Objetivo da África do Sul (com apoio de Lula) é evitar enfraquecimento do Hamas

No aniversário de 10 anos da morte de Nelson Mandela, | Opinião

Hamas marcou presença na solenidade em honra a Mandela

Demétrio Magnoli
Folha

Este sábado (27), aniversário da libertação de Auschwitz, é o Dia Internacional da Memória do Holocausto. O governo da África do Sul, com apoio do governo do Brasil, decidiu enterrar a memória do genocídio dos judeus europeus por meio de uma cínica acusação de genocídio contra o Estado judeu.

Na guerra civil síria, o regime de Bashar al-Assad matou mais de 300 mil civis. Cidades inteiras sofreram bombardeios devastadores. Forças do Irã e da Rússia participaram dos massacres. Nenhum país acusou a Síria, na Corte Internacional de Justiça, de praticar genocídio. Com razão: a ditadura síria não cometeu o crime dos crimes.

SIGNIFICADO REAL – Genocídio requer a intenção de dizimar um grupo populacional inteiro. Assad pretendia destruir seus opositores, à custa de pilhas infinitas de cadáveres, mas não eliminar os muçulmanos sunitas. Na guerra de Gaza, Israel busca eliminar o Hamas, não a população palestina.

A peça acusatória da África do Sul banalizava o mais abominável dos crimes, reduzindo o Holocausto a uma nota de rodapé na longa história dos horrores de guerra.

Se Israel pretendesse exterminar os palestinos, não ordenaria a evacuação de áreas sob bombardeio ou colocaria seus soldados em risco: seu poder aéreo seria suficiente para matá-los em quantidade várias vezes maior. Há fortes indícios de que, em Gaza, as forças israelenses cometem diversos crimes de guerra. Mas o lugar para processar crimes de guerra é o TPI (Tribunal Penal Internacional), não a CIJ (Corte Internacional de Justiça).

CRIMES DE GUERRA – O governo sul-africano teria firmes fundamentos para abrir no TPI um processo por crimes de guerra contra Netanyahu – e outro por terrorismo, contra os líderes do Hamas. Contudo, escolheu a CIJ porque seus objetivos são políticos: a corte só pode processar Estados, o que elimina a hipótese de condenação do Hamas.

Esqueça a hipócrita alegação humanitária. Há pouco, o governo sul-africano recebeu, com honras, Mohamed Dagalo, chefe da milícia sudanesa Janjaweed, que perpetrou os massacres de Darfur. Foram 200 mil mortos, entre 2003 e 2005, numa tragédia qualificada por inúmeros especialistas como o primeiro genocídio do século 21.

O governo sul-africano mantém laços estreitos com o Hamas. No último 5/12, semanas após as atrocidades do 7/10, uma delegação da organização terrorista palestina participou como convidada da marcha oficial sul-africana em memória aos dez anos da morte de Mandela.

PRESERVAR O HAMAS – Na ação, solicita-se à CIJ a imposição de um cessar-fogo permanente. Seu objetivo tático: preservar o poder do Hamas na Faixa de Gaza.

A escolha da acusação de genocídio ilumina o objetivo estratégico do governo sul-africano. Trata-se de avivar a campanha internacional destinada a isolar Israel num gueto diplomático: um Estado ilegítimo, o “judeu das nações”.

A acusação de genocídio dispensa a guerra em curso. Daud Abdullah, do Conselho Muçulmano Britânico, classifica a guerra de 1948 como genocídio. O ativista-historiador Ilan Pappé descreveu o bloqueio israelense de Gaza de 2007 como genocídio. Grupos palestinos foram ao TPI para acusar Israel de genocídio pela invasão de Gaza de 2014.

JUDEUS E NAZISTAS – Essa operação incessante, sistemática, busca estabelecer uma identificação histórica entre a natureza do Estado judeu e a do Estado nazista. O primeiro deveria ter o mesmo destino do segundo: desaparecer.

“Antissionismo é dever ético”, escreveu na Folha Berenice Bento, professora da UnB. Juntar-se ao Hamas e ao Irã para clamar pela abolição do Estado nacional judeu tem nome mais preciso: antissemitismo.

A ação sul-africana – e o apoio prestado pelo governo Lula a ela – é uma estufa de mudinhas do antissemitismo. Sob o seu domo, José Genoino qualificou como “interessante” a “ideia de boicote” a “empresas de judeus”. Antes dele, alguém teve essa “ideia interessante”. Nela encontram-se as sementes do arco histórico que se concluiu em Auschwitz.

11 thoughts on “Objetivo da África do Sul (com apoio de Lula) é evitar enfraquecimento do Hamas

  1. Demétrio Magnoli está muito equivocado. Não há como negar que o Hamas é um grupo terrorista, mas dizer que mais de 26 mil palestinos mortos é um ataque apenas envolvendo o Hamas é uma piada de mal gosto.

    Hamas teve apoio do Benjamin Netanyahu, pois o objetivo de era diminuir a força do Fatah que já tinha o seu prestigio abalado por conta de corrupção. Os planos de Netanyahu, atenção isso não são os planos de Israel e sim de Benjamin Netanyahu com seu grupo, são de ocupar definitivamente toda a faixa de Gaza. Não importa quantos irã morrer nesse conflito (palestinos e israelenses). O grupo de Netanyahu quer se apossar dos repositórios de gás descobertos recentemente nesse local e construir um novo canal para concorrer com o canal de Suez. Além disso, Benjamin Netanyahu precisa se manter no poder pois além de casos de corrupção, agora está sendo responsável direto pelas mortes de palestinos e israelenses. Para não ser preso, Netanyahu pretende estivar esse conflito até o final do ano pois acha que uma possível vitória do Trump vai dar suporte para sua permanência como Primeiro-Ministro e manter um estado de guerra em Israel de forma definitiva.Da mesma forma que Hamas não representa o povo palestino, Netanyahu não representa os israelenses

    O plano de Netanyahu está acabando com a economia de Israel. O bloqueio feito pelos Houthis é uma manobra feita de forma tão espetacular que está mudando a forma atuação da marinha mundial. Como reflexo desse bloqueo, o preço do frete e seguro além do petróleo estão subindo. Esticar a guerra é um plano que pode trazer graves consequências para Israel e o mundo. Era apenas o Hamas, agora tem os Houthis e Hezbollah, outros países podem se envolver nesse conflito e Israel não tem folego financeiro e humano para manter um conflito prolongado. Vai ser difícil resolver esse problema de forma mediata. Talvez o ponta pé inicial seria seguir a resolução da ONU com a criação dos dois países com as divisões territoriais estabelecidas. Da forma que está hoje, Netanyahu é o maior recrutador de palestinos para a causa do Hamas.

  2. Demétrio é a cara dessa decadente mídia eugenista. Não basta defender o estado assassino genocida de Israel, agora a mídia quer dizer que a África do Sul, país vítima do aparteid, não entende de perseguição de um povo!

  3. O autor do artigo está muito equivocado. O que alguns países querem é a criação de um Estado Palestino, que era o objetivo inicial, quando se criou o Estado de Israel. Mas até hoje não aconteceu isso.

  4. 27 de janeiro: DIA INTERNACIONAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO.

    Dia de lembrar a barbárie que foi o Holocausto por parte dos nazistas.

    Obs. Nessa data tão significativa para toda a Humanidade, rogo às pessoas de Boa Vontade que se unam para que CESSE imediatamente A MATANÇA dos Palestinos no Gueto de Gaza por parte dos judeus sionistas.

  5. Senhor Demétrio Magnoli (Folha) , é pelo seu raciocínio a intenção se sobressai aos fatos , ou seja , a guerra de extermínio do povo Palestino e roubo de suas terras pelos Israelenses , que esta sob o julgo Israelense , não esta acontecendo .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *