FHC agiu com franqueza, ao reconhecer que a reforma de Collor possibilitou o sucesso do Plano Real

Temer, Collor e FHC debateram os rumos do país em programa da TV Conjur

Vicente Limongi Netto

Considero um absurdo, indignidade e mesquinharia o fato das pesquisas eleitorais omitirem o nome do ex-presidente e senador Fernando Collor. Diante da canalhice, lanço a pergunta: quem tem medo de Collor de Mello? Nessa linha, a meu ver, entre todos os candidatáveis e presidenciáveis de si mesmo, obscuros e fanfarrões, colocados na rinha presidencial, Collor é, disparado, o homem público mais preparado e mais qualificado para novamente exercer a chefia da nação. 

FHC RECONHECE – Em recente programa na TV Conjur, do site Consultor Jurídico, com Fernando Collor e Michel Temer, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reconheceu que graças ao plano econômico do governo Collor foi possível incrementar o Plano Real.

Nessa mesma linha, números da Fundação Casper Líbero revelam que a abertura da economia brasileira ao mercado internacional modernizou os variados segmentos da indústria. Ou seja, Collor tirou o Brasil das amarras do atraso. 

Na área da saúde, a Unicef elegeu como os melhores do mundo, em 1991, os programas de saúde pública, “Agentes comunitários de saúde”, “Parteiras legais” e “Erradicação do Sarampo”. A OMS declarou que de 1990 a 1993, foram os anos em que o Brasil teve o número mais baixo de doenças de crianças. 

OUTRAS CONQUISTAS – Em 1993, a ONU destacou o projeto “Minha Gente”, com o prêmio “Modelo para a humanidade”. No governo Collor, foi promulgada a Convenção Internacional dos Direitos da Criança. Com Collor, o SUS tinha 498 mil leitos. Em 1990, graças aos acordos internacionais firmados por Collor, os cartões de crédito brasileiros passaram a ser aceitos em todo o planeta.

Com a abertura do mercado, empresas passaram a ter o Certificado Internacional de qualidade ISO 9000. Leis do governo Collor permanecem em vigor, como o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto da Criança e do Adolescente.

REUNIÃO MUNDIAL NO RIO – Por iniciativa do governo Collor, realizou-se, no Rio de Janeiro, o primeiro encontro mundial sobre o meio ambiente, com a participação de mais de 100 de chefes de Estado.

O certame alavancou a preocupação mundial a respeito do tema. Creio, por fim, que Collor agiu bem, com altivez, sinceridade e dignidade, pedindo desculpas pelo confisco da poupança. Seu gesto foi alvo de elogios e cotoveladas. Reações   naturais de liberdade de expressão. 

Todas as torpes acusações de corrupção de seus levianos detratores foram repelidas, em dois julgamentos pelo STF. Collor é o único homem público brasileiro com dois atestados de idoneidade firmados pela Suprema Corte. Belo dia o legítimo e fiel relato da história republicana fará justiça ao ex-presidente e atual senador.

NO DIA DAS MÃES – Bolsonaro reagiu com palavrões por ter sido subestimado e colocado em segundo plano pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Covid, que afirmou, taxativamente, que “o vírus da covid é o único inimigo do Brasil nesse momento”. 

Por fim, vamos baixar o tom para lembrar que este domingo é um Dia muito Especial. Mãe é o refúgio da alma. O encanto sorrindo. O amor infinito. A voz da maturidade. A presença iluminada. O caminho da sabedoria. O afago da luz divina. A ponderação cativante. A firmeza dos sentimentos. A amiga verdadeira. A proteção acolhedora. A bondade nos olhos. A sublime ternura. A sábia conselheira. A sombra do aconchego. O rosário de virtudes. Tudo isso e muito mais.

9 thoughts on “FHC agiu com franqueza, ao reconhecer que a reforma de Collor possibilitou o sucesso do Plano Real

  1. Caro Limongi..
    O Governo COLLOR,mesmo com viés liberalista, não foi entreguista,preservou a espinha do dorsal das estatais.
    Exemplo,a Embraer,etc…

    A meu ver sua maior obra,foi apoiar o projeto cultural científico e tecnológico dos CIEPS,do BRIZOLA,e seu CIACS,que estava engatinhando.

    Governos subsequentes, irresponsávelmente,enterraram o projeto.

    Infelizmente,o nosso sonho de independência foi pras calendas..

    Vejo hj. nos países asiáticos,( Coreia do Sul),que vieram aqui,e levaram nossas idéias e projetos..
    Confesso minha frustração.

  2. Prefeririam construir cadeias, presídios,previligiando os “atravessadores”.
    Do que, construir escolas e compras de equipamentos para laboratórios,etc .
    Hoje,ficou comprovado,mais uma vez,existem “especialista”em segurança pública, blá… blá, mas,primeiro tiro que ouvem,saem sorrateiramente da cena,deixando os policiais em maus lençóis..
    A maioria dos policiais,com baixo soldos,tbem moram em favelas..

    Isso, é constatação..

  3. Sr. Vicente;
    Collor não está proibido de concorrer. Aliás, ele se lançou candidato à Presidente para a eleição de 2018. A repercussão foi próxima de zero.

Deixe uma resposta para victor marins Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *