Lupicínio Rodrigues, o compositor romântico dos nervos de aço

Resultado de imagem para lupicinio rodrigues

Charge do João Bosco (Arquivo Google)

Paulo Peres

Site Poemas & Canções
O compositor gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914-1974), Lupe, como era chamado desde pequeno, compôs músicas que expressam muito sentimento, principalmente, a melancolia por um amor perdido. Foi o inventor do termo dor-de-cotovelo, que se refere à prática de quem crava os cotovelos em um balcão ou mesa de bar, pede um uísque duplo e chora pela perda da pessoa amada. Constantemente abandonado pelas mulheres, Lupicínio buscou em sua própria vida a inspiração para suas canções, onde a traição e o amor andavam sempre juntos e, nesse sentido, “Nervos de Aço” não foge à regra, porque Lupe fala de um sentimento numa ocasião especial, com franqueza.
Além disso, o desejo de morte é superado e surge o canto. Cantar é colocar-se acima das regras; é olhar para o futuro; é transcender o desejo de dor e continuar vivendo. Originalmente, “Nervos de aço” foi lançada em 1947, na Continental, pelo cantor paulista Déo (Ferjalla Rizkalla), mas pouco depois, Francisco Alves também gravou a música na Odeon, conseguindo um enorme sucesso.

NERVOS DE AÇO
Lupicínio Rodrigues

Você sabe o que é ter um amor, meu senhor
Ter loucura por uma mulher
E depois encontrar esse amor, meu senhor
Ao lado de um tipo qualquer
Você sabe o que é ter um amor, meu senhor
E por ele quase morrer
E depois encontrá-lo em um braço
Que nem um pedaço do seu pode ser

Há pessoas de nervos de aço
Sem sangue nas veias e sem coração
Mas não sei se passando o que eu passo
Talvez não lhes venha qualquer reação
Eu não sei se o que trago no peito
É ciúme, é despeito, amizade ou horror
Eu só sei é que quando a vejo
Me dá um desejo de morte ou de dor 

4 thoughts on “Lupicínio Rodrigues, o compositor romântico dos nervos de aço

  1. Carlos Newton e Paulo Peres um final de semana feliz para vocês. Todo boêmio, noturno ou diurno, que já sentou em mesas de bar nas ruas de nosso país, nos tempos das “Radiolas de Ficha” ouviram, e muito, as Músicas do genial gaúcho Lupicínio Rodrigues. Grandes cantores do Brasil gravaram suas Músicas as eternizaram no imaginário romântico do povo brasileiro. Tem uma Música dele que marcou muito minha juventude, ainda com 14 anos meu Pai trouxe um disco de Altemar Dutra onde ele cantava QUEM HÁ DE DIZER, expressão máxima da “solidão coletiva” das mesas de um bar, claro que Nelson Gonçalves e Jamelão , o maior interprete e cantor que dava vidas a poesia do Lupicínio Rodrigues, espalhando amor em forma de encontros e desencontros amorosos do cotidiano de um povo ! VIVA LUPICÍNIO RODRIGUES !!!!

    QUEM HÁ DE DIZER .
    LUPICÍNIO RODRIGUES.

    Quem há de dizer
    que quem você esta vendo
    Naquela mesa bebendo
    É o meu querido amor
    Repare bem que toda vez
    que ela fala
    ilumina mais a sala
    Do que a luz do refletor
    O cabaré se inflama
    Quando ela dança
    E com a mesma esperança
    Todos lhe põe o olhar
    E eu, o dono,
    Aqui no meu abandono
    Espero louco de sono
    O cabaré terminar

    Rapaz!Leva esta mulher contigo
    Disse uma vez um amigo
    Quando nos viu conversar
    Vocês se amam
    E o amor deve ser sagrado
    O resto deixa de lado
    Vai construir o teu lar
    Palavra!Quase aceitei o conselho
    O mundo, este grande espelho
    Que me fez pensar assim
    Ela nasceu com o destino da lua
    Pra todos que andam na rua
    Não vai viver só pra mim !

  2. Nervos de Aço – Lupicinio Rodrigues

    Você sabe o que é ter um amor, meu senhor
    Ter loucura por uma mulher
    E depois encontrar esse amor, meu senhor
    Nos braços de um outro qualquer
    Você sabe o que é ter um amor, meu senhor
    E por ele quase morrer
    E depois encontrá-lo em um braço
    Que nem um pedaço do seu pode ser

    Há pessoas de nervos de aço
    Sem sangue nas veias e sem coração
    Mas não sei se passando o que eu passo
    Talvez não lhe venha qualquer reação

    Eu não sei se o que trago no peito
    É ciúme, despeito, amizade ou horror
    Eu só sei que quando a vejo
    Me dá um desejo de morte ou de dor

    Foi gravado, com sucesso por Paulinho da Viola. Lupicinio a cada decepção amorosa ele sublimava a dor fazendo uma canção. Assim foi com Nervos de Aço – Uma dolorida dor de cotovelo. Ele sabia que a “dor de cotovelo era certeza de sucesso. Joana tem tem uma gravação só com repertório de Lupicinio Rodrigues.

  3. Um fato sobre Lupicinio Rodrigues. Ele frequentava um restaurante de um português que era racista. Um belo dia o garçom se recusa a atende-lo dizendo que o restaurante não queria negros por lá. Lupi chamou a polícia. citando uma lei assinada por Getulio que proibia discriminação racial. O dono do restaurante levou a pior e teve que responder processo judicialmente.

    Vejam que letras em que ele extravasa sei sentimento de um amor perdido; alcançou grande sucesso da voz de Linda Batista?

    Vingança
    Lupicínio Rodrigues

    Eu gostei tanto
    Tanto quando me contaram
    Que a encontraram
    Bebendo e chorando
    Na mesa de um bar
    E que quando os amigos do peito
    Por mim perguntaram
    Um soluço cortou sua voz
    Não lhe deixou falar
    Mas eu gostei tanto
    Tanto, quando me contaram
    Que tive mesmo de fazer esforço
    Para ninguém notar

    O remorso talvez seja a causa
    Do seu desespero
    Ela deve estar bem consciente
    Do que praticou
    Me fazer passar esta vergonha
    Com um companheiro
    E a vergonha
    É a herança maior que meu pai me deixou
    Mas, enquanto houver força no meu peito
    Eu não quero mais nada
    E pra todos os santos
    Vingança, vingança
    Clamar
    Ela há de rolar qual as pedras
    Que rolam na estrada
    Sem ter nunca um cantinho de seu
    Para poder descansar

  4. Está no cd de Joana grava Lupicio. Adriana Calcanhoto também interpreta, lindamente. A letra é sensacional

    Volta
    Lupicínio Rodrigues

    Quantas noites não durmo
    A rolar-me na cama,
    A sentir tantas coisas
    Que a gente não pode explicar
    Quando ama?
    O calor das cobertas
    Não me aquece direito…
    Não há nada no mundo
    Que possa afastar
    Esse frio do meu peito.
    Volta!
    Vem viver outra vez ao meu lado!
    Não consigo dormir sem teu braço,
    Pois meu corpo está acostumado…

Deixe uma resposta para Carmen Lins Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *