

  2. Prezado Sr. Carlos Newton …Lhe acompanho há muitos anos, e nessa nossa Tribuna Livre, leio e acompanho seus escritos e dos demais , como somos cidadãos de bem ..temos que ser respeitosos uns com os outros nos nossos comentários… Há momentos que podemos “deslizar’ ? Sim há e sempre vai haver “deslizes”, isso é normal pois somos humanos… o que não pode é “ofensa a honrar pessoal” de cada individuo isso é inaceitável e desrespeitoso.

    Dito essas palavras … Passo a contestar suas atitudes de pregar de forma velada através de nossa Tribuna Livre o afastamento do nosso presidente do seu mandato. Creio que o prezado no calor da emoção não mensurou a dimensão politica e social que um ato desta natureza pode trazer sobre o nosso amado BRASIL. Como eu costumo dizer… “vc é um lagarto velho” e sabe muito bem que as cousas não são como vemos principalmente quando se trata do “jogo sujo” da politica.

    Não preciso nem te ensinar amado amigo, afinal sua vivência neste ambiente é de longo tempo e sabe o que estou querendo lhe dizer, portanto reitero minha preocupação com os rumos politicos e sociais que alguns estão tomando ao pregarem tamanha insanidade politica neste momento. Temos que ser responsáveis e apegados somente a verdade dos fatos, fofoquices e artimanhas politicas devem ser evitadas para que não sejamos como meninos. Note que nossa tribuna acaba de publicar um artigo com o Ex Ministro do STF Carlos Ayres…veja suas palavras.. com o devido respeito Palavras de mais covarde … Pois quando lá estava na investidura do “pomposo” cargo …inclusive como presidente do STF…o que foi que este realmente fez para a grandeza da verdade em favor do BRASIL e da justiça ? Agora , que lá não mais está, fica agora com blás..blás..blás.. inutéis que só nos faz mais e mais ter vergonha do nosso STF e bem assim como as demais instituições.

    Portanto caro amigo CN , não creio que seja o caminho , a deposição politica de nosso presidente, afinal há muita cousa nos porões de nossa “democracia” e que o estimado amigo bem sabe.

    Se vamos então a JULGAR todas as cousas que ao longo do tempo só tem trazido sofrimento ao povo Brasileiro, então começamos de forma CONTUDENTE e sem DOR o julgamento HISTÓRICO e a reparação economica e social aos milhões de NEGROS descendentes cujos antepassados FUNDAMENTARAM os alicerces desta nação com muito trabalho suor e sangue vertido. Vamos também julgar como CRIME de TRAIÇÃO A PÁTRIA AMADA .. TODOS os governos anteriores ao do PT , que venderam nossas riquezas de forma FRAUDULENTA com indicios pontuais de CORRUPÇÃO CRIMINOSA com prejuizos INCALCULÁVEIS ao POVO DO NOSSO AMADO BRASIL.

    Vamos então BANIR ..dos anais de nossa HISTÓRIA qualquer ATO DE TRAIÇÃO A NOSSA AMADA PÁTRIA cometido contra nossa soberania e riqueza que só nos trouxe sofrimento miséria e fome , como bem vem ALERTANDO ao longo do TEMPO ..nosso amado amigo HELIO FERNANDES.

    banir de nossos livros e anais os GOVERNOS PÓS IMPÉRIO começando por DEODORO e chegando até ao do Sr. Luis Inácio… Deixando de fora somente o Governo da ERA VARGAS.

    Sei que escrevi cousas que jamais vai ocorrer, mas no meu ponto de vista como cidadão esse seria o caminho.

    Abraços…

    YAWHE SEJA LOUVADO..SEMPRE …

    Carlos Jesus -D. Caxias -RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *