Netanyahu vê risco de Bolsonaro ser investigado por ‘genocídio’ de povos indígenas, diz ex-embaixador

Netanyanu percebeu que Bolsonaro é do tipo “confuso”

Yasmim Perna e Alexandro Martello
TV Globo e G1 — Brasília

O ex-embaixador do Brasil em Israel, Paulo Cesar Meira de Vasconcellos, afirmou em telegrama enviado ao Itamaraty em 2020 que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu via “risco real” do presidente Jair Bolsonaro ser investigado pelo Tribunal Penal Internacional por “genocídio de povos indígenas”.

A correspondência, que está em posse da CPI da Covid e foi obtida pela TV Globo, é datada de 7 maio de 2020, quando Vasconcellos ainda chefiava a Embaixada brasileira no país. O documento foi classificado com prioridade “urgentíssima”. Vasconcellos foi substituído no cargo pelo general Gerson Menandro Garcia de Freitas no fim de 2020.

“DEIXOU CLARO” – Paulo Cesar Meira de Vasconcellos cita no documento uma reunião, ocorrida em dezembro de 2019 entre uma autoridade política brasileira em visita à Israel e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, na qual o primeiro-ministro de Israel “deixou claro” que Israel gostaria de contar com “firme apoio” brasileiro a processos no Tribunal Penal Internacional, já que “quando todo mundo estava contra o Brasil durante incêndios da Amazônia, Israel apoiou o Brasil”.

Ainda, segundo a carta, naquele encontro Netanyahu teria dito que o apoio seria mútuo “uma vez que há risco real de que o presidente Bolsonaro venha a ser investigado naquele Tribunal por genocídio de povos indígenas”.

De acordo com o documento, o primeiro-ministro teria dito que acredita que o governo brasileiro poderia vir a ser responsabilizado “internacionalmente” por “omissão na proteção da Amazônia” e “por crimes internacionais no que se refere à proteção de povos indígenas”.

CRIMES INTERNACIONAIS – “Parece-me seguro afirmar que pelo menos parte das autoridades locais, inclusive o primeiro-ministro [Benjamin Netanyahu] acreditam que o governo brasileiro poderia vir a ser responsabilizado internacionalmente no futuro por omissão na proteção da Amazônia e até mesmo por crimes internacionais no que se refere à proteção de povos indígenas“, diz o ex-embaixador brasileiro na correspondência.

O G1 entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores e com o Palácio do Planalto, mas o governo não se manifestou até a última atualização dessa reportagem.

Na correspondência, Vasconcellos também informou ter percebido que “parte expressiva da população local é crescentemente crítica do que percebe como aumento dos níveis de desmatamento, elevação do número de queimadas e relativização do compromisso do governo brasileiro com preservação ambiental e com medidas a fazer frente à mudança do clima”.

OUTROS PROBLEMAS – “Também pesam em desfavor da imagem do Brasil a crescente aceitação local da narrativa de que o governo brasileiro não protege de maneira adequada os povos indígenas do país e, apesar de ser uma das maiores potências internacionais na área de agricultura e pecuária, não possui política clara sobre bem-estar animal”, acrescentou na carta o ex-embaixador em Israel.

Vasconcellos também disse na correspondência que em agosto de 2019, durante o pico das queimadas, o prédio da embaixada brasileira em Israel foi cercado por 10 dias, por manifestantes que demandavam fim das queimadas.

###

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGSem novidade. A condenação internacional ao Brasil é clara e consistente. Apenas Bolsonaro e os generais do Planalto não conseguem enxergar, em função da prepotência e da arrogância predominantes. Netanyahu ficou tão impressionado com essa postura brasileira que fez a sutil recomendação. (C.N.)

21 thoughts on “Netanyahu vê risco de Bolsonaro ser investigado por ‘genocídio’ de povos indígenas, diz ex-embaixador

  1. Netanyahu vê risco de Bolsonaro ser investigado por ‘genocídio’ de povos indígenas, diz ex-embaixador

    NOTA MINHA

    Jair Bolsonaro também precisa ser processado no processos no Tribunal Penal Internacional pela conduta genocida pela morte propositada a cerca de 500 milhões de brasileiros por covid-19 pela ação deliberada de matar cerca de 500 milhões de brasileiros por enganar com seu exemplo, atitudes, palavras e recomendações, reiteradas até hoje, ao ocupar a presidência da República, por iludir com sua liderança aos incautos e desinformados brasileiros de não manter o isolamento social, estimular aglomerações sem máscara, dizer que foi portador de covid-19 e foi curado do coronavírus, o que provocou festas clandestinas centenas de vezes com festas e aglomerações sem máscara, promover aglomerações sem máscara para fazer comícios de cunho eleitoreiro em várias cidades, porque, sendo o principal líder da população fez e continua promovendo o não uso de máscara, a promoção de aglomerações, renegando vacinas ou dela duvidando, daí o atraso por boicotar por meses a compra de vacinas quando foram oferecidas já no ano passado, e agora o povo brasileiro está sendo vacinado a conta-gotas, o que está promovendo milhares de mortes que poderiam ser evitadas se as vacinas houvessem sido compradas em tempo. Deliberadamente não fez campanha nas televisões para esclarecer as populações sobre a importância das vacinas, sabotando os ministros da Saúde sérios, zombando dos brasileiros ao colocar por vários meses um general (Pazzuello) como ministro da Saúde, como um ajudante de ordens do presidente, para cumprir um calendário negacionista que assassinou muitos milhares de brasileiros com covid-19.

    Bolsonararo é um genocida, não só dos indígenas, mas é o genocida que matou até agora por suas ações e omissões cerca de 500 milhões de brasileiros. Precisa ser processado no Tribunal Penal Internacional porque a Justiça brasileira, incluindo o STF ante o genocídio continuado sequer tomou uma providência, e o presidente da Câmara dos Deputados tem um presidente bolsonarista que está sentado em cima de mais de mil processos de impeachment contra Bolsonaro, mas não abre nenhum dos processos de impeachment de jeito nenhum, por mais circunstanciados que sejam, sendo um cúmplice do genocídio de brasileiros, que neste ano pode resultar e um milhão de brasileiros mortos por covid-19.

  2. Na ideologia da extrema direita está a eliminação dos indesejados, senão a conversão. Então, os índios que vistam a camisa – por assim dizer – se despindo de suas crenças. É a eliminação dos traços culturais. A chamada muitas vezes por Bolsonaro de “integração”.

    É presidente¹ Genocida²

    ¹ com p minúsculo
    ² com G maiúsculo

  3. Renato; foi um aviso e “quem avisa amigo é”.
    Seria bom o “tosco” e seus pares vistoriar o passado e checar o ditador do Panamá Noriega que terminou seus dias em uma prisão nos EEUA.

    • Pois é. A história se repete mais uma vez!

      Esse pessoal gosta de se rastejar para norteamericanos e sionistas, depois quando os mesmos viram as costas pra eles e ajudam a derruba-los esses viralatas não sabem porque!

  4. Renato,

    Misturaste alhos com bugalhos.
    Netanyahu não traiu Bolsonaro, como queres dar a entender. O político israelense diverge da forma como nossos indígenas estão sendo tratados pelo atual governo.

    Evidente que o premier judeu não tem lá muita moral para acusar alguém de maus tratos, haja vista as suas relações com os palestinos mas, na sua função, externou a sua opinião a respeito da situação indígena no Brasil.

    • Diverge da forma como nossos indígenas estão sendo tratados?!?!?!?!

      Vindo isso de um Estado como o israelense que extermina brincando palestinos?!?!?!?!?!?!

      O historiador de Wikipédia, são brasileiros que estão morrendo. Sejam índios, brancos, negros,…

      A sutileza desses governos que querem nos dar lições de moral, que eles mesmos não tem, começa nessa narrativa hipócrita de querer induzir que existem as tais “Nações Indígenas”!

      Como sabemos que agora TUDO será uma narrativa de GUERRA HÍBRIDA contra o Brasil para uma futura invasão internacional, não fico surpreso que pessoas como você apoiem as narrativas picaretas de sionistas iguais ao Netanyahu .

      Quando os capacetezinhos azuis da ONU estiverem aqui no Brasil bombardeando nosso território liderados pelo Titio Sam, incluindo as favelas e áreas indígenas, para eles se livrarem das tais “minorias” de uma vez, lembre-se dessa nossa conversa.

      • Renato,

        Fizeste uma confusão tão grande com a minha resposta, que não vou me dar o trabalho de responder.

        Lê mais uma vez o meu parágrafo, antes de destilares a tua bile sem qualquer necessidade

        “Evidente que o premier judeu não tem lá muita moral para acusar alguém de maus tratos, haja vista as suas relações com os palestinos mas, na sua função, externou a sua opinião a respeito da situação indígena no Brasil.”

        Ainda bem que o gosto de fel fica na tua boca.

        • Eu entendi muito bem o seu comentário.

          Mas mesmo assim você dá razão ao picareta sionista do Netanyahu, que acaba de provar que pra eles (sionistas) não tem esse negócio de “amizades diplomática”.

          Mas já que pareces que acreditas que “o mundo está preocupado com o Brasil ser uma ameaça em relação a tal pandemia”, repito aquilo que escrevi mais acima com acréscimos, pois te cobrarei mais tarde:

          Quando os capacetezinhos azuis da ONU estiverem aqui no Brasil bombardeando nosso território liderados pelo Titio Sam, incluindo as favelas e áreas indígenas, para eles se livrarem das tais “minorias” de uma vez, alegando que é para salvar o mundo da tal pandemia, lembre-se dessa nossa conversa.

  5. Matéria mentirosa, não tem nada acontecendo com os indios. Duvido que Netaniahu tenha dito isso. Antes o que era dos indios ia para ONGs e estrangeiros, agora não vai mais. Essa é a verdadeira bronca dos desmamados. Como diz a poetiza Malu “o choro é livre”.

    • Disse sim!

      O pior é que o Bozo acreditou que assassinos de palestinos como esses sionistas de Israel são nossos amiguinhos, devido a influencia nefasta dessas seitas obscuras protestantes brasileiras, que só pessoas que não possuem 2 neurônios ainda não sabem que essas seitas obscuras protestantes brasileiras trabalham para os interesses do Titio Sam, em uma clara evidencia de GUERRA HÍBRIDA contra o Brasil.

  6. Os israelenses conhecem as mentiras e as armações da ralé esquerdista. Estava em busca do apoio do Brasil no TPI e ofereceu o apoio do seu país em troca, simples.

    Políticas genocidas nada tem a ver com a direita. É uma característica predominante da mentalidade “progressista”. Duvida?
    – o que disse Marx sobre as populações atrasadas?
    – o que diziam os intelectuais progressistas do início do século passado sobre a eugenia?
    – o que diziam os políticos do Partido Democrata sobre os negros?
    – quem comandava a Ku Klux Klan?
    – Margareth Sanger era direitista?
    – em quais políticas o socialista Hitler se espelhou para criar seus campos de concentração e de extermínio?
    – No Brasil de hoje, quem incentiva o racismo?

      • Excelente matéria, Sr. Leão da Montanha, Sr. Leão da Montanha. Isto enterra de vez os bolsonaristas que tentam dizer, com suas mentes ensandecidas e obtusas, de que o Nazismo foi um movimento de Esquerda. O assunto foi bem conduzido por especialistas no assunto, que são analistas sérios e historiadores que afirmam que o Nazismo foi um movimento de extrema-direita, a mesma extrema-direita de Olavo de Carvalho e Jair Bolsonaro e seus asseclas criminosos, especialmente no texto abaixo :

        “O historiador Wulf Kansteiner, da Universidade de Aarhus, deixa claro que os nazistas jamais seguiram políticas de esquerda. “Ao contrário, propagavam valores da extrema direita, um extremo nacionalismo, um extremo antissemitismo e um extremo racismo. Nenhum especialista sério considera hoje o nazismo de alguma forma um fenômeno de esquerda. Por isso, da perspectiva acadêmica histórica, essa declaração é uma asneira”, afirma”.

      • Leão da Montanha,

        O Cortella é um notório socialista e seria uma surpresa se ele fizesse uma análise mais profunda sobre o caráter progressista da ideologia nazi-fascista. O partido de Hitler traz o seu progressismo gravado no próprio nome e no seu programa. Para o socialista Cortella, o partido “nacional socialista dos trabalhadores alemães” é o único do mundo que não é socialista, claro, apesar de um programa de raiz coletivista que despreza o liberalismo, o indivíduo e a religião. Cortela faz aquilo que critica no seu vídeo, uma ressignificação do termo “socialista”.

        A Deustche Welle é uma espécie de Globo News muito mais progressista, rica e sofisticada; suas rasas reportagens só escutam “especialistas” que concordam com o seu lado político. Ninguém comenta o programa do NSDP, ninguém fala dos ideólogos nazi-fascistas, ninguém fala da formação política de Mussolini, ninguém fala sobre quem apoiava as idéias eugenistas no início do séc XX. Tudo isso é mantido sob sete chaves.

        Quem desejar saber realmente o lado político do nazi-fascismo deve beber nas fontes dos movimentos, estudando a biografia dos seus criadores e dos seus ideólogos. Felizmente há bons livros sobre o assunto, todos recheados informações baseadas numa vasta bibliografia:
        – “A Grande Mentira”, Dinesh D’Śouza
        – “Fascismo de Esquerda”, Jonah Goldberg
        – “O caminho da servidão”, F. Hayek
        – “Leftism – from de Sade and Marx to Hitler and Marcuse”, Erik von K Leddihn

    • Mesmo assim o vira-lata apoia o estado carniceiro e matador de palestino chamado Israel!!!!!!!!!!!!

      Já era para o Bozo, rapazinho!

      Os patrões sionistas dele já não precisam do dito cujo. Daqui pra frente o apoio que o Bozo tinha vindo deles vai aos pouco sumir, e até os idolatras do estado de Israel que são as seitinhas obscuras protestantes brasileiras vai pular fora do barco com o tempo.

    • O Turíbio, acima, fez um “engasga gato” tão grande, que dificilmente se pode responder tanta confusão – ou seria de propósito? – em termos históricos!

      Classificar o socialismo alemão à época de Hitler como de esquerda, significa uma ignorância tamanha, que o questionador deveria se envergonhar da sua pergunta!

      Se não sabia, Hitler foi desde o início da sua campanha e ascensão política, “ultra-mega-super-hiper” inimigo dos comunistas!
      O socialismo dos trabalhadores alemães foi um movimento essencialmente para o povo alemão, diante da inoperância da aristocracia militar alemã que aceitou, sem maiores protestos, as humilhações do Tratado de Versalhes.

      A falta de conhecimento a respeito até mesmo da palavra socialismo é tanta – e sem que o autor fique envergonhado -, que ele deveria também afirmar que a social democracia escandinava e alemã pertence à esquerda!

      A respeito da pergunta que faz sobre o Partido Democrata com relação aos negros, Turíbio exibe a sua suprema ignorância, quando tenta abordar a história contra a esquerda.

      Na Guerra Civil dos Estados Unidos (1861-1865), os fazendeiros escravocratas dos estados do Sul eram filiados ao Partido Democrata e lutaram contra os republicanos do Norte, capitaneados pelo abolicionista Abraham Lincoln.

      Logo após o conflito, foi fundada a Ku Klux Khan, KKK, no Tenessee.
      Essa organização racista tinha entre os seus líderes vários políticos democratas, a ponto de ter sido considerada um braço armado do partido. Entre suas vítimas estavam muitos republicanos, brancos e negros.

      Hoje os dois lados se inverteram. Hillary Clinton, a pré-candidata democrata, levou quase todos os votos negros na Super Terça, quando candidata à Casa Branca.

      Barak Obama, o presidente negro (ainda que de mãe branca) é democrata e levou quase todos os votos negros naquela Super Terça.
      Barak Obama, o presidente negro (ainda que de mãe branca) é democrata.

      E Donald Trump, o pré-candidato republicano, evitou condenar o apoio de um de um líder da KKK, David Duke ou, por acaso, Trump era de esquerda??!!

      Certamente Turíbio não sabe como essa mudança se realizou.
      Vou explicar:
      Como essa reviravolta aconteceu?

      A primeira migração dos eleitores negros para o terreno democrata se deu durante o governo de Harry Truman (1945-1953). Democrata, ele baixou decretos contra a segregação nas forças armadas e no funcionalismo público e discursou contra a segregação racial.

      A segunda onda, bem mais intensa, veio nos anos 1960, na sequência dos protestos contra as leis estaduais que separavam negros e brancos em lugares públicos e escolas.

      Após o assassinato do pastor batista Martin Luther King, a mais contundente voz desse movimento, quem tomou a dianteira foi o pastor democrata Jesse Jackson, seu colega.

      Enquanto Luther King pregava a igualdade de todos os americanos, Jackson ressaltava as diferenças e fez campanha pelas políticas multiculturalistas de ação afirmativa, como as cotas raciais.

      Medidas desse tipo já estavam sendo implementadas pelo presidente republicano Richard Nixon, mas os democratas foram eficientes em roubar a paternidade da coisa. “Quando Nixon, com o Plano Filadélfia, tentou recuperar o espaço perdido pelos republicanos entre os negros, os democratas abraçaram as políticas de ação afirmativa e passaram a reclamar o estatuto de pioneiros”, escreve Demétrio Magnoli no livro Uma Gota de Sangue (Contexto).

      O apoio do presidente democrata Bill Clinton às políticas de preferências raciais nos anos 1990 e a eleição de Barack Obama em 2008, com mais de 80% dos votos dos negros, sedimentou a a transição do voto negro para o campo democrata.

      Quanto a Marx, o desconhecimento sobre o filósofo alemão é tanto, que não há como debater o comunismo com quem ainda acredita que o movimento incentiva comer crianças!

      Apenas para Turíbio se orientar, menciono dois pontos fundamentais na filosofia marxista:

      Para Marx, a ideologia tornou-se instrumento de dominação da classe dominante (a burguesia) sobre a classe dominada (o proletariado). … A ideologia era o meio de manter as pessoas calmas por meio de uma ilusão: a de que o capitalismo e a propriedade privada eram meios justos, situação ainda vigente nos tempos de hoje.

      A principal corrente crítica à ideologia é formulada pelo filósofo alemão Karl Marx (1818-1883) para explicar a causa da alienação econômica. …
      Deste modo, a ideologia impede que a sociedade perceba o vínculo interno entre o poder econômico e o poder político.

      Deixa de sofismas, Turíbio, se queres postar verdades, e não insinuações ridículas e improcedentes.

  7. ” ” Turíbio 13 de junho de 2021 at 11:58.
    Os israelenses conhecem as mentiras e as armações da ralé esquerdista. Estava em busca do apoio do Brasil no TPI e ofereceu o apoio do seu país em troca, simples.” “.

    Resumindo: Ele estava apenas alertando o Bolsonaro.
    O que ninguém fala, é quem e esse embaixador.

    ‘ ‘ ‘Garcia entrará no lugar do embaixador Paulo Cesar Meira de Vasconcellos, que já foi chamado de “petista” por Bolsonaro.’ ‘ ‘

  8. ” ” Turíbio 13 de junho de 2021 at 11:58.
    Os israelenses conhecem as mentiras e as armações da ralé esquerdista. Estava em busca do apoio do Brasil no TPI e ofereceu o apoio do seu país em troca, simples.” “.

    Resumindo: Ele estava apenas alertando o Bolsonaro.
    O que ninguém fala, é quem e esse embaixador.

    ‘ ‘ ‘Garcia entrará no lugar do embaixador Paulo Cesar Meira de Vasconcellos, que já foi chamado de “petista” por Bolsonaro.’ ‘ ‘

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *