Adesão de Lula à tese de genocídio por Israel é equivocada e incentiva divisões

Lula envia Celso Amorim para nova reunião sobre guerra na Ucrânia | Metrópoles

Assessorado por Celso Amorim, Lula segue no mau caminho

Marcos Augusto Gonçalves
Folha

O apoio do governo Lula à acusação de genocídio contra Israel no tribunal de Haia deve ter lá algum cálculo, mas seja qual for, é equivocado. Ainda que o núcleo do Palácio possa estar convicto de que se trata de um genocídio em curso, o que é pelo menos discutível, a acusação é demasiadamente grave para ser proclamada em nome do Brasil assim da noite para o dia, em sustentação a um jogo de cena de um país secundário como a África do Sul.

Não há dúvida de que Netanyahu tem que ser expelido e que sua política é inaceitável. A reação ao ataque terrorista do Hamas ultrapassou todos os limites humanitários.

CRIME DE GUERRA – O Brasil deve condenar, como tem condenado, a resposta indiscriminada que mata civis e crianças. A hipótese de crime de guerra tem fundamento, mas daí a sustentar a tese de genocídio e apregoá-la publicamente vai um caminho.

Por “café com leite” que seja o tribunal, que não tem poder impositivo, a decisão rompe com a tradição de equilíbrio e discrição do Itamaraty. Tem ares de terceiro-mundismo juvenil animado pelas novas movimentações do Sul Global.

A tese é escorregadiça do ponto de vista jurídico, instrumentaliza Haia como palanque anti-Israel e é uma atitude de confrontação. Se um país considera que outro pratica genocídio… o que mais falta para endossar uma guerra?

AMPLIAÇÃO DO CONFLITO – O assustador é que a possibilidade de uma guerra de maiores proporções vem aumentando. O gesto brasileiro se inscreve nesse contexto. A ampliação do conflito para a região já é um fato. Como observou o jornal The New York Times, a questão não é mais saber se vai ser ampliado, mas como pode ser contido.

O mundo, não custa repetir, caminha para um “turning point”. Uma nova ordem mundial se anuncia. Velhas convicções e argumentos estão em crise. Relações de força se redefinem. São momentos perigosos em que de uma hora para outra tudo pode se precipitar.

ESTICAR A CORDA – No meio desse tiroteiro, o governo brasileiro abandona a sobriedade na articulação de soluções pacíficas e resolve esticar a corda. Faz isso quando os EUA, com seu ethos belicista, piora as coisas com bombardeios no Iêmen em companhia do Reino Unido.

Lula tem sido um defensor da paz, mas desta vez preferiu acirrar os ânimos.

A decisão além de tudo é um erro político no plano doméstico, que contribui para aprofundar cisões entre brasileiros. Nada tem a ver com o discurso marqueteiro do Papai Noel da conciliação.

11 thoughts on “Adesão de Lula à tese de genocídio por Israel é equivocada e incentiva divisões

  1. Abrólhos!
    Lembra, àquele inconfiável que na primeira visita pergunta onde é o WC!
    “O Simbolismo do Homem Verde no Passaporte Irlandês.”
    A Elite ocultista age como os animais que colocam seu odor em tudo que estiver dentro de seu domínio, reivindicando-o como seu. Durante séculos, eles tiveram de fazer isso via simbolismo, pois as reividicações diretas de propriedade e domínio enfrentariam séria resistência. Mas, os tempos mudaram e o discernimento entre a população geral caiu até um nível extremamente baixo. Como resultado, a frequência, caráter e audácia desses símbolos cresceram consideravelmente nos últimos dez anos, até o ponto em que eles agora exibem claramente uma mensagem sinistra. O novo passaporte irlandês é um exemplo descarado disso. [31]
    https://www.espada.eti.br/homemverde.asp

  2. Como pode , um povo que se diz , vítima desse tal ” HOLOCAUSTO ” , mas promove e pratica o extermínio e genocídio de um povo ” Palestinos ” , que esta sob seu julgo á mais de 50 anos , como pretexto de autodefesa aos ataques do ” Hamas ” em 07/10/2023 , que diga-se foram facilitados pelos próprios órgãos de segurança Israelenses , por ser-lhes conveniente , tal como aconteceu nos USA , como é público e notório .

  3. Se continuar assim vai ressuscitar o bolsonarismo em 2026, com ou sem o. Bozo Alias bolsonarismo sem o Bozo eh muito mais perigoso do que com ele que conseguiu perder a eleição para ele mesmo como bem diz o general Cruz

  4. Concordo senhor Willy Sandoval.
    Vi muito depois, por volta de 2021, que se tivéssemos o Hamilton Mourão no lugar do ‘tosco’, estaríamos ‘lascados’. Inteligente, conservador, pragmático, politizado, mas, da extrema direita.
    PS: Como temos de agradecer a “Dilma/anta” por ter ‘explodido’ os planos do Lula/pt, temos que agradecer igualmente ao “Bolsonaro/’tosco'” por ter ‘implodido’ as ambições da extrema direita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *