Mensagem ao povo sírio, que tem ascendência cristã e vem sofrendo uma guerra interminável

Pode ser uma imagem de comida e texto que diz "PR: s:Senhor, Senhor,tendepiedade Senhor, tende piedade de ós. piedade de Cristo, tende piedade de nós. tende piedade de nós. Deuso to num Somos chamados tende piedade de ou cantado campo. nas alturas:1) homens louvamos,nós nos,2)nósvosado-"

Evangelho de São Tomé inspirou escritores sírios

Antonio Carlos Rocha

“Entre as literaturas cristãs do Oriente, o primeiro lugar, por antiguidade, amplitude e importância, cabe indubitavelmente à literatura siríaca” – esta afirmação é encontrada na página 150, volume 1, da monumental obra “História das Literaturas Universais”, do alemão Wolfgang Einsiedel, publicada em Lisboa, em seis volumes pela Editorial Estampa, em 1973.

A língua siríaca, originalmente era um ramo do aramaico, idioma falado por Jesus Cristo. Talvez, por isso, após a morte de Jesus, circulavam na região muitos textos apócrifos, gnósticos, esotéricos como “O Canto da Pérola”, um dos capítulos dos “Atos”, texto apócrifo atribuído ao Apóstolo Tomé.

INFLUÊNCIA DA BÍBLIA – O poeta sírio Bardesane, mais ou menos (154-222), é o primeiro escritor que se estuda naquela região. Ele escrevia hinos inspirados no Antigo Testamento. O Islã, que domina hoje a Síria, só chegou ao país no século VII.

A primeira frase deste pequeno artigo significa que A Bíblia muito influenciou as literaturas em cada nação do Ocidente e Oriente Próximo. Assim, os textos bíblicos, ainda que tenham abordagens teológicas, eclesiásticas e hagiológicas (sobre a vida dos apóstolos), motivam produções literárias,

Da pena do Apóstolo Tomé, já foi publicado no Brasil “O Quinto Evangelho”, traduzido e comentário pelo jesuíta gaúcho Huberto Rohden (1893-1981), que após largar o hábito monacal, foi ser professor na Universidade de Princeton (presbiteriana), nos EUA, e foi colega de cátedra do grande cientista Albert Einstein, que também gostava de Teologia.

MENSAGEM AOS SÍTIOS – A referida tradução tem o selo recente da editora Martin Claret, 2010, pois antes já fora publicado, nos anos 1970, pelas edições Alvorada/Freitas Bastos.

Esta pequena resenha literária é para abraçar os nossos irmãos sírios, imersos em uma dolorosa e prolongada guerra civil. E daqui, tal como o colega professor Santo Antonio (1195-1231), que foi docente no Seminário em Coimbra, cumprimentos aos sírios em geral, torcendo pela paz na região.

Antonio de Lisboa (ou Antonio de Pádua) era ativista da Paz, vemos hoje o seu bonito Portugal crescendo em harmonia social. A última vez que estive lá, foi em julho de 2019 e vi muitos balconistas trilíngues. A partir de 1974, após a Revolução dos Cravos, que não deu um tiro e não matou ninguém, investiram na educação e a saúde também vai melhorando…

Penso que Antonio de Lisboa seria hoje ligado à Social Democracia.

 

 

4 thoughts on “Mensagem ao povo sírio, que tem ascendência cristã e vem sofrendo uma guerra interminável

  1. Meu varo amigo e professor Rocha,

    Parabéns pelo texto cultural postado, e cumprimentos ao bravo povo sírio pelo sofrimento de anos e anos sem paz, penando sob uma guerra civil sem fim.

    Precisamos de mais artigos como este teu, pois debater política não nos leva a lugar algum, pelo contrário, só nos deixa exasperados, indignados e revoltados, com a forma escolhida de se fazer “política” no Brasil:
    Roubos à base de leis promulgadas em benefício dos legisladores, impunidade, e total desprezo pelo povo brasileiro.

    Um forte abraço.
    Saúde e paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *