Viagens frequentes de Lula ao exterior têm gerado muito desgaste e nenhum ganho

Aerolula - Desciclopédia

Lula resolveu comprar outro avião por R$ 400 milhões

Alexandre Garcia
Gazeta do Povo

Neste ano, o presidente do Brasil visitou 26 países e ficou 62 dias fora. No balanço, essa política externa viajante parece ter gerado mais desgaste que ganhos. Em Buenos Aires, em entrevista à Rádio Mitre, Bolsonaro ironizou as viagens internacionais de Lula, dizendo que quando voltar a ser presidente vai nomeá-lo ministro do Turismo.

O pior é Lula ter de engolir isso, em razão da opção feita por países onde o autoritarismo abafou a democracia e por objetivos no mínimo polêmicos, que não são aprovados pela maioria do público brasileiro e nem sequer são compreendidos pelo seu próprio público. E sem resultados práticos: o investimento estrangeiro em setores produtivos no Brasil caiu 40% até setembro.

TENSÃO COM EUA – Com dois meses de governo, Lula já criava tensão com o mais tradicional parceiro do Brasil, os Estados Unidos, ao autorizar que dois navios de guerra iranianos – uma fragata e um porta-helicópteros – fossem acolhidos no Porto do Rio de Janeiro.

Os americanos, reconhecendo a soberania brasileira, recomendaram que não os acolhesse, pois se trata de navios que facilitam o terrorismo e já tiveram sanções da ONU. Lula os recebeu às vésperas de visita oficial a Washington. O Irã é parte do “eixo do mal”, segundo o governo americano. Lula também defende abertamente os regimes de Cuba, Nicarágua e Venezuela.

Em maio, em Brasília, tentou limpar a imagem de Maduro na reunião de presidentes sul-americanos. Falou em “democracia relativa” e até em Maduro defensor dos direitos humanos, irritando profundamente o presidente socialista do Chile, Gabriel Boric.

OUTRAS MANCADAS – Um mês antes, havia sugerido que a Ucrânia cedesse a Crimeia para acabar com a guerra. Por meia dúzia de vezes defendeu uma governança global para cuidar da Amazônia, arrepiando os nacionalistas brasileiros.

E, provocando arrepios também nos que prezam a representação popular, por algumas vezes argumentou que é preciso uma ordem supranacional para cuidar de certos assuntos, principalmente do clima, porque os acordos e tratados têm sido anulados pelos congressos nacionais. É a ideia da Nova Ordem Mundial.

Depois do ataque terrorista do Hamas, o governo brasileiro mostrou a mesma hesitação que agora demonstra ante as ameaças de Maduro contra a Guiana.

DANOS AO MERCOSUL – Fica fácil perceber que o presidente não consegue esconder suas simpatias. E o mundo, principalmente a Europa, percebe que o Brasil tem um presidente que não condena agressores.

E o acordo Mercosul-União Europeia foi pelo ralo. Aliás, o Mercosul, pelo jeito, vai estagnar, porque Lula mandou marqueteiros para impedir a vitória de Milei, coisa que o vencedor não vai esquecer. E não terá amigos do peito no Paraguai, Uruguai e Argentina.

A vizinhança toda certamente esperava uma ação decisiva de Lula para impedir as fanfarronices de Maduro, mas o que se vê é uma reação pastosa, sem assumir a responsabilidade de quem tem crédito com o vizinho belicoso.

GUERRA NA UCRÂNIA – Os áulicos anunciaram aos quatro ventos que Lula poderia mediar o conflito Rússia-Ucrânia e encontrar a paz; que poderia mediar a liberação dos reféns do Hamas, e resolver a questão Israel-Palestina.

Tudo geograficamente longe dos brasileiros e fácil de esquecer sem cobrar. Restaria a fama de ser o pacificador potencial. Agora a questão está aqui, ao lado do Brasil, e Lula, em vez de ir pessoalmente a São Vicente e Granadinas tentar alguma coisa, manda Celso Amorim, como observador.

O Brasil vai ficar olhando, observando a oportunidade passar. Viajando. Nem a conta das viagens compensou e fica no ar a cobrança da mediação brasileira, na expectativa criada pela propaganda. Em 2007, o rei Juan Carlos perguntou a Hugo Chávez: ¿Por qué no te callas?. Quando será que Lula vai perguntar a Maduro: ¿Por que no paras?

(Artigo enviado por Mário Assis Causanilhas)

5 thoughts on “Viagens frequentes de Lula ao exterior têm gerado muito desgaste e nenhum ganho

  1. O passador de panos sênior aqui a TI vai logo logo escrever que as centenas de viagens milionárias do ex-presidiário e sua marmita oficial são de grande importância e valia para o Nosso país. Miriam Leitão quem diga.

  2. 1) O Presidente Lula chegou naquele estado que criticam o que ele faz e também o que deixa de fazer…

    2) Há um “reclamismo/impacientismo” em tudo. E isso está caracterizando a sociedade brasileira… em diversas áreas…

    3) Reconheço que ele tem falhas, mas como se dizia antigamente: “deixa o homem trabalhar”…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *