Kajuru diz que não recebe ordens de Jair Bolsonaro: “Quero distância oceânica dele”

Charge do Duke (domtotal.com)

Sarah Teófilo

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) disse nesta segunda-feira (12/4) que não pretender mais conversas com o presidente Jair Bolsonaro, se dizendo decepcionado com ele. O parlamentar divulgou no último domingo (11) o áudio de uma conversa que teve com o mandatário na qual ele pressiona o senador a investigar também na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 governadores e prefeitos.

Ainda no áudio, ele afirmou que “tem que peticionar o Supremo (Tribunal Federal) para colocar em pauta o impeachment (de ministros do STF)”

DECEPCIONADO – Nesta segunda, a apoiadores, Bolsonaro criticou a divulgação, e Kajuru agora se diz “decepcionado” com o presidente. O senador garante que o presidente sabia que o áudio seria divulgado, e que chegou a informá-lo 20 minutos antes de publicar.

“Não tenho mais nada para conversar com ele. Quero distância oceânica dele. Me decepcionei”, disse ao Correio, afirmando que ainda defenderia o governo nas medidas corretas e criticaria quando fosse tomadas atitudes erradas. “Não torcerei contra ele, porque é torcer contra o Brasil”, afirmou.

O senador pontuou que espera que o presidente “pare de falar bobagens e se preocupe com uma doença que ele não soube enfrentar”.

FATOS TERRÍVEIS – “Há fatos que a imprensa vai tomar conhecimento, há fatos terríveis. O presidente da Pfizer [CEO global se chama Albert Bourla] veio conversar com ele aqui no Brasil e ficou das 8h às 18h esperando, e, no final, recebeu a informação de que (Bolsonaro) não iria atendê-lo, em agosto do ano passado”.

De acordo com Kajuru, a informação foi repassada a ele por um ex-ministro que irá depor na comissão. A reportagem aguarda do Palácio do Planalto sobre a acusação. A assessoria de imprensa da Pfizer disse que a informação não procede.

Kajuru afirmou que não é e nunca foi amigo do presidente, e que tem uma relação republicana com ele. O senador disse que ligou para conversar com o mandatário sobre outros assuntos, em especial para defender a sua “honra e de seus colegas” após o presidente os chamar de “canalhada” e afirmar que a intenção da CPI era apenas para “pegar” o presidente.

NO MESMO BALAIO – “Eu não aceitei, porque ele jogou todo mundo no mesmo balaio”, afirmou.

O senador disse que decidiu publicar a conversa, pois, segundo ele, ninguém acreditaria se ele apenas dissesse que o presidente é favorável à CPI, desde que investigue também governadores e prefeitos. “Pensei que para ele, politicamente, seria uma gravação positiva perante a sociedade e os senadores, porque ninguém mais ia falar que ele era contra a CPI”.

O parlamentar rebateu críticas do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), de que “age como um vassalo pedindo para ser poupado pelo presidente”. Kajuru afirmou que sempre dá as suas opiniões, e que não foi vassalo em momento algum. “Eu fiz isso porque eu quis, não porque ele mandou. Não recebo ordem dele”, friso

12 thoughts on “Kajuru diz que não recebe ordens de Jair Bolsonaro: “Quero distância oceânica dele”

  1. Tenho rezado toda noite para que os ministros do STF tenham como habitat o inferno pós morte. Nada contra os magistrados, meu receio é que se eles forem para o céu possam corromper a justiça divina!

    • Sr. Rue des Sablons,

      Quando ele morrerem vão pra casa do c@r@lho!!

      Porque o inferno é aqui, não pode ter nada pior do que viver nesta pocilga infernal!

      Um forte abraço,
      JL

  2. oantagonista: Girão defende ampliação de foco da CPI da Covid: “Não podemos buscar apenas uma verdade”
    —-

    Chupador de saco é com X ou com Ç?

Deixe uma resposta para Luiz Fernando Souza-POA/RS Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *