Na morte sem fim, a posição da mídia sobre o conflito em Gaza jamais deixou dúvidas

Cessar-fogo AGORA: Um mês após o início da guerra Israel-Gaza, apelo  urgente para acabar com a violência horrível - CARE

O fato é que, em breve, só haverá escombros na Faiza de Gaza

Janio de Freitas
Poder360

Se a verdade é a primeira vítima nas guerras, os jornalistas não ficam bem nessa constatação, apesar do bravo trabalho dos que se arriscam como correspondentes nas áreas de ataques. É na retaguarda que cai a primeira vítima, o que leva o leitor/ouvinte a ser, no mesmo tempo, a segunda vítima. Prenunciantes, ambas, do que vai variar aos seus olhos e ouvidos entre a imprecisão e a sonegação.

Nos últimos dias, deu-se uma das ocorrências mais escabrosas do horror que Benjamin Netanyahu e Yoav Gallant lançam sobre crianças e jovens, moços e velhos, mulheres e homens – civis indefesos que aos milhares morrem ou ficam estraçalhados como insetos pisados, na sua terra palestina. Uma ocorrência a ensinar que na Palestina nem a morte é o fim.

MUITOS BURACOS – A câmera perpassa um chão de terra revolta, com muitos buracos, numerosos são retangulares, outros, circulares pela escavação desenfreada. O cenário se reproduz, o mesmo trabalho de câmera, mas são outros lugares. Vários. Alguns cadáveres, em suas mortalhas brancas agora sujas de terra, jazem entre buracos, como explicação para os cenários idênticos: os buracos eram sepulturas.

Comportavam um cadáver, as menores, as outras tiveram mais. Todas as covas abertas e os corpos desenterrados por soldados israelenses. Por causas sanitárias, ante sepultamentos talvez rasos, não foi.

Risco maior de contaminações está nos milhares de corpos sob escombros, com indiferença dos militares israelenses.

AÇÃO PLANEJADA – Indagado, o governo Netanyahu transferiu a iniciativa para os próprios soldados, tratando-a com irrelevância. Nem uma coisa, nem outra: dos 32 cemitérios, a maioria de improvisos recentes, foram atacados 16, indício de ação planejada e comandada.

Costumo ver os noticiários das principais tevês estrangeiras disponíveis e de duas ou três brasileiras. De todas, só em uma vi a reportagem ou notícia da ação macabra, não militar, do Exército israelense (exibição na noite do domingo [21.jan.2024], pela CNN norte-americana ou a CGTN chinesa; minha anotação sofreu um incidente).

A exclusividade se repetiu na noite de terça-feira (23.jan.2024), com importante reportagem sobre a vida atual na Faixa de Gaza, que a CGTN exibiu, com crédito de autoria dado à Associated Press, evidenciando que a reportagem estava disponível para a quase totalidade das tevês.

IMPLICAÇÃO MAIOR – Omissões na mídia não são raras, nem o esvaziamento e o tratamento faccioso de um assunto. Mas a amplitude dos dois casos citados tem implicação maior.

Tudo o que se passe na Faixa de Gaza é significativo para a divergência entre o clamor pelo fim do esmagamento de uma população e, de outra parte, o apoio ou a tolerância à barbárie.

Com ou sem massacre, jamais coube alguma dúvida sobre a posição da mídia, daqui e de fora, entre israelenses e palestinos/árabes em geral. No que diz respeito a Netanyahu e seu governo, é clara a retração parcial da preferência midiática.

CONDENAÇÃO – A opinião mais à mostra na população, excetuada a comunidade judaica, saiu da indiferença na questão Israel-Palestina para a condenação do bombardeio e perversidades impostos à população da Faixa de Gaza. O perigo é ir, na condenação, além de meios que não sejam, eles também, condenáveis.

O discutido boicote a empresas de judeus, por exemplo, é ideia envenenada pela injustiça: ser judeu não é, forçosamente, apoiar facinorosos como Netanyahu, Gallant e os extremistas israelenses.

Além disso, é ideia importadora de um confronto que, até onde se sabe, a maioria “informada” dos brasileiros quer substituído por dois Estados. De costas um para o outro, e assim, sem se matarem…

10 thoughts on “Na morte sem fim, a posição da mídia sobre o conflito em Gaza jamais deixou dúvidas

  1. 27 de janeiro: DIA INTERNACIONAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO.

    Dia de lembrar a barbárie que foi o Holocausto por parte dos nazistas

    … e que tem, há décadas, servido de exemplo para sionistas genocidas como netanyahu – vide chacina em curso no Gueto de Gaza.

    batista filho

  2. Senhor Batista Filho , lembra-se da máxima de um ministro da propaganda Alemão , de que a mentira repetida mil vezes , tornar-se-á verdade , portanto essa é a prática dos arautos do tal ” HOLOCAUSTO ” de judeus , que de tanto repetirem instituíram o seu dia , como no dia da mentira em 1º Abril .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *