Atenção, Jair Bolsonaro! Atentar contra a ordem democrática é cometer crime de ação pública

Defender um novo AI-5 significa um ato antidemocrático

Jorge Béja

Nesta segunda-feira (26) a Tribuna da Internet reproduziu matéria publicada no Correio Braziliense intitulada “Bolsonaro defende intervenção militar e acha normal que se exija um novo AI-5”. No bojo da notícia, foram publicadas algumas declarações de Jair que, a pretexto de estarem cobertas e amparadas pelo Direito de Manifestação e Expressão do Pensamento, segundo ele, qualquer pessoa pode externar e até realizar atos públicos em defesa e difusão daquilo que a pessoa entende ser justo, mesmo que venha ferir a Constituição Federal.

 Jair ainda disse que “jurei cumprir a Constituição por dever de ofício”. E acrescentou que “não é justo punir quem pede a volta do Ato Institucional nº 5 promulgado (o termo correto é baixado) durante o regime militar (1964-1985)”. Houve mais declarações. Mas bastam estas para desenvolver este pequeno artigo.

TUDO ERRADO – Não, Jair, não é assim. Nem assim está certo. Tudo – ou quase tudo – que você prega e deseja não tem amparo na Constituição Federal. Mas é compreensível, pois, naquele 1º de Janeiro de 2019, na solenidade de posse, seu compromisso de cumprir a Constituição Federal foi promessa e juramento meramente formal. 

Foi “por dever de ofício”, para usar suas próprias palavras. Sem vontade, sem desejo, sem veracidade, sem ser verdade, portanto. Foi só para assumir o cargo que a maioria do eleitorado brasileiro o elegeu, crendo nos seus propósitos de campanha.

Jair, um presidente da República que no exercício do cargo prega a impunibilidade de quem defende a volta do AI-5 de 1968, comete crime de responsabilidade.

É UM ATENTADO – O AI-5 foi o auge da ditadura militar. É o tal AI-5 é tão horroroso que não vamos reproduzir aqui. Mas vai lincado no final para que nossos leitores possam relê-lo. É crime, sim. Veja só o verbo que a Constituição utiliza para caracterizar este tipo penal praticado pelo presidente da República. O verbo é atentar. E atentar significa “considerar, refletir, tentar, olhar, observar, preocupar-se com” como está no Dicionário Escolar da Língua Portuguesa, do MEC, edição 1982.

Ouvir da boca de um presidente da República que “não é justo punir quem pede a volta do Ato Institucional nº 5, promulgado (baixado, porque o verbo correto é baixar) durante o regime militar” é mais do que um atentado, Jair. É estímulo. É adesão. É querer. É defender. É difundir. É propagar.

E veja só o que o diz o artigo 85 da Constituição Federal, ao tratar “Da Responsabilidade do Presidente da República”:

“São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente contra (…) II -o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes Constitucionais das Unidades da Federação…III – o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais…”.

Fiquemos por aqui, apenas com estes dois Direitos Democráticos, direitos que você, que é o presidente de todos nós, democraticamente eleito em eleição universal, legítima e sem mácula, agora, perto do fim de seu mandato, demonstra que não pretende respeitar e, sim, difundir a volta a ditadura do AI-5.

 

E abaixo vai o link com o texto oficial do Ato Institucional nº 5, de 1968. Salvo engano, o que disse Jair Bolsonaro e o jornal de Brasília publicou, é para ser cuidado pelo Ministério Público Federal, por se tratar de crime de ação pública da responsabilidade do presidente da República, e/ou por quem seja parlamentar federal.

Eis o link:

.https://legis.senado.leg.br/norma/584057/publicacao/15669952

6 thoughts on “Atenção, Jair Bolsonaro! Atentar contra a ordem democrática é cometer crime de ação pública

  1. A defesa dele sempre será a mesma: Fui eleito pela maioria que assim o quiseram. Sempre fui infiel.
    Nunca assumi responsabilidade. Sempre serei assim.
    Bolsonaro não está errado. Errado está quem votou nele.

  2. Mas Dr. Béja, em abril do ano passado o Presidente compareceu a atos que defendiam a volta do AI 5. Isso não é de hoje e não teve consequência nenhuma. Quando se tratou de inventar a pedalada fiscal, as providências foram imediatas. Pelo AI 5 simplesmente os atos administrativos do Poder Executivo não podiam ser objeto de apreciação pelo Judiciário. Foi proibido o habeas corpus. E a ditadura havia desde abril de 64, com as cassações de parlamentares e governadores (JK, Ademar de Barros etc) e a dissolução dos partidos políticos pelo AI 2. O que houve com o AI 5 foi a radicalização extremada e exacerbada do autoritarismo implantado em 64.

  3. O AI-5 FOI A MAIOR IMORALIDADE JÁ BAIXADA PELO GOVERNO BRASILEIRO E A MAIOR VERGONHA DE TODOS OS TEMPOS PARA NOSSAS FORÇAS ARMADAS !!! JAMAIS SERÁ ADMITIDO POR CIDADÃOS JUSTOS E HONESTOS E NUNCA SERÁ APAGADO A HISTÓRIA DO NOSSO PAÍS !!!!!!!!!!!!

  4. O ex-coiteiro de milicianos, agora é um dos chefes dessa ala criminosa, sempre foi essa anomalia humana. Sempre. Com o passar do Tempo o que mudou foi a abrangência dos seus cúmplices e/ou seguidores.

Deixe um comentário para Jad Bal Ja Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *