No Dia das Mães, Bolsonaro ignora regras sanitárias e provoca aglomeração com motoqueiros

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Braga Netto (Defesa), à esq., em ato com motoqueiros em frente ao Alvorada

Na portaria do Alvorada, a cena se repetiu e ninguém usava máscara

Ricardo Della Coletta
Folha

O presidente Jair Bolsonaro mobilizou neste domingo (9) centenas de motoqueiros para um passeio por Brasília, o que provocou aglomeração de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

O presidente e diversos simpatizantes não utilizavam máscaras. Ao final do passeio, Bolsonaro cumprimentou apoiadores ao lado da entrada da residência oficial, contrariando mais uma vez recomendações sanitárias para a contenção da Covid, que já matou mais de 420 mil brasileiros.

CARAVANA DE MOTOS – Bolsonaro afirmou que a caravana de motociclistas, que percorreu as principais vias do centro de Brasília por cerca de uma hora, era uma homenagem ao Dia das Mães. Ele disse ainda que espera fazer passeios semelhantes em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Desde o início da disseminação do novo coronavírus, Bolsonaro tem falado e agido em confronto com as medidas de proteção, em especial a política de isolamento da população. O presidente já usou as palavras histeria e fantasia para classificar a reação da população e da imprensa à doença.

Além dos discursos, o presidente assinou decretos para driblar decisões estaduais e municipais, manteve contato com pessoas na rua e vetou o uso obrigatório de máscaras em escolas, igrejas e presídios —medida que acabou derrubada pelo Congresso.

BANDA MILITAR – Neste domingo, tanto na partida quanto na chegada do Alvorada, havia uma banda militar para fazer a trilha sonora do passeio do presidente.

Ele foi recebido de volta à residência oficial da Presidência com a música tema da série de televisão Game of Thrones e pelo Tema da Vitória, canção instrumental utilizada na vitória de pilotos brasileiros de F1.

​Num discurso a apoiadores, ao lado do general e ministro Braga Netto (Defesa), Bolsonaro voltou a usar a expressão “meu Exército” e disse que os militares não irão para as ruas cumprir ordens de distanciamento social de prefeitos e governadores —o que nem está em discussão em estados e municípios.

“MEU EXÉRCITO” – “Tivemos problema gravíssimo no passado, algo que ninguém esperava, a pandemia. Mas aos poucos vamos vencendo. Podem ter certeza, como chefe supremo das Forças Armadas, jamais o meu Exército irá às ruas para mantê-los dentro de casa”, discursou o presidente.

O ato com motoqueiros foi convocado pelo próprio presidente, que durante a semana disse esperar o comparecimento de mil motociclistas. A Polícia Militar do Distrito Federal não fez estimativa de público.

No começo deste ano, quando os números já apontavam para novo avanço da Covid no país, Bolsonaro também afirmou que o Brasil estava vivendo “um finalzinho de pandemia”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
O presidente está em campanha permanente, 365 dias ao ano. Fazendo uma imitação caricata da Dona Bela, vivida por Zezé Macedo na Escolinha do Professor Raimundo, Bolsonaro só pensa naquilo… (C.N.)

 

7 thoughts on “No Dia das Mães, Bolsonaro ignora regras sanitárias e provoca aglomeração com motoqueiros

  1. Impeachment impeachment impeachment impeachment
    Já já já kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Essa imprensa corrupta está completamente louca perdida nas argumentações. Chama aí o lacaio Arruinaldo Azedo. Chama?
    Eu ia dizer um palavrão, mas para não ter meu comentário deletado, deixa pra lá.
    Ah país vagabundo.

  2. Que vergonha. O país está sendo considerado a piada global.
    Atacam o Supremo e o ministro Barroso, presidente do TSE,bosta intimidar os juízes para fazerem vista grossa na descarada campanha antecipada de presidente em 2022. Ou outros não podem, o presidente pode fazer campanha diariamente.
    E ainda dá mal exemplo, andando de moto, a pé, a cavalo, tudo sem máscaras. Não dão bola para a ciência, para os cuidados para evitar o contágio da Covid. 400 mortes e não levam a letalidade do vírus a sério.
    Acho, que pensam em manipulação das estatísticas ou então, que só morrem idosos. Acho que é isso, depois que o Ministro Paulo Guedes afirmar, que os idosos estão vivendo muito e em consequência causar prejuízo só Estado e a Economia. Só faltou dizer que os idosos são vagabundos, conforme declarou FHC dobre os aposentados.
    Que fase é essa?

  3. Não se preocupe, nobre CN, a coisa (o nível) vai piorar muito no ano que vem, se sobrevivermos até lá. E deve-se creditar boa parte da culpa ao FHC e sua reeleição esdrúxula, sem desincompatibilização. Com a superexposição na mídia e a caneta na mão, como se viu nesta semana na nomeação da esposa do deputado do Centrão para Itaipu, é covardia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *