Sepulveda Pertence volta a elogiar os conselheiros afastados do Conselho de Ética do Planalto

Sepúlveda Pertence, que deixou segunda-feira a presidência da Comissão de Ética da Presidência, disse ao repórter Chico de Góis, do Globo, que foi avisado há alguns meses, por um auxiliar da presidente Dilma Rousseff, de que ela não reconduziria os conselheiros Marília Muricy e Fábio Coutinho a mais um mandato de três anos.

Ele esperou até segunda-feira para anunciar sua decisão de se retirar da presidência do órgão para não parecer que se opunha aos três novos conselheiros escolhidos por Dilma.

Mesmo evitando comentários sobre os motivos da presidente, lamentou o fato, lembrando que é uma tradição o segundo mandato dos conselheiros, e declarou que ouviu murmúrios de que a não recondução de seus dois apadrinhados ocorreu por conta da atuação deles na comissão, que não tem mordomias nem remuneração.

Ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse Sepúlveda: Lamentei a não recondução porque se trata não apenas de duas pessoas que aceitaram participar da comissão por indicação minha, como são dois valores excepcionais, seja do ponto de vista moral, seja da perspectiva intelectual.

Pimentel está encrencado

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGDetalhe importante: no caso do ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, o processo ainda está em andamento. Foram pedidos novos esclarecimentos, alargando-lhe a possibilidade de defesa. Mas o problema do Planalto é que não adianta ampliar a possibilidade de defesa, porque Pimentel não tem como explicar ter recebido R$ 1 milhão da Federação das Indústrias do Estado de Minas Geral para pronunciar palestras em cidades do interior, e não ter feito uma só delas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *