Resultado do Datafolha terá reflexos intensos e trará à tona entrevistas de Mourão

Presença política de Mourão vai se tornar um ponto de referência

Pedro do Coutto

Com base nos números revelados ontem pelo Datafolha, cresce a importância da entrevista do general Hamilton Mourão aos repórteres Gustavo Uribe e Leandro Colon, publicada na Folha de São Paulo de 11 de março de 2021. Nessa entrevista, de página inteira, o vice-presidente da República afirmou que o povo é soberano e se ele quiser a volta de Lula, “paciência”, teremos que aceitar pois vivemos em um regime democratico que sustenta o estado de direito. Devemos receber o resultado naturalmente.

A opinião de Mourão na ocasião é a mesma mantida em relação às questões políticas do momento. Ele, por exemplo, afirmou em uma entrevista à GloboNews que o general Eduardo Pazuello não tem como deixar de comparecer à CPI da Pandemia e deve fazê-lo à paisana, usando, portanto, trajes civis, uma vez que o cargo que desempenhou não é militar.

PONTO DE REFERÊNCIA – A presença política de Hamilton Mourão vai se tornar um ponto de referência após a divulgação e levantamento do Datafolha, porque  se o presidente Jair Bolsonaro, desde o início de 2020, encontra-se em campanha pela sucessão, no momento em que sentir que o voto popular não poderá levá-lo a um novo mandato, tentará interromper o processo sucessório, provavelmente baseado na expressão que voltou a usar de “meu Exército”.

Ingressaremos, dessa forma, num período bastante sensível com o deslocamento de ações políticas para o universo das Forças Armadas. Não creio que as Forças Armadas possam participar  de uma tentativa de golpe de Estado, pois as afirmações dos generais Edson Pujol e Paulo Nogueira representam um posicionamento bastante claro quanto ao respeito à Constituição, à democracia e à liberdade.

Jair Bolsonaro deve estar sendo aconselhado nesta altura dos acontecimentos a tentar a reconquista do espaço em áreas carentes como colocou em prática, ampliando as medidas do governo no Nordeste. Aliás, as ações no Nordeste e em todo o país com base no auxílios-emergenciais e da distribuição das cestas básicas, conforme observei na época, produziram efeitos, mas que se evaporam através do tempo.

MANUTENÇÃO DE PROGRAMAS – Evaporam em período curto, principalmente ao que se refere ao auxílio de emergência. Quando se começa a liberar qualquer medida importante para os grupos que estão sofrendo até fome, não se pode recuar e deixar de se manter tais programas. É natural que todos os incluídos em faixas de melhoria, seja ela qual for, tenham sempre na imaginação a perspectiva de que o que era essencial continuaria a ser permanente.

Dessa forma, o auxílio de emergência que começou com um determinado valor e que agora termina com outro menor, causa um sentimento de frustração, uma vez que os beneficiados passam a sair de uma esfera relativa de conforto para um plano de decepção.

RELATIVIDADE – Como definiu Einstein, “tudo é relativo, só Deus é absoluto”. O relativo não pode ser de maneira alguma afastado da visão das pessoas que analisam os fenômenos políticos e que sabem que tais análises não podem ser calcadas em superfícies de gelo, como se o que aconteceu ontem pudesse ser mantido na neve ao longo dos espaços de tempo que vem a seguir na política, na economia, na administração, nas relações humanas.

O Datafolha destacou com bastante nitidez a realidade política atual. Se esta realidade mudar ou não, o caminho das urnas é outro assunto. Mas, pessoalmente, acho que não mudará, pois em matéria de voto, no caso voto de aprovação ou rejeição, quando o candidato recua dificilmente irá se recuperar.

DEPOIMENTO DE PAZUELLO –  Jussara Soares, O Globo de ontem, publica matéria revelando que a Advocacia Geral da União está preparando recurso ao Supremo para que o ex-ministro Eduardo Pazuello possa ficar em silêncio no depoimento marcado pela CPI no dia 19, quarta-feira. A AGU pensa alegar que na verdade Pazuello comparecerá como investigado e não como testemunha.

Entretanto, de forma surpreendente, o senador Flávio Bolsonaro defende a presença do ministro e que ele responda as perguntas que lhe forem endereçadas. Disse que Eduardo Pazuello terá a oportunidade de responder e rebater as acusações em massa que foram publicadas pelos jornais e divulgadas pelas emissoras de televisão.

LUCRO DOS BANCOS  – Larissa Garcia, Folha de São Paulo, informa que o lucro da Caixa Econômica Federal no primeiro trimestre do ano alcançou R$ 4,6 bilhões.  

O banco Itaú, no mesmo período, teve um lucro de R$ 65 bilhões, o Bradesco de R$ 64 bilhões; o Banco do Brasil de R$ 4,9 bilhões. Como não há crédito sem débito, e vice-versa, deixo uma pergunta no ar: quem pagou todos esses lucros? E ainda falta o Santander divulgar as suas contas no período de janeiro, fevereiro e março.

7 thoughts on “Resultado do Datafolha terá reflexos intensos e trará à tona entrevistas de Mourão

    • PS.
      E a Famiglia também vai continua IMPUNE e vai desfrutar dos milhões roubados…
      Sem serem incomodados pela JUSTICINHA DE MÈRIDA BRASILEIRA.

  1. Quanto ao lucro dos bancos, há dois erros nos números. Faltou a vírgula nos lucros do Itaú e Bradesco (6,5 e 6,4 bi). O Santander teve lucro de 4 bi.

    De qualquer maneira, o financeirismo no Brasil sempre está bem.

  2. 1) Por falar em relatividade, licença, ouvi alhures:

    2) Flavan… a respeito do patrocínio que o time carioca assinou contrato…

    3) Conheço gente que está deixando de ser rubro-negra…

    4) E onde está a relatividade? Ora, o Hino da citada agremiação diz: “Uma vez Flamengo, sempre Flamengo”.

    5) Agora é… nem sempre…

    6) Escrevo com todo o respeito aos torcedores…

    7) Em tempo… sou América verde e branco, lá do Recife.

  3. O auxílio emergencial é uma prova do completo despreparo do Presidente e de seus Ministros. Como são negacionistas, achavam que a pandemia era um surto de pouca duração. Realmente o valor apressadamente pago sem uma seleção precisa e com valor superior ao Bolsa Família, so poderia dar nisso.

  4. Essa é a primeira vez que leio que Einstein afirmou que “tudo é relativo, só Deus é absoluto”. Agradeceria se citasse alguma referência. A propósito, Einstein disse:

    “Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana; mas não estou certo no tocante ao universo.”

    “Two things are infinite: the universe and human stupidity; and I’m not sure about the universe.”

  5. Se pagassem ao senhor Einstein direito autoral à citação de frases erroneamente atribuídas a ele acerca de uma suposta relatividade universal e da hipótese da existência de um Deus, seus eventuais herdeiros estariam biliardários.

    PS: O senhor general Mourão que compareceu em Ato maçônico, reservado a Maçons e seus convidados, em espaço físico da Maçonaria trajando sua melhor farda de General do EB, agora sugere que o não menos general Pazuello se prive deste direito e privilégio?
    Porque?
    Onde está a diferença de situação e contexto que autorize a sugestão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *