Uma entrevista de Mangabeira Unger que vale a pena ser assistida

Resultado de imagem para roberto d'avila e mangabeira unger

Mangabeira tem teses que deviam ser discutidas

Arialdo Pacello

Assisti a uma entrevista de Mangabeira Unger na  Globonews, feita por Roberto D’Ávila. Gostei muito. Pode-se concordar ou discordar de Mangabeira, claro, mas não se pode negar que é um pensador sério e profundo. Tanto é assim que conquistou sua cátedra numa das mais famosas universidades do mundo – Harvard – onde é professor de Direito desde 1980.

Mangabeira Unger (1947), brasileiro nascido no Rio de Janeiro, tem avós maternos baianos. Foi crítico duríssimo do primeiro mandato de Lula. Mas depois foi ministro de Lula, e também ministro de Dilma. É professor titular da Universidade de Harvard, desde 1980.

Se Mangabeira tivesse tomado qualquer teórico social como modelo, acho que seria Karl Marx. Sua teoria da sociedade é de muitas maneiras um esforço para elaborar uma alternativa abrangente à teoria de Marx: uma alternativa que sustenta a intuição principal da sua obra – e na verdade de toda a teoria social clássica -, de que nós somos os criadores da sociedade e de suas estruturas…

VALE A PENA VER – Creio que a entrevista vale muito como cultura geral, e como sugestão para melhorar o Brasil, e para conhecermos um pouco mais o pensamento desse brasileiro que vive nos EUA há muito tempo, mas conhece profundamente nosso país, sua cultura, seus políticos e os anseios de seu povo.

Diante disso, depois que vi a entrevista, procurei o respectivo vídeo na Internet,  e o acessei através de minha concessionária de TV por assinatura.

CONFIRAM O RESUMO – Aqui está um resumo, que me dei ao trabalho de fazer, com menção de alguns tópicos da entrevista e citação aproximada do tempo em que foram feitos:

“4:50  — O Brasil precisa substituir uma educação decoreba por uma educação analítica e capacitadora.

6:10  — Eu quero uma democracia no Brasil que não dependa do dinheiro privado. Uma democracia que facilite o acesso do cidadão aos meios de comunicação.

7:40  — Perguntado por D’Ávila sobre as reformas propostas por Temer, Mangabeira respondeu: “Em nenhum lugar do mundo essas reformas [trabalhista, previdenciária etc.] que Temer quer fazer no Brasil funcionaram. Não deram certo em parte alguma. O Brasil precisa de reformas que democratizem as oportunidades e as capacitações.

8:40  — D’Ávila disse a Mangabeira que o Estado brasileiro é paquiderme. Mangabeira retrucou e ressalvou, dizendo que o Estado brasileiro tem ilhas de excelência. [Algumas instituições admiráveis]. 

10:30  — O papel do Estado não é só regular o mercado, não é só atenuar as desigualdades sociais, compensatórias – é democratizar o mercado.

11:10  — Todo mundo aqui no Brasil finge ser “social” alguma coisa, social liberal, social democrata… – O que é social? O povo brasileiro, agora, quer inovar, quer construir. E o projeto de que precisamos neste grande momento da história brasileira é um projeto que venha ao encontro dessa energia humana assombrosa, anárquica, quase cega, que é o atributo mais importante do País.

14:40  — O que é importante no Brasil é essa energia humana. E a nossa tragédia histórica tem sido negar à maioria dos brasileiros os instrumentos econômicos e as oportunidades de ensino necessário. Nós, coletivamente, precisamos ser generosos uns com os outros. Mas o Brasil está agora envenenado. Nós precisamos recuperar a esperança. E a esperança é uma consequência da ação, e sobretudo da ação coletiva. [Neste ponto, Mangabeira pareceu-me refletir a influência que deve ter tido de Karl Marx, para o qual a história é fruto da ação homem.] 

15:10  — O Brasil precisa romper com sua maior mazela, que é o colonialismo mental. Devemos aproveitar o pendor criativo e anárquico do povo brasileiro, para apresentar cada assunto, cada matéria de pontos de vista contrastantes [Neste ponto, Mangabeira fez-me lembrar do processo dialético]. O salazarismo contábil que está no poder…(risos de D’Ávila), o foco exclusivo na agenda policial de corrupção não vai nos salvar. Nós só poderemos nos levantar se mudarmos nossas instituições econômicas e políticas. E não devemos copiar os modelos dos livros europeus e norte-americanos. Temos que ousar.

22:50 – Deve haver o debate e o conflito. [Para que ocorram as mudanças]. O Brasil é irresistível. O atributo mais importante do Brasil é a sua vitalidade!”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
 – Este artigo foi enviado à Tribuna da Internet por Sergio Caldieri, que anexou o link com a íntegra do vídeo. São cerca de 25 minutos. Vale a pena ver. As teses de Mangabeira merecem ser discutidas. Abram e vejam:

https://globosatplay.globo.com/globonews/v/5829268/

9 thoughts on “Uma entrevista de Mangabeira Unger que vale a pena ser assistida

  1. Para quem foi ministro do Lulla e da Dilma, ele é bem coerente: com o roubo, com as falcatruas com o uso do dinheiro público em benefício próprio.

  2. Se a intenção do artigo era divertir os leitores no fim de semana, falhou (minha opinião). De cara, ao ler a menção sobre modelo teórico social me deu náuseas e o nome de Karl Marx me levou direto ao banheiro.
    É de entristecer qualquer um a atitude desses ideólogos sem ocupação. Não se cansam de recorrer a modelos socioeconômicos para resolverem problemas econômicos e sociais atuais. Notem: já está provado que a democracia e o capitalismo funcionam no nosso país. Não dá para perder tempo com elucubrações e testes só porque alguns ainda se apegam a modelos bolorentos. Estamos no século XXI e precisamos de educação boa e acessível a todos – não para sermos chamados de doutores, mas para competir, melhorar de vida! Precisamos moralizar o país, precisamos mudar para garantir melhores condições de vida a todos. Isso se faz com uma boa porção de vergonha na cara e determinação para mudar. A solução existe, basta implementá-la.

  3. Com o devido respeito, por não gostar de opinar sobre o que pensa outro acerca de manifestações de outro, estou assistindo, pela 2º vez, o material disponibilizado pelo link.
    Aliás, para não dar muito trabalho, aqui vai uma sugestão. Entre no link abaixo. É direto e abre outros videos.
    E assistirei outra vez pois, neste momento assisto outro video com o mesmo senhor.
    O tema é interessantíssimo para quem gosta de pensar, analisar e tirar conclusões.
    Fallavena

  4. O único Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, completamente definido, aberto, sincero, democrático e do tamanho das necessidades do Brasil, existe apenas um, original, completo, com começo, meio e fim, nome, sobrenome, RG, CPF e endereço certo, e atende pela alcunha de RPL-PNBC-DD-ME, e o resto, me desculpem a franqueza, não passa de mais dos me$mo$, sofismas, bravatas… E se não é do PNBC-DD-ME que Mangabeira está falando, podem enquadrá-lo por plágio, ainda que meio capenga. O problema do Mangabeira, FHC, Marina…, entre outros intelectuais, é que, não se sabe porque cargas d’água, eles tem imensa dificuldade em pronunciar o nome do milagre e do santo.

  5. Mangabeira defende essas ideias há mais de 25 anos, quando apoiou Brizola em 89, e votei nele para deputado federal em 1990. Concordo com a maior parte delas, e ele as expôs e condensou no livro que escreveu em 1995 com Ciro Gomes, intitulado “O Próximo passo”. Ciro depois que foi Ministro da Fazenda no Plano Real, foi estudar em Harvard e, junto com Mangabeira, elaborou um verdadeiro plano de governo social-democrata que em muitos aspectos ainda é atual, mesmo 20 anos depois. Engraçado é ele falar em democratização das comunicações na Globo, entrevistado por D’ávila, um ex brizolista convertido em amestrado da Globo.

Deixe uma resposta para Paulo2 Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *